Seleccione Edição
Login

Leitura dos nomes das 130 vítimas rompe o silêncio de Paris

Hollande inaugura sete placas nos lugares atacados, há um ano, pelos jihadistas

Hollande inaugura placa em homenagem às vítimas dos atentados
Hollande inaugura placa em homenagem às vítimas dos atentados REUTERS

Há um ano, Paris e toda a França entraram em uma nova era: a do medo e terror, ao se encontrarem na linha de frente da guerra. As ruas da capital do país se tingiram de vermelho com o sangue das 130 pessoas assassinadas por vários ataques jihadista comandados de maneira conjunta. Os nomes de cada uma das vítimas, em sua maioria jovens que aproveitavam a noite para se divertir, retumbaram na manhã de domingo com uma dramática força, para que sua memória nunca seja apagada.

“Viva a tolerância, viva a inteligência, viva a França”. Esta frase, proferida hoje, serviu para concluir o único discurso realizado na comemoração de um ano dos atentados. Tais palavras foram entoadas pelo filho da primeira vítima, Manuel Dias, um migrante português que estava perto do Stade da France – no dia do jogo entre França e Alemanha.

Tenso, mas sereno, o jovem recordou que, naquela noite, escutou que três homens-bomba haviam explodido nas proximidades do estádio parisiense, mas que se sentiu aliviado ao saber que apenas uma pessoa havia morrido. “Nada voltou a ser como antes” quando descobriu que a vítima fatal era seu pai, afirmou o jovem. Para Dias, “a única solução” para o problema do terrorismo que assola a França reside na “tolerância, na inteligência e na educação dos jovens”.

Em cada um dos sete lugares atacados pelos jihadistas há um ano figura, desde domingo, uma placa com os nomes dos que perderam a vida. Diante de parentes, amigos e outras vítimas que conseguiram sobreviver aos ataques, o presidente do país, François Hollande, e a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, inauguraram os monumentos. Para cumprir uma expressa determinação das associações de familiares, o chefe de Estado abriu mão de realizar qualquer tipo de discurso, assim como já tinha feito na noite anterior. “Já não somos como antes”, se limitou a comentar Hollande pouco antes da apresentação de Sting na emblemática casa de espetáculos Bataclan, convertida no símbolo do massacre.

Homenagem prestada às vítimas dos atentados na casa de espetáculos Bataclan ver fotogalería
Homenagem prestada às vítimas dos atentados na casa de espetáculos Bataclan AP

No local, onde três jihadistas suicidas mataram 90 pessoas, Hollande inaugurou, por volta das 11h (8h de Brasília), a sétima e última placa. Depois, cada um dos nomes dos que foram assassinados no Bataclan, lidos em voz alta, soaram como 90 golpes aos sentimentos dos que os escutavam. Em seguida, um minuto de silêncio, esse em que Paris mergulhou naquela noite de 13 de novembro de 2015, e que ainda não foi quebrado.

MAIS INFORMAÇÕES