Do San Siro ao Vicente Calderón

Assim mudaram ambas as equipes desde que se enfrentaram pela última vez na final da Champions

Griezmann perdeu o pênalti na final da Champions.
Griezmann perdeu o pênalti na final da Champions.alejandro ruesga

Passaram-se 175 dias desde que o Atlético e o Real Madrid se enfrentaram em 28 de maio no estádio de San Siro na final da Liga dos Campeões. Desde então ambas as equipes se transformaram de modo diverso, o que pressagia um encontro dificilmente comparável ao disputado em Milão. Enquanto as pequenas diferenças na equipe de Zinedine Zidane se concentrem na disposição sobre o campo dos mesmos jogadores aos quais recorreu então o francês, as sucessões de lesões obrigaram o técnico do Real a modificar regularmente a composição dos onze. No caso de Diego Simeone, a formação de seu atual quadro levou o técnico argentino a dispor de uma configuração tática diferente da utilizada durante a temporada 2015-2016.

Real Madrid

Nas 16 partidas que os brancos disputaram até o momento, tão somente em três ocasiões não sofreram um gol. A última delas ocorreu na última rodada do Campeonato Espanhol, contra o Leganés (3x0), dois meses depois de isso acontecer diante do Espanyol em Cornellá (2x0) e três depois do primeiro encontro com a Real Sociedad, em Anoeta (3x0). Até a disputa com o Leganés, o balanço de gols levados era de 14 em 10 partidas, uma média de 1,4 por encontro. Além disso, não conseguia deixar suas redes a zero no Santiago Bernabéu desde 4 de maio nas semifinais da Champions contra o Manchester City.

Keylor Navas, durante um treinamento em Dortmund.
Keylor Navas, durante um treinamento em Dortmund.INA FASSBENDER (EFE)

As duvidosas intervenções de Keylor Navas ante o Borrussia Dortmund (falhou no segundo gol dos alemães) e o Eibar (não esteve bem no gol de Fran Rico) tampouco contribuíram para que a equipe transmita segurança defensiva.

Os blancos estavam há mais de dois meses sem serem vazados

Cristiano Ronaldo encerrou a temporada passada anotando o tento definitivo na rodada de pênaltis que concedeu a vitória a sua equipe pela 11ª vez. Durante a principal competição europeia marcou 16 gols e levou o troféu Pichichi pela quinta vez. Na Liga conseguiu 35 finalizações e ficou só a cinco da marca de Luis Suárez. Nesta temporada os números não acompanham o português, que acumula somente sete gols em 12 partidas, e soma cinco jogos consecutivos sem marcar no Bernabéu (Villarreal, Eibar, Legia de Varsóvia, Athletic e Leganés). No entanto, o português acumula 15 gols nas 25 partidas em que enfrentou o Atlético.

Mas se há uma notícia positiva para o Madrid nesta temporada é a consolidação de Gareth Bale na equipe. O galês é, com Cristiano Ronaldo, o maior goleador da equipe e foi determinante nos momentos de ausência do português. Ao lado de Morata (seis gols) tem atuado como o melhor para dar uma virada no jogo e, depois de assinar sua renovação até 2022, o clube viu recompensado seu milionário desembolso com um rendimento progressivo.

Atlético

Carrasco marca contra o Bayern.
Carrasco marca contra o Bayern.David Ramos (Getty Images)

Que o Atlético desde a chegada de Simeone adquiriu uma série de comportamentos absolutamente reconhecíveis é tão certo como que seu desempenho atual em campo dista do apresentado na temporada passada. Além da consolidação entre os titulares de jogadores então recém-chegados, como Yannick Carrasco, ou a participação mais habitual de Correa, a composição do quadro vermelho e branco para esta temporada reflete uma nova ideia de jogo. A incorporação de jogadores puramente ofensivos, como Gameiro e Nico Gaitán, e o reposicionamento de Koke no centro do campo transformaram o Atlético em uma equipe muito mais interessada no controle da bola e com maior presença ofensiva que na temporada passada.

Os alvirrubros são hoje uma equipe que prima pela posse da bola

Com este novo sistema o Atlético tem mais posse da bola que em sua versão anterior, 53% em média contra 48% no esquema anterior, arremata mais (16 chutes por 12) e melhor (5,7 contra o gol, contra 4,8). “Rio quando escuto que somos ofensivos e jogamos melhor”, afirmou Simeone em coletiva de imprensa nesta temporada. A entrada de Kevin Gameiro no ataque e seu entrosamento com Antoine Griezmann aumentaram a velocidade de jogo do Atlético e o tornaram uma equipe ainda mais perigosa no contra-ataque. Para isso contribui também a presença de Carrasco no lado esquerdo e sua capacidade para passar a bola de um campo a outro.

A única área onde não houve mudança nem nominal nem posicional, é na defesa. Juanfran, Godín, Savic e Filipe Luis formaram a zaga na final de Milão e voltarão a fazê-lo no clássico. Oblak continua sendo um dos goleiros menos vazados do campeonato (oito gols sofridos) e é uma segurança para Simeone.

Com todos esses condicionantes, prenuncia-se, a priori, um clássico madrilenho diferente do que teve lugar em Milão com um troféu em jogo. Só falta comprovar que mudanças conduzem ao sucesso.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: