Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O EL PAÍS é um jornal de esquerda?

“O EL PAÍS queria, quer ser e é um jornal que conta as coisas que interessam aos leitores e não se cala sobre as coisas que incomodam o poder”, afirma o fundador do EL PAÍS

Redação do EL PAÍS na Espanha.
Redação do EL PAÍS na Espanha.
Mais informações
Por que os novos protestos populares podem ter efeito bumerangue
Uma nova Arca de Noé para o Brasil?
Cármen Lúcia: uma efígie candidata a tudo
Mudar o nome do PT para quê?

Há leitores da edição brasileira do EL PAÍS que estranham, e às vezes até mesmo se irritam, quando aparecem informações ou análises que possam parecer críticas à esquerda. E se perguntam se o jornal “será como os outros”. Isso talvez se deva ao fato de que alguns leitores brasileiros que desembarcaram tarde neste jornal desconheçam a sua história.

O EL PAÍS nasceu há 40 anos como o jornal da nova Espanha democrática, após a terrível guerra “incivil” e décadas de ditadura franquista com desprezo aos direitos humanos. Mas não foi à época, nem é agora, um jornal ideológico de esquerda ou de direita. Segundo Juan Luis Cebrián, hoje presidente do Grupo Prisa, que edita o jornal, além de ter sido seu criador e primeiro diretor, recrutador da primeira redação com diversidade e que decidiu a sua linha editorial, o EL PAÍS deveria ser, acima de tudo, um jornal plural. Aos 31 anos, Cebrián queria um diário de referência sobretudo para os jovens, naquele momento crítico em que começava a nascer uma geração com fome de democracia.

Cebrián acaba de recordar isso em sua autobiografia, Primera Página (sem tradução no Brasil), quando escreve: “Queria fazer um jornal de perfil equilibrado e sucinto, um jornal sóbrio, bem escrito, documentado em suas análises e plural em suas opiniões.” E acrescenta que sua ideia foi fazer um periódico “lido e respeitado, tanto pela elite como pelas pessoas comuns, que desempenhasse um papel essencial na formação da opinião pública”.

Um jornal de esquerda? Cebrián respondeu a essa pergunta em 11 de dezembro de 2016 no programa de Jordi Evole, que faz muito sucesso na rede de TV espanhola La Sexta: “O EL PAÍS queria, quer ser e é um jornal que conta as coisas que interessam aos leitores e não se cala sobre as coisas que incomodam o poder”. E explica: “Quando começamos, a esquerda não tinha voz e tomamos a decisão de lhe dar, mas acredito que nunca foi nem deva ser um jornal de esquerda. Alinhou-se com as posições liberais progressistas e defendeu a democracia quando esta não existia.”

Para conseguir que o EL PAÍS fosse um jornal de referência internacional, Cebrián quis colocá-lo na linha das grandes publicações da Europa da época. Assim, foi o primeiro jornal da Espanha a contar com a figura do ombudsman e com um Manual de Estilo, espécie de Constituição interna para os jornalistas que foi adotada por muitos outros jornais de língua espanhola. Seu fundador também desejava que fosse o primeiro jornal da Espanha, e talvez do mundo, cujas primeiras páginas se dedicassem à seção Internacional. Isso porque, como explicou numa conferência em Roma, a Espanha havia vivido 40 anos com as janelas e portas fechadas ao mundo, olhando para o próprio umbigo. Os espanhóis precisavam, antes de mais nada, conhecer o que acontecia em outros rincões. Ainda hoje, o EL PAÍS, com um importante grupo de correspondentes internacionais, valoriza como poucos as informações mundiais.

Uma das figuras de maior prestígio na equipe, a jornalista Soledad Gallego-Díaz, recebeu de Cebrián a oferta de dirigir o jornal quando ele deixou o cargo. Mas acabou recusando. Ela abordou o tema da ideologia numa entrevista à revista Jot Down, em 23 de março de 2012: “O EL PAÍS não é um jornal de esquerda. Nunca foi, ainda que as pessoas tenham pensado nisso em certo momento. É um jornal progressista no âmbito social, mas não um jornal de esquerda. Além disso, nunca pretendeu ser.” Antonio Caño, outra figura histórica do jornal, atual diretor do EL PAÍS global, enfocou o tema em outra entrevista a Jot Down, em 23 de junho de 2014, pouco depois de assumir. “A única coisa que desejo é tirar o jornalismo do debate esquerda-direita. O jornal não pode ser medido por esses parâmetros porque são muito pobres para um meio de comunicação”, disse. E completou: “O EL PAÍS não é um jornal de esquerda. Nem pretendeu ser. É um jornal liberal, progressista, que se conecta com as tendências de modernizar e de conseguir o progresso da sociedade à qual se dirige. Somos socialmente responsáveis e avançados. E gostamos das mudanças... Jornalismo é jornalismo, contar as coisas sem armadilhas.”

Pessoalmente, faz 40 anos que trabalho exclusivamente para este jornal, quase desde a sua fundação. E, durante todo esse tempo, pude comprovar em primeira mão que o EL PAÍS nunca se vinculou com nenhuma ideologia. Sempre foi, e continua sendo, um jornal comprometido com a democracia e a defesa das minorias marginalizadas. Um jornal laico, que sempre defendeu a separação entre a Igreja e o Estado. Liberal na economia, progressista no campo social, crítico em relação aos poderes civis e religiosos, fiel na defesa dos direitos humanos. E, sobretudo, plural em suas ideias. Algo que sempre esteve claro para todos nós, que trabalhamos nele, é que o EL PAÍS é dos leitores. De todos. São eles os seus verdadeiros proprietários. Os jornalistas são apenas os mediadores da notícia.

Em suas memórias, Cebrián também conta como o partido socialista espanhol, PSOE, pretendeu se apoderar do jornal, já que seus eleitores o liam intensamente. “Ficamos quase dois anos sem dirigir a palavra um ao outro”, escreve, referindo-se ao presidente do Governo socialista e seu amigo pessoal, Felipe González. O falecido Jesús de Polanco, primeiro presidente do Grupo Prisa, me contou que, quando o conservador Partido Popular (PP) venceu as eleições na Espanha, em 1996, o novo presidente do Governo, José María Aznar, convidou-o para um almoço no Palácio da Moncloa. No meio da refeição, Polanco perguntou o que o presidente queria dele. Aznar respondeu: “O EL PAÍS.” E Polanco, que tinha um arguto senso de humor, então lhe disse: “Pena que me pede algo que não é meu, pois o jornal é dos leitores.”

Esse foi e continua sendo o maior orgulho, a única ideologia de um jornal que nutriu três gerações e que hoje é lido também por milhões de brasileiros em sua própria, bela e doce língua.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS