Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Não é ‘1984’, mas parece

O romance de George Orwell já prenunciava os excessos de Trump

Uma edição recente em inglês de '1984', a novela distópica de George Orwell.
Uma edição recente em inglês de '1984', a novela distópica de George Orwell.TOBY MELVILLE (REUTERS)

Mais que uma utopia negativa que se referisse a um futuro remoto, o que George Orwell fez em seu célebre romance 1984 foi sobretudo falar de seu próprio mundo, apontando os terríveis caminhos para os quais o haviam empurrado os regimes totalitários, o nazi-fascista e o comunista. Mas houve de fato um aspecto em que, mais que tratar de seu presente, ele se antecipava a uma sociedade futura que certamente já havíamos começado a habitar quando se chegou à data que deu título a seu livro. E é essa atmosfera rarefeita que fica resumida em um dos cartazes expostos nesse Ministério da Verdade onde trabalhava Winston, o protagonista.

Mais informações

“A guerra é a paz / a liberdade é a escravidão / a ignorância é a força”, diziam ali os slogans do Partido, e é essa cínica e prepotente tergiversação dos conceitos, esse convite determinado a dar a mentira por verdade, e a confundir tudo deliberadamente, o que devolveu o livro de Orwell à atualidade com a vitória de Donald Trump, o Brexit e o avanço de tantos populismos nacionalistas, até alçá-lo ao número 1 das vendas na Amazon.

É verdade que aqueles lemas podiam ajustar-se como uma luva à propaganda nazista ou à lavagem de cérebros que tão bem souberam aplicar os dirigentes comunistas, mas o que Orwell antecipava em 1984 é que essas fórmulas podiam também se transferir a outros sistemas supostamente mais abertos, graças a essa nova língua que os meios de comunicação impõem e que permite fabricar fatos — os “fatos alternativos” dos quais falava Kellyanne Conway, assessora de Trump — que nada têm a ver com a realidade, mas que grande parte dos cidadãos termina por dar por corretos.

Estamos nesse ponto, e por isso é urgente voltar ao Orwell mais briguento, ao que criticou radicalmente qualquer tipo de manipulação, por mais impecável fosse sua aparência de modernidade.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: