Crítica
Género de opinião que descreve, elogia ou censura, totalmente ou em parte, uma obra cultural ou de entretenimento. Deve sempre ser escrita por um expert na matéria

‘The Crown’, o luxo e a história

Nova série da Netflix cativa por sua narração, prende por sua impecável realização e intriga por sua aposta de futuro

Mais informações

Existe poder em The Crown e dá para notar. A série inspirada na vida da rainha Elizabeth II da Inglaterra é uma das mais caras da Netflix, possivelmente a mais cara (mesmo que The Get Down possa tê-la superado após seu orçamento disparar a números astronômicos, mas não confirmados, durante sua produção). A nova joia da coroa da plataforma online se aproveita do talento britânico para os dramas históricos e um orçamento que lhe permitiu não ter nenhum tipo de limite.

Em The Crown sempre paira a dúvida sobre quanto o que nos contam é verdade e quanto não é, quão açucarada será a visão da família real que nos oferecem. De qualquer forma, é ficção e é preciso tratá-la como tal, uma ficção que serve de fio condutor para contar de forma didática não só o reinado de Elizabeth II como também acontecimentos históricos da segunda metade do século XX, realizando uma interessante combinação de drama sobre a realeza e série política. Como um rei aprende a ser rei? Qual é sua função? E a de sua consorte? Como foi a relação entre a jovem Elizabeth e o veterano Winston Churchill?

É justamente Churchill um dos pontos fortes de The Crown. A interpretação de John Lithgow lhe dará indicações e até prêmios mais do que merecidos por dar vida, copiando gestos, movimentos e até traços físicos, ao Primeiro-Ministro. Outro destaque da série é a interpretação do pai de Elizabeth, George VI, por Jared Harris.

A série cativa por sua narração (especialmente, com as tramas dos personagens secundários), prende por sua realização impecável e intriga por sua grande aposta de futuro. A ideia por trás da criação de Peter Morgan (também roteirista de A Rainha, com Helen Mirren como Elizabeth II) é completar as seis décadas do reinado da monarca percorrendo uma década por temporada. Para isso, o elenco irá mudando para se adaptar à idade dos personagens em cada momento.

The Crown é uma grande série para as mulheres. O que não é um termo depreciativo, pelo contrário. Substitui Downton Abbey ainda melhor do que Victoria, a série do canal britânico ITV que em 2016 levou à televisão a vida da rainha Victoria da Inglaterra. The Crown ganha de goleada em ambição.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: