Trump se irrita com vazamentos em meio à crise com a Rússia

A desconfiança do presidente dos EUA em relação a seus serviços de espionagem aumenta

Donald Trump, nesta quarta-feira, em Washington.
Donald Trump, nesta quarta-feira, em Washington. MICHAEL REYNOLDS

As primeiras semanas da nova Casa Branca começam a ganhar ares de romance de espionagem, em que ninguém sabe muito bem quem está no comando. “Flynn é um homem espetacular que tem sido tratado de forma muito injusta pelos meios de comunicação, muitas vezes mentirosos”, disse Trump nesta quarta-feira durante entrevista coletiva na Casa Branca ao lado do primeiro-0ministro de Israel, Benjamin Nethanyau. “Estão tentando encobrir a enorme derrota eleitoral de Clinton”, acrescentou.

Os vazamentos dos últimos dias, originados por funcionários, fizeram aumentar o as suspeitas do novo presidente em relação aos seus próprios serviços de inteligência, relação esta que já havia começado de forma turbulenta quando Trump os acusou de estarem politizados e questionou a credibilidade de suas investigações sobre a espionagem russa nas eleições.

Segundo quatro fontes da Administração citadas pelo Times, as forças de segurança e de inteligência norte-americanas interceptaram várias comunicações de vários assessores de Trump no quadro da investigação sobre o caso da ciberespionagem durante as eleições norte-americanas, a partir da qual concluíram que o Kremlin havia atuado de forma a prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton, e favorecer a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

Mais informações

Com base nesse caso, no final de dezembro passado, a Administração de Obama impôs fortes sanções a Moscou. Nesse mesmo período, quando o Governo de Trump ainda não tinha tomado posse, Flyn conversou sobre o assunto com o embaixador da Rússia em Washington, Serguéi Kislyak.

Trump tentou colocar o foco na questão da existência dos vazamentos de informações e não no conteúdo explosivo delas. “A comunidade de inteligência está passando informações ilegalmente aos derrotados The New York Times e The Washington Post”, queixou-se Trump esta manhã pelo Twitter, questionando-se se a Agência de segurança Nacional e o FBI não estariam por trás desses vazamentos. “O verdadeiro escândalo, aqui, é que a informação qualificada está sendo distribuída pela ‘inteligência’ como balas”, insistiu.

Um dos assessores de Trump envolvidos é o ex-chefe da campanha, Paul Manafort (demitido justamente por causa de seus vínculos com a Rússia), que negou terem ocorrido essas conversas. No entanto, dois dias depois das eleições, o vice-ministro do Exterior russo, Sergei A. Ryabkov, afirmou à agência Interfax que haviam ocorrido contatos com a equipe do empresário nova-iorquino, agora presidente.

O próprio Trump alimentou as suspeitas de conivência de sua parte com a Rússia desde que entrou na corrida pela presidência: elogiou Vladimir Putin em diversas ocasiões; chegou a fazer uma brincadeira em meados de 2016 estimulando-o a espionar Clinton; e, poucos dias atrás, deixou estupefato um jornalista da rede conservadora de televisão FOX, Bill O’Reilly, que lhe perguntara por que ele respeitava Putin sendo este um “assassino”, ao responder: “Existem muitos assassinos, muitos assassinos... Você acha que o nosso país é tão inocente assim?”.

Importantes senadores, tanto democratas quanto membros de seu próprio partido, o Republicano, se comprometeram a aprofundar as investigações sobre a interferência russa nas eleições presidenciais. A questão é saber se analisarão diretamente as novas conversações. “Se houve contatos inapropriados, seria o momento de o Congresso instituir uma comissão para averiguar tudo o que existe entre Trump e a Rússia”, declarou o senador republicano Lindsey Graham à rede conservadora Fox.

O senador John McCain se queixou de incompetência. “Isso é algo disfuncional no que diz respeito à segurança nacional. Quem está no comando? Quem está no comando!”, criticou.

Mas Graham e McCain têm estado desde o começo entre os republicanos mais críticos a Trump. De forma geral, os republicanos continuam cerrando fileiras em torno de seu presidente. O líder conservador em Washington, Paul Ryan, limitou-se a classificar a Rússia como pouco confiável. É uma forma de desviar o foco da crise para a questão da periculosidade de Moscou e não da suspeita de cumplicidade entre a Casa Branca e o Kremlin, ideia que irrita claramente os herdeiros de Reagan.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: