Arqueologia

Achada na China uma estátua de Buda de 600 anos, que estava submersa

Os trabalhos em uma represa trouxeram à tona uma escultura de quase quatro metros

Mais informações

Obras de reforma de uma represa da China trouxeram à tona uma estátua de Buda de 600 anos de antiguidade que até agora estava coberta pela água. Os arqueólogos acreditam que a peça, realizada sobre uma área íngreme, poderia datar da dinastia Ming (1368-1644), segundo a agência estatal de notícias chinesa Xinhua. Um morador da província da Jiangxi, no leste da China, viu pela primeira vez a cabeça de Buda em dezembro, quando o nível de água baixou mais de 10 metros durante os trabalhos em uma comporta de energia hidroelétrica.

O achado atraiu numerosos turistas e moradores do lugar. Mede 3,8 metros de altura e se encontra na intersecção de dois rios, em uma repesa que a história local situa nas ruínas de uma antiga cidade chamada Xiaoshi. A água também deixou ver a base de um corredor de um templo, por isso uma equipe de arqueólogos que atuam em áreas submersas está examinando em detalhes estas descobertas e trabalhando num plano de preservação.

O diretor do Instituto de Pesquisa Arqueológica da província, Xu Changqing, afirmou que a água ajudou a escultura a se manter protegida durante todo esse tempo. “Se a estátua não tivesse ficado na água, poderia ter sofrido meteorização, oxidação ou outros riscos, supomos”, disse Xu em uma entrevista à rede de televisão CNN. Durante a Revolução Cultural do país, entre 1966 e 1976, foram destruídas muitas relíquias culturais porque havia uma orientação para a população se desfazer de tudo o que fosse velho, feudal e supersticioso.

Guan Zhiyong, representante do município de Hongmen, relatou à agência de noticias Xinhua que a estátua de Buda foi construída para ser um protetor espiritual para acalmar a corrente em um ponto em que convergem dois rios e em que os barcos naufragavam com certa frequência. A estátua supostamente ficou submersa a partir de 1958, quando começou a ser construída a represa de Hongmen, também conhecida como Lago Zuixian.

O ressurgimento do Buda trouxe recordações para alguns idosos do povoado. Huang Keping, um ferreiro local de 82 anos, disse à Xinhua que viu a escultura de Buda pela primeira vez em 1952. “Fui ao templo e lembro que a estátua era dourada naquela época”, declarou Huang. No entanto, a escultura não ficará visível por muito tempo. “Os níveis da água da represa subirão na primavera, por volta de março, e a cabeça da estátua de Buda ficará submersa de novo”, prevê Shan Keke, funcionário da administração de águas de Nancheng. Por isso, os arqueólogos estão intensificando seus trabalhos para poder proteger as relíquias encontradas.

Mais informações