Publicidade brasileira tem visão preguiçosa sobre a mulher

Propagandas ainda são machistas e racistas, embora haja sinais de mudança, diz Carla Alzamora, diretora da agência Heads

Marcos Santos / USP Imagem

Há quem diga que o mundo da publicidade está ficando chato e politicamente correto no Brasil, tamanho 'policiamento' sobre algumas mensagens emitidas por empresas na mídia e sobre ações de marketing. Mas como poderia ser diferente? A publicidade se acostumou a repetir padrões que já não fazem mais sentido para quem vive em pleno século XXI. Que o digam as marcas de cerveja que ainda estampam o clichê das mulheres com corpões esculpidos para garantir que aquela cerveja é melhor. Para Carla Alzamora, diretora de planejamento da agência Heads, "existe um lugar comum na publicidade onde contamos as mesmas histórias e usamos as mesmas referências, sem olhar para a realidade". No fundo, uma visão preguiçosa da realidade. Dessa forma, continuam a ser produzidas propagadas que abusam, por exemplo, do racismo e do machismo.

Mais informações

Um exemplo, é a campanha criada pelo movimento Rio Eu Amo Eu Cuido, que criou polêmica ao usar a bunda da Mulher Melância para chamar a atenção do público para uma questão ambiental: o número de bitucas de cigarros jogadas no chão. "Ninguém gosta de bunda caída, ainda mais caída no chão" afirmava a peça publicitária.

A marca de sopas instântaneas Vono foi outra que teve de encarar uma grita nas redes sociais após publicar posts no Facebook descrevendo o comportamento das mulheres. Na ilustração, as mulheres são retratadas como indecisas, e imediatistas, por não saberem o que querem, mas querem agora (veja ilustração ao lado), uma referência à refeição de preparo rápido. A ideia que a priori parecia lógica ofendeu o público feminino que passou a criticar a empresa. Ela acabou tirando a campanha do ar. Num momento em que elas estão cada vez mais ciente do que querem e o que não querem a brincadeira foi vista como de mau gosto.

A publicidade, e o marketing de uma maneira geral, ainda insiste em padrões de comportamento diferentes para homens e mulheres, observa a diretora da HEADs. Enquanto a propaganda de barbeador mostra um homem como um super herói pronto para salvar o mundo, a propaganda de remédio para dor de cabeça exibe a mulher em situação limites, tentando dar conta de rotina dupla, prestes a ter um chilique.

Para piorar, há ainda a ditadura de um padrão de beleza. A presença de homens e mulheres brancos é excessiva, já que 53% da população brasileira que se declara negra, segundo o IBGE. "De acordo com 67% dos posts monitorados no Facebook, as mulheres são representadas como a Bruna Marquezine. No caso dos homens, 64% dos posts descrevem os homens como Justin Bieber", afirma Carla Alzamora, da Heads, agência que que desenvolveu o estudo TODXS? – Uma análise da representatividade na publicidade brasileira. A pesquisa foi apresentada no evento “Brasileiras – como elas estão mudando o rumo do país”, realizado pelo EL PAÍS em parceria com o Instituto Locomotiva, no dia dois de dezembro, em São Paulo.

O descuido com os detalhes, e até com parceiros comerciais, também tem afetado a imagem das marcas ameaçando a parte mais sensível delas: as vendas. O site de modas Dafiti teve de gerenciar uma crise no mês passado quando colocou à venda no portal uma camiseta em que dava exemplos de pleonasmo (Subir para cima, descer para baixo), e entre eles constava a expressão “Mulher burra”. Mais um escândalo nas redes sociais em que uma empresa, novamente, se viu obrigada a pedir desculpa.

 Mudar esse quadro significa mexer no jeito como as empresas pensam sua própria imagem. De acordo com o estudo, em uma semana, nos canais pesquisados, foram investidos 21 milhões de reais em publicidade que reforça estereótipos e não abrem o leque para a realidade que as mulheres vivem hoje, muito menos no padrão "mulher mãe compreensiva", e mais "mulher com muitas tarefas, quereres e ambições".

A boa notícia é que já começa a ganhar destaque um movimento contrário, focado em dialogar com as mulheres. O conjunto de anúncios que ambicionam uma quebra de paradigma e focam no empoderamento feminino recebeu investimento de 12 milhões de reais, no mesmo período analisado no estudo. Esse é um movimento novo e tão carente de informação, que muitas empresas têm buscado nas ONGs feministas um suporte para acertar em suas escolhas. É o caso da ONG Think Olga, que ficou conhecida a partir da campanha Chega de Fiu Fiu, contra o assédio em locais públicos, e a campanha #Meuprimeiroassédio.

Para atender a demanda das empresas, a ONG decidiu ampliar suas ações e criou o Think Eva, um núcleo que planeja destacar para marcas e empresas a nova realidade das mulheres dos novos tempos. A Avon foi uma das empresas que procurou a ONG, interessada em utilizar o empoderamento feminino no discurso da marca no Brasil. "A Olga faz a mudança de fora para dentro e a Eva de dentro para fora", explica Nana Lima, sócia do Think Olga.

A revista AzMina também nasceu com um propósito semelhante ao Think Olga, empoderar mulheres por meio da informação. "Trabalhamos com jornalismo investigativo, com um olhar cuidadoso e atencioso para as pautas, diferentemente do que temos aí nas bancas, produzido por homem, branco e cisgênero", explica Letícia Bahia, diretora institucional da revista.

Interessada nessa proposta, a C&A procurou a equipe para um treinamento sobre justiça e gênero para seu Instituto. Ou seja, a experiência da revista no empoderamento feminino abriu outras portas. Assim, foi criado espaço para a criação do núcleo Educacional d'AzMina, que oferece cursos, palestras e oficinas para ajudar empresas a desvendar o universo feminino. Um sinal de que que ainda há muito para aprender e transformar, mas também de que há um real interesse em mudar aquele velho retrato da mulher, e transformá-lo em peça de museu.

A todo momento, em todas as mídias, televisão, outdoors, internet, há um bombardeio com conteúdo que reforça a mulher como dona de casa envolvida com a criação dos filhos, ou um desfile de mães que sorriem para crianças enquanto trocam fraldas ou escolhem o melhor iogurte para a família. Enquanto isso, os homens realizam investimentos pela internet ou curtem a vida de solteiro com os amigos enquanto passeiam com loiras esculturais.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete