Trump adverte Pequim de que pode agir por sua conta na Coreia do Norte

Ataque à Síria marca cúpula entre EUA e China Líderes dos dois países concordaram em negociar sobre comércio

Donald Trump, à esquerda, ao lado do presidente chinês, Xi Jinping.
Donald Trump, à esquerda, ao lado do presidente chinês, Xi Jinping.Alex Brandon (AP)

Mais informações

O bombardeio dos Estados Unidos contra o regime sírio de Bashar al Assad irrompeu no que ia ser uma cúpula já difícil entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o chinês, Xi Jinping. A demonstração de força pôs pressão sobre Pequim, que se tem alinhado com a Rússia na ONU nesse conflito, e mandou uma mensagem evidente sobre a questão da Coreia do Norte, na qual Washington pede mais firmeza à China. O ambiente do lugar do encontro, Mar-a-Lago, a luxuosa propriedade do bilionário presidente na Flórida, foi o único ponto de relaxamento na visita.

"O presidente Trump indicou a Xi que seria bem recebida qualquer ideia que pudessem ter ou de outras ações que poderíamos adotar, e que estaríamos felizes em trabalhar com eles, mas entendemos que isto cria problemas singulares para eles e desafios, e que estaríamos, estamos dispostos a traçar nosso próprio caminho se for algo que a China for incapaz de fazer”, disse à tarde o secretário de Estado, Rex Tillerson.

O primeiro cara a cara era um campo minado, não só por tudo o que os separa. A chegada do empresário nova-iorquino à presidência dos Estados Unidos, que deixou todo o mundo em alerta por sua guinada nacionalista, servira a um regime comunista como o de Pequim para passear pelo fórum de Davos como novo líder do livre comércio ou para ficar na dianteira nas manifestações de luta contra as mudanças climáticas, apesar de ser o país que mais emite gases do efeito estufa.

Ainda assim, ambos os líderes concordaram em pôr em operação um plano de 100 dias para negociações sobre comércio, uma de suas principais frentes em aberto, para dar impulso às exportações norte-americanas e reduzir o déficit com a China, de 347 bilhões de dólares (1,1 trilhão de reais), segundo explicou o secretário de Comércio dos EUA, Wilbor Ross. Além disso, Tillerson disse que Xi havia compreendido os motivos da ação norte-americana.

O balanço do encontro apontou sinais de boas intenções. Trump aceitou o convite de Xi para visitar a China este ano, segundo informou a agência de notícias Xinhua. Em seu tom habitual, superlativo, mas sem detalhe algum, o mandatário norte-americano afirmou na sexta-feira aos jornalistas que nessas poucas horas na Flórida haviam conseguido “um tremendo avanço” na relação com a China. “Realmente, considero que foram feitos progressos”, enfatizou, e chegou a qualificar essa nova relação de “espetacular”. “Chegamos a muitos entendimentos comuns, o mais importante é aprofundar nossa amizade e construir uma espécie de confiança”, disse XI, em chinês, em declaração à imprensa na presença de Trump.

Apesar das declarações de Tillerson, a Síria não é algo que os une. No Conselho de Segurança das Nações Unidas a China tem sido aliada da Rússia na hora de vetar várias resoluções que afetam o país árabe, como a do final de fevereiro, que propunha sanções ao regime sírio pelo uso de armas químicas. Também em dezembro se alinhou com Moscou contra outra resolução que demandava uma trégua de sete dias na cidade de Aleppo.

Sem confronto

Em público, Pequim evitou o confronto na sexta-feira. A porta-voz de Relações Exteriores chinesa, Hua Chunying, não se pronunciou diretamente sobre o bombardeio dos EUA, mas enfatizou que “o urgente no momento é evitar qualquer deterioração da situação (...). Esperamos que todas as partes implicadas mantenham a calma e evitem qualquer escalada da tensão”. “Nós nos opomos ao uso de armas químicas por parte de qualquer país, organização ou indivíduo, e independentemente das circunstâncias e objetivo”, insistiu.

A execução do ataque depois da matança de civis com armas químicas, com fotos de crianças agonizantes que comoveram todo o mundo, fez com que a maior parte da comunidade internacional apoiasse ou evitasse criticar o bombardeio dos EUA.

O porém é o dia seguinte, se o regime de Assad responde com mais ofensivas e ocorre uma escalada da violência. E esse mesmo perigo adquire dimensões muito superiores quando se trata da Coreia do Norte, que é o país do mundo com mais sanções por causa de seus testes atômicos e tem à frente um ditador imprevisível. Segundo informou a NBC, citando altos funcionários, o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca apresentou a Trump uma série de opões para responder ao programa nuclear da Coreia do Norte, incluindo instalar armas nucleares norte-americanas na Coreia do Sul e matar o ditador Kim Jong-un.

Em uma entrevista ao Financial Times, Trump alertou que agiria de modo unilateral para eliminar a ameaça nuclear que o regime de Kim Jong-un representa se Pequim não se envolver mais. A sensação de que a potência asiática não fez o bastante para cumprir as sanções econômicas impostas à Coreia do Norte ou submetê-la a outros reveses não é nova em Washington, mas foi a Administração Trump que começou a usar palavras duras.

“A China tem uma grande influência sobre a Coreia do Norte e decidirá se nos ajuda contra a República Popular norte-coreana ou não (...). Se o fizer, será bom para a China, do contrário, não será bom para ninguém”, disse o presidente republicano. A Casa Branca analisou vários mecanismos de pressão possíveis, como a imposição de punições aos empresários chineses que tentem negócios com a Coreia do Norte. Os frutos reais da visita ainda estão por ser vistos, mas Trump ganhou a batalha dos gestos e das mensagens.

Do Big Mac ao linguado com champagne

Durante a campanha eleitoral, Donald Trump havia feito piada e dito que, em vez de oferecer um jantar de Estado ao presidente da China, iria convidá-lo para um Big Mac duplo. “Querem que nosso povo passe fome, estão levando nossos empregos”, disse o Trump mais belicoso da campanha. E recém-eleito chegou a questionar a política de uma só China, ao falar com Taiwan. Mas o cardápio em Mar-a-Lago foi bem diferente: linguado com molho de champanhe e bife com batatas. Depois do banquete, teve início a ação militar.