Ascensão de Trump e expectativa sobre juros dos EUA contêm Bolsas pelo mundo

O índice espanhol perde mais de 1%, um pouco acima dos demais índices europeus No Brasil, Ibovespa caiu 2,46% na terça-feira

Investidores em Wall Street, na noite de terça.
Investidores em Wall Street, na noite de terça.SPENCER PLATT (AFP)

O dia das Bolsas na Europa foi marcado, nesta quarta-feira, pelos EUA. A reunião do Federal Reserve (o banco central norte-americano) que deve decidir sobre a adoção de medidas de estímulo à economia, o fechamento negativo (- 0,58%) de Wall Street nesta terça e o crescimento de Donald Trump nas pesquisas estão segurando as bolsas europeias. No meio do dia, o Ibex, da Espanha, perdia 1,12%, ficando abaixo dos 9.000 pontos. Londres, Paris e Frankfurt caíram entre 0,4% (no caso britânico) e 0,79% (Alemanha), enquanto o pregão em Milão foi o mais afetado, com uma queda de 1,45%. O dólar, além disso, perdeu terreno em relação ao euro e à libra.

Mais informações

No Brasil, a Bolsa de Valores não funciona nesta quarta-feira, por conta do feriado, mas os efeitos da ascensão de Trump já foram sentidos no dia anterior. O Ibovespa fechou em queda de 2,46%, a maior desde 13 de setembro.

No caso do Ibex (índice da bolsa espanhola), o setor bancário foi o que registrou pior comportamento. O El Popular mantém o seu declínio, baixando quase 3%. Bankia e Sabadell seguem atrás, com quedas acima de 2%. No outro lado, somente Viscofan e Grifols permanecem sem cair. Dessa forma, a Bolsa espanhola registrou 8.940 pontos, perdendo os 9.000 conquistados em 20 de outubro.

No restante da Europa, as notícias não são muito melhores. Londres caiu 0,45%, um pouco menos do que Paris (-0,67%), Frankfurt (- 0,79%). O índice de Milão foi o que mais caiu, com -1,45%, superando a queda do próprio Ibex.

Os mercados costumam ser bastante sensíveis às reuniões dos bancos centrais, especialmente de um país como os EUA, onde teve início na noite passada o encontro do Federal Reserve. Ainda assim, há um consenso no sentido de que Janet Yellen não irá mexer nas taxas de juros nem suspender outros estímulos à economia norte-americana a menos de uma semana das eleições, razão pela qual a influência desse encontro nos índices não parece ser relevante.

Mais importante parece ser, sim, a incerteza crescente, que começa a aparecer nas pesquisas, em relação aos resultados eleitorais. Se há apenas duas semanas a vitória de Hillary Clinton parecia praticamente definida depois das declarações machistas do candidato republicano, a questão dos correios eletrônicos dos EUA parece agora pesar fortemente sobre a candidata democrata, impulsionando Trump. Pesquisa do jornal The Washington Post divulgada nesta quarta-feira traz o republicano na dianteira. A percepção dos investidores é de que uma vitória de Trump não seria um bom negócio.

Diante do crescimento do republicano, Wall Street fechou nesta terça-feira em baixa, perdendo 0,58%, o que segurou também os mercados asiáticos. O índice Nikkei caiu 1,76% e a Bolsa de Shangai perdeu 0,6%.

O panorama eleitoral nos EUA também pesa sobre o dólar, que perde terreno para o euro — cujo valor subiu para 1,11 dólar — e para a libra, que chega a 1,23 dólar. O preço do barril do brent, por sua vez, se distancia dos 50 dólares, caindo mais do que 1% e chegando a 47,65 dólares. A taxa de risco da Espanha caiu, ficando em 107 pontos básicos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: