Delações da Odebrecht: o que já se sabe e o que mais elas podem conter

Nomes de Dilma Rousseff, Michel Temer, Aécio Neves e de ministros já saltaram de depoimentos

Sede da construtora em São Paulo.
Sede da construtora em São Paulo. (EFE)

MAIS INFORMAÇÕES

Nos últimos meses, trechos de depoimentos de delatores da Odebrecht vazaram à imprensa, dando uma mostra do que poderá estar presente nas 78 delações acordadas por funcionários da empresa com a Justiça. Na próxima semana, espera-se, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ministro Edson Fachin retire o sigilo das declarações. Janot enviou no final da tarde desta terça-feira o pedido ao STF. Ele também requisitou a abertura de 83 inquéritos contra políticos com foro privilegiado (benefício dado a presidente, ministros e parlamentares federais). Os nomes dos que podem ser investigados só será conhecido quando o fim do sigilo for decretado.

Até agora, já foram implicados nomes do atual presidente Michel Temer (PMDB), além de ministros importantes de seu Governo, da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) e de seu oponente nas eleições passadas, Aécio Neves (PSDB), entre outros parlamentares de uma dezena de partidos. A possível amplitude das declarações alimentou a discussão de anistia ao caixa dois que acontece no Congresso. Nos últimos dias, diversos políticos relativizaram as doações não contabilizadas feitas por empresas, incluindo o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso. 

Leia o que se sabe até agora sobre as colaborações com a Justiça de 5 dos principais delatores e o que mais elas podem conter. Todos os políticos já citados negam qualquer irregularidade.

Marcelo Odebrecht

O herdeiro da construtora ocupava a presidência da Organização Odebrecht desde 2008 até ser preso, em junho de 2015. Ele era o homem das decisões e dos contatos com os principais políticos. Sua delação é apontada pela imprensa como a mais bombástica. No início deste mês, em um depoimento ainda sigiloso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), durante processo que investiga irregularidades na chapa Dilma-Temer em 2014, ele afirmou que o senador Aécio Neves pediu a ele 15 milhões de reais para sua campanha eleitoral, mas o repasse parece não ter sido concretizado. A questão, entretanto, não foi aprofundada porque o juiz do TSE pediu para que ele se detivesse ao objeto daquela investigação, ou seja, à coligação PT-PMDB. A informação, no entanto, deve constar na delação do fim do mundo, que pode se tornar pública na próxima semana. Também ao TSE, ele afirmou que a empresa doou 150 milhões de reais à chapa Dilma-Temer, sem precisar quanto desse dinheiro foi via caixa dois. E confirmou que se reuniu com o presidente Michel Temer, então vice-presidente, em um jantar no Palácio do Jaburu, para discutir repasses ao PMDB, mas disse não se lembrar de ter tratado de valores com ele. Em trechos vazados à imprensa, ele afirmou que a Odebrecht colocou à disposição do PT, entre 2008 (Governo Luiz Inácio Lula da Silva) e 2014, 300 milhões de reais, sempre após conversas com nomes do partido, como Antonio Palocci e Guido Mantega.

Claudio Melo Filho

A delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht é a única com conteúdo totalmente conhecido. No final do ano passado, um anexo de sua colaboração entregue ao Ministério Público Federal vazou para a imprensa e mostrou como a construtora operava junto a parlamentares para pagar propina em troca de leis que a beneficiavam. A didática delação, de 82 páginas, envolveu 51 políticos de 11 partidos. Ele também citou o jantar no palácio do Jaburu, onde, além dele, esteve Marcelo Odebrecht, Michel Temer e o atual ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Os peemedebistas teriam pedido 10 milhões de reais e, ao contrário de Marcelo, o ex-diretor foi contundente em relação à participação do presidente: ele disse que o pedido do dinheiro foi feito pelo próprio Temer, o que confirmou em um depoimento posterior ao TSE. Pelas versões divergentes, Marcelo e Claudio tiveram que passar por uma acareação nesta sexta-feira no tribunal eleitoral. O conteúdo dela está em sigilo até que o ministro Edson Fachin, responsável pela Lava Jato no Supremo, autorize a divulgação das 78 delações acordadas com a Justiça. Além de Padilha, o ex-diretor citou ainda Romero Jucá, ex-ministro de Temer, Renan Calheiros e Eunício Oliveira, ex-presidente e atual presidente do Senado, Jaques Vagner (PT), Antônio Imbassahy (PSDB) e outros parlamentares.

Benedicto Júnior

Ex-presidente da construtora Odebrecht, Benedicto Junior também deu uma mostra, em depoimento ao TSE, do que sua delação poderá trazer. Ele afirmou que a Odebrecht doou a campanhas 80 milhões de reais por meio de caixa dois, metade por meio de uma cervejaria. Ele também afirmou que repassou 9 milhões de reais ao PSDB a pedido de Aécio Neves, mas não deixou claro se houve doações não contabilizadas ao partido. Ele também não se estendeu muito sobre o tópico, já que as campanhas tucanas não fazem parte do escopo de investigação do tribunal eleitoral, que é a chapa Dilma-Temer. É possível, entretanto, que os detalhes disso já estejam nas mãos da Justiça, em sua delação. 

Hilberto Mascarenhas

Mascarenhas trabalhava no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, que ficou conhecido como o "departamento de propinas", pois cuidava dos repasses feitos aos políticos. Em depoimento ao TSE, ele informou que a Odebrecht movimentou mais de 3 bilhões de dólares entre 2006 e 2014 para o caixa dois de campanhas eleitorais brasileiras. Ele detalhou os pagamentos feitos aos marqueteiros de campanhas petistas Duda Mendonça e João Santana, já condenado por envolvimento na Lava Jato. Os pagamentos, apontou ele, foram feitos para campanhas de Lula e de Dilma.

Alexandrino Alencar

O ex-diretor de Relações Institucionais da construtora é visto como mais próximo de Lula e chegou a ter uma delação recusada, porque a força-tarefa da Lava Jato considerou que ele parecia estar querendo proteger o ex-presidente. Ao TSE, ele disse que o ex-tesoureiro da campanha de Dilma de 2014, Edinho Silva, sugeriu que a construtora fizesse uma doação de 30 milhões de reais por meio de caixa dois para a chapa Dilma-Temer. O dinheiro teria servido para que se comprasse apoio de outros partidos para a coligação. Em sua delação, além de detalhar esses repasses, espera-se que Alexandrino tenha esclarecido a questão do sítio de Atibaia, que ronda Lula. O ex-presidente nega ser dono do sítio, que recebeu melhorias feitas pela construtora. A força-tarefa da Lava Jato diz que a propriedade está em nome de laranjas.

Fernando Reis

O ex-presidente da Odebrecht Ambiental também falou ao TSE, na investigação que apura supostos desvios na campanha Dilma-Temer. Ele afirmou que repassou 4 milhões de reais ao PDT para que o partido apoiasse a reeleição da chapa. O partido, por sua vez, diz que a declaração de seu apoio foi muito anterior ao suposto recebimento de dinheiro apontado pelo ex-funcionário. Ele afirmou ainda que o Orçamento disponível para o partido era de até 7 milhões, mas a primeira oferta, mais baixa, logo foi aceita.

Arquivado Em: