Hollande anuncia que não será candidato à reeleição

Presidente da França comunica em pronunciamento na tevê que não participará das eleições

François Hollande, nesta quinta-feira durante seu comparecimento televisada.REUTERS | REUTERSundefined

François Hollande não disputará um segundo mandato presidencial. O anúncio foi feito na quinta-feira numa solene declaração televisionada à nação, no mesmo dia em que foi declarada oficialmente aberta a campanha para as primárias abertas da esquerda. Com baixíssima popularidade, Hollande é o primeiro presidente da V República a desistir de lutar por um segundo mandato.

Mais informações

“Não perdi a lucidez e decidi não ser candidato à eleição presidencial”. Com essa frase, que foi completada com seu desejo expresso de não dividir ainda mais a esquerda, Hollande jogou a toalha. De passagem, escancarou ao seu primeiro-ministro, Manuel Valls, a possibilidade de ser ele o candidato dos socialistas.

O chefe de Estado fez o anúncio três dias depois de um tenso almoço com Valls, que tinha declarado estar “pronto” para ser candidato se Hollande não estivesse na disputa. As declarações do primeiro-ministro, que representaram uma forte pressão sobre o presidente, foram seguidas após o almoço por uma declaração de Valls declarando sua “lealdade” ao chefe de Estado.

Horas antes, até o presidente da Assembleia Nacional e figura de destaque do Partido Socialista, Claude Bartolone, havia incentivado Valls a participar das primárias, embora Hollande também estivesse propenso a fazê-lo, o que teria causado uma situação inusitada na já fragilizada e dividida esquerda.

A primeira fase da campanha das primárias da esquerda, que começou nesta quinta-feira, termina no dia 17 com a proclamação oficial dos candidatos. O prazo para Hollande e os outros aspirantes vai até o dia 15. A votação, aberta a militantes e simpatizantes, acontecerá em 22 de janeiro, no primeiro turno, com o segundo turno no dia 29.

Até agora, o único a apresentar oficialmente sua candidatura pela esquerda é o ex-ministro da Economia Arnaud Montebourg, da ala radical do Partido Socialista. Montebourg, que deixou o posto de ministro em agosto de 2014, disse agora que, se as primárias não forem abertas, será “o fim do PS”. Se tivesse decidido participar, Hollande corria o risco, como previsto pelas pesquisas, de perder as primárias para Montebourg.

Três outros importantes líderes da esquerda já anunciaram que são candidatos para ocupar o Palácio do Eliseu, mas não participarão das primárias. Trata-se de Jean-Luc Mélenchon, ex-socialista apoiado pelos comunistas; o também ex-ministro da Economia Emmanuel Macron, que pediu demissão em julho depois de formar seu próprio partido, En Marche!, e Sylvia Pinel, do Partido Radical de Esquerda.

Nas últimas semanas, Hollande foi pressionado por figuras de destaque de seu próprio partido para que não participasse ou se declarasse candidato o quanto antes. Os defensores da primeira opção entendiam que o presidente levaria o partido a uma derrota garantida e que seria eliminado no primeiro turno, em abril. Sua popularidade é de cerca de 7%, de acordo com a última pesquisa.

Aqueles que eram favoráveis à participação de Hollande argumentavam que tanto a extrema direita da Frente Nacional quanto a direita do partido Os Republicanos já estão fazendo campanha, enquanto a esquerda ainda não tem candidato definido. Nas fileiras de Os Republicanos, o ex-primeiro-ministro François Fillon foi eleito candidato no domingo, com um amplo apoio.

Hollande queria fazer o anúncio antes de embarcar amanhã, sexta-feira, para uma visita oficial de dois dias a Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: