Greve geral desafia Macri, anfitrião do Fórum Econômico Mundial

Graves incidentes entre a policial e os grevistas País confirma protagonismo internacional enquanto sofre um grave conflito interno

Manifestantes enfrentam a polícia em Buenos Aires.
Manifestantes enfrentam a polícia em Buenos Aires.MARTIN ACOSTA (REUTERS)

Todas as greves gerais são um grande pulso político entre o Governo e os sindicatos. Mas, na Argentina, isso chegou hoje ao nível de prova de fogo entre os fiéis a Mauricio Macri, que converteram ir trabalhar quase em um ato de militância, e os opositores, que trataram de paralisar Buenos Aires com piquetes dissolvidos violentamente pela polícia. E este palco de tensão ocorreu no mesmo dia em que Buenos Aires recebia o Fórum Econômico Mundial sobre a América Latina, um momento de máximo apoio internacional para Macri. "Que bom que estamos aqui trabalhando", disse cheio de intenções o presidente para iniciar o fórum enquanto nas periferias da cidade se produziam violentos confrontos entre a polícia e os grevistas.

Mais informações
Argentina está prestes a bater o recorde mundial de anistia fiscal
Prefeito de Buenos Aires inaugura gabinete na favela mais famosa da capital argentina
Cristina Kirchner enfrenta seu primeiro julgamento por fraude ao Estado
Mauricio Macri, aplaudido no mundo e cada vez mais questionado na Argentina

O conflito social na Argentina se intensificou após a população acatar a convocação de greve geral feita pela Confederação Geral do Trabalho (CGT). Essa é a primeira que os sindicatos peronistas declaram greve contra o Macri. A cidade amanheceu vazia e com seus principais acessos ameaçados por bloqueios dos movimentos sociais mais combativos, que não acataram a decisão sindical de não se mobilizar. Além da CGT, também participa do movimento a Central de Trabalhadores Argentinos (CTA), forte entre funcionários de estatais e professores. O sucesso do chamamento parecia garantido desde o início do dia: sem ônibus, táxis, metrô nem aviões; sem escolas nem universidades (em meio a outra dupla jornada de paralisação de professores); com os hospitais funcionando somente para plantões médicos; sem bancos, nem coleta de lixo.

Com o fechamento dos aeroportos, todos os voos entre Brasil e Argentina foram cancelados. Os aeroportos Salgado Filho, em Porto Alegre, e Guarulhos, em São Paulo, foram os mais afetados. A companhia aérea Aerolíneas Argentinas divulgou um comunicado pedindo aos passageiros prejudicados que entrassem em contato com o call center da empresa para que sejam feitas reacomodações e reembolsos. A LATAM também informou em seu portal na internet que, devido a paralisação, cancelou todos os seus voos domésticos e internacionais operados de e para a Argentina.

O Fórum Econômico Mundial trouxe a Buenos Aires 1.200 empresários, ministros estrangeiros, altos funcionários e organismos internacionais. O Fórum obrigou a cidade a adotar um forte esquema de segurança. Apesar de a convocação não incluir mobilização, várias organizações sociais montaram piquetes tanto nos acessos como no centro da cidade e anunciaram um protesto nos arredores do Hotel Hilton, onde está sendo realizado a conferência. 

O bloqueio programado para as 6h na Ponte Pueyrredón (principal acesso à cidade na zona sul da área metropolitana e um símbolo dos protestos sociais) aconteceu, mas não foi feito por organizações sociais de esquerda e sim pela a própria polícia, que chegou com a ordem de evitar que os manifestantes ocupassem a rua. Cerca de mil pessoas com bandeiras do Partido Operário, do Movimento Socialista dos Trabalhadores (MST) e do Partido dos Trabalhadores Socialistas (PTS), entre outros, foram contidas por duas fileiras de policiais federais, provinciais e municipais.

“Ganhamos a ponte mesmo assim”, diziam os militantes enquanto esperavam a chegada de companheiros para reforçar as colunas. Dez minutos antes das 7h, a chegada do grêmio docente Ademys –que mantém uma dura luta com o Governo por causa de uma reivindicação salarial –, provocou o primeiro enfrentamento com a polícia numa tentativa de ocupação que foi reprimida pelos escudos policiais.

Vilma Ripoll, dirigente do MST, disse ao EL PAÍS que “o Governo de Mauricio Macri, fortalecido pela mobilização de 1 de março [quando milhares de pessoas ocuparam a Plaza de Mayo em seu apoio], acredita que pode trazer as forças repressivas a todos os bloqueios decididos pelos setores combativos”. “Devemos realizar uma paralisação que a CGT convocou pressionada por suas bases. Fizeram uma greve passiva e domingueira para voltar a negociar com o Governo a paz social. É uma vergonha a atitude da CGT e o governo não vai poder esconder a insatisfação popular com as taxas, o desemprego e a suspensão dos acordos paritários trazendo a polícia”, argumentou a ex-deputada.

Nos dias anteriores à greve, o principal assunto das conversas nas ruas, fábricas e escritórios era quem iria aderir à greve. A ministra de Segurança, Patrica Bullrich, alertou que o Governo garantiria a livre circulação de pessoas. “Em nossa perspectiva, essa paralisação é totalmente ilegítima e sem sentido. Tem muita gente querendo enfrentar a paralisação para dizer: ‘não vão me fazer parar à força’“, disse. A resposta da cúpula da CGT foi desafiadora. “Aqui não há impedimentos para quem quer ir trabalhar. O que vai haver é uma paralisação total das atividades, por isso vai haver uma alta adesão contra um mal-estar social que tentamos pôr na agenda pública. Não há nada mais além disso”, afirmou Juan Carlos Schmid, integrante do triunvirato que dirige a central operária.

As greves gerais na Argentina, um país que tem uma forte atividade sindical, são uma ferramenta comum de pressão política. Há muitos exemplos disso. Raúl Alfonsín (1983-1989) sofreu a primeira nove meses depois de assumir a presidência e enfrentou 13 ao longo de seu mandato; Carlos Menem (1989-1999) viu o país parar três anos depois de colocar a faixa presidencial e suportou oito em 10 anos; Fernando de la Rúa governou apenas dois anos (1999-2001) e teve sua primeira greve geral no terceiro mês de mandato, depois sofreu outras sete e Cristina Kirchner (2007-2015) viu a CGT na rua no quinto ano de mandato –quando já tinha sido reeleita – e enfrentou cinco no total. Néstor Kirchner (2003-2007) foi o único presidente pós-ditadura que não sofreu nenhuma greve geral durante a presidência.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS