Acidente com 20 feridos no Rio ofusca um dos grandes dias do Sambódromo

Veículo perdeu o controle a atropelou integrantes da escola e jornalistas. Três mulheres ainda estão hospitalizadas

Um dos feridos é atendido após o atropelamento.
Um dos feridos é atendido após o atropelamento.YASUYOSHI CHIBA (AFP)
Mais informações

O último carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti atropelou e feriu várias pessoas na noite de domingo no Sambódromo, no Rio, no primeiro dia de apresentação das escolas de samba do Grupo Especial. Após o incidente, no qual as vítimas ficaram imprensadas contra uma grade, o carro seguiu até o fim do desfile. Dentre os 20 feridos, integrantes de escolas, jornalistas e fotógrafos, 12 deles foram atendidos nos postos médicos do sambódromo e liberados em seguida e outros cinco em hospitais municipais. Na manhã da segunda-feira ainda havia três mulheres internadas.

A dinâmica do atropelamento ainda não foi devidamente explicada. Elmo José, o diretor de carnaval da Liesa, a liga de escolas de samba responsável pelos desfiles, disse que o carro “se desgovernou um pouquinho” e reclamou das pessoas ocuparem a pista. "Na verdade, a parte da frente do carro, as rodas malucas que estavam usando, com a chuva, o carro começou a tender para o lado esquerdo. Quando foi para o lado de cá, se desgovernou um pouquinho e começou a encostar nas pessoas. Tinha pessoas que estavam foram da calçada, estavam dentro da pista. Pedimos sempre que as pessoas fiquem na calçada no seus lugares, mas as pessoas querendo fotografar a escola, querendo dar a informação da escola, se dá o acidente. Mas foram prontamente socorridas e vamos continuar o espetáculo“, afirmou o diretor.

A Polícia Civil apura agora as causas do acidente e por que, segundo publicou a revista Veja, era um mecânico da escola quem dirigia o veiculo e não o motorista. Em uma primeira perícia não se identificaram problemas mecânicos no veículo, que carregava uma gigantesca Carmen Miranda. O acidente foi registrado na delegacia como lesão corporal culposa (sem intenção).

Uma das feridas no acidente disse à rádio CBN que sofreu luxações e escoriações no braço. "Eu tenho que agradecer a Deus. Teve casos piores. Uma amiga teve fratura exposta na perna, a outra teve as duas pernas prensadas contra a grade. Eu fui derrubada e fui parar quase debaixo do carro alegórico”, contou a jornalista Bárbara Campello. Outro dos 20 feridos, o médico Marcos Antônio Nachef, afirmou ao jornal Extra que vai pedir indenização pelos danos que sofreu com o acidente. Foi uma irresponsabilidade imensa [dos organizadores]. Com certeza é passível de processo e indenização. Fiz tomografia da lombar, raio-x, exame no tornozelo. Estou todo inchado. Mas Deus me salvou. Ando sempre com o Pai Nosso no bolso”, disse o médico, que, em cadeira de rodas, teve que cancelar sua participação no desfile da Beija Flor.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: