China reduz meta de crescimento e alerta para riscos da era Trump

Primeiro-ministro Li Keqiang reduz objetivo de crescimento a 6,5% para priorizar a estabilidade

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang (direita), com o presidente Xi Jinping.
O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang (direita), com o presidente Xi Jinping.Lintao Zhang

Li Keqiang não mencionou pelo nome o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Não era preciso. Todos podiam imaginar a quem se referia o primeiro-ministro chinês quando, em seu discurso sobre o estado da nação com o qual inaugurou a temporada legislativa chinesa, advertiu neste domingo sobre “as muitas incertezas quanto às políticas das grandes economias e seus respectivos efeitos associados”.

Mais informações

A China deve “estar pronta para encarar situações mais graves e complicadas”, enfatizou no pronunciamento, definindo em 6,5% a meta de crescimento para 2017, ligeiramente inferior à do ano passado.

A abertura das sessões anuais da Assembleia Popular Nacional (ANP) no Grande Palácio do Povo de Pequim é o acontecimento mais solene do calendário político chinês. Uma cerimônia com ares de outra época, repleta de parafernália do regime: da gigantesca estrela de cinco pontas que pende do teto até o escudo nacional que se destaca nas reuniões dos quase 3.000 delegados, passando pelas onipresentes bandeiras vermelhas. Este ano, contudo, a sombra do imprevisível presidente norte-americano pairou sobre a simbologia comunista.

Quando era candidato e no início de sua presidência, Trump manteve uma retórica hostil contra a China. Embora tenha finalmente deixado de lado as ameaças de aproximação com Taiwan, a ilha autogovernada que Pequim considera parte inalienável de seu território, Trump ameaçou impor sanções comerciais à segunda economia do mundo. Na terça-feira passada, em seu primeiro discurso no Congresso dos EUA, ele vinculou a entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001, com o fechamento de 60.000 fábricas norte-americanas. Suas posições protecionistas causaram consternação em outros países da região.

“O crescimento econômico continua anêmico, e tanto a tendência rumo à ‘desglobalização’ como o protecionismo estão aumentando”, disse Li em seu discurso. “Os fatores que podem provocar instabilidade e incerteza crescem visivelmente.”

Uma incerteza que a China vê com especial preocupação num ano de transição política: no próximo outono boreal, se mantiver o costume das últimas décadas, substituirá cinco de seus sete dirigentes máximos devido à idade. Esse processo absorverá a atenção dos líderes chineses, envolvidos em delicadas negociações sobre quem ocupará os diversos cargos. Portanto, o regime deve priorizar a estabilidade, dentro e fora de suas fronteiras, sobre qualquer outra questão possível.

Sem citar Trump, Governo chinês alerta para período de "situações mais graves e complicadas" que se aproxima

“A estabilidade do desenvolvimento econômico é primordial para a primeira metade de 2017”, explica o historiador e analista político Zhang Lifan. “O crescimento econômico é a base da legitimidade do poder político. Se a economia começar a ter dificuldades, o regime político poderá ter problemas” durante a transição.

O próprio primeiro-ministro se referiu a esse tema. “A estabilidade é de primordial importância”, disse ele no discurso. No âmbito interno, “devemos garantir um crescimento estável, a manutenção do emprego e a prevenção dos riscos. Para assegurar a estabilidade econômica e social generalizada, não devemos permitir ameaças à segurança financeira, ao bem-estar da população e à proteção do meio ambiente”, destacou entre as prioridades do Governo para este ano.

No âmbito externo, frente ao comportamento imprevisível do novo mandatário norte-americano, Li propôs o seu país como modelo de estabilidade. Enquanto Washington se retira bruscamente do Tratado Transpacífico (TPP) após negociá-lo por quatro anos e ameaça reformular sua presença em outros acordos e instituições, “a China não mudará seu compromisso de promover a cooperação econômica global”, prometeu, reiterando a defesa da globalização econômica alardeada pelo presidente chinês, Xi Jinping, no Fórum Econômico Mundial em Davos no início do ano. A China – afirmou o premiê – “é um país responsável”.

O país estabeleceu para este ano uma meta de crescimento de 6,5% “ou mais, se for possível na prática”, declarou Li. É uma cifra que dá continuidade à tendência de queda de anos anteriores, ao reconhecer uma economia mais lenta e com a qual o Governo deseja ter melhor saúde para lidar com problemas como o excesso de capacidade industrial, a poluição e o forte endividamento. Em 2016, o país cresceu 6,7%, segundo cifras oficiais.

A China espera criar este ano 11 milhões de postos de trabalho urbano e deixar a cifra de desemprego em 4,5%, fechando 2017 com uma inflação de 3%.

Num ano de transição política, Li não anunciou grandes iniciativas econômicas. Entre outras medidas, divulgou um corte de 50 milhões de toneladas em sua capacidade de produção de aço e o fechamento de minas de carvão, com uma produção de 150 milhões de toneladas. O gigante asiático também vai suspender ou eliminar pelo menos 50 milhões de quilowatts de capacidade em usinas elétricas que utilizam esse mineral. “Temos pressa em reduzir a contaminação causada pela queima de carvão”, principal fonte de energia do país, afirmou.

A grande ausência do discurso foi a cifra oficial sobre o orçamento de Defesa. É a primeira vez que o número não figura, como era costume até agora, nos documentos que acompanham o pronunciamento do primeiro-ministro. No sábado, a porta-voz da Assembleia havia indicado que os gastos militares cresceriam 7% em relação ao ano anterior, representando cerca de 1,3% do PIB, mas ela não mencionou a cifra exata. Tomando-se como referência os dados do ano passado, a quantia deve girar em torno de 140 bilhões de dólares (434 bilhões de reais).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: