Seleccione Edição
Login

Barça se rebela contra chefe da Liga Espanhola

“Ele precisa evitar que haja violência e cuidar dos jogadores”, diz vice-presidente do Barcelona

Messi, com Neymar, após o brasileiro levar uma garrafada no Mestalla.
Messi, com Neymar, após o brasileiro levar uma garrafada no Mestalla. AP

O presidente da Liga de Futebol Profissional (LFP) da Espanha, Javier Tebas, não gostou nada do que viu no sábado passado no estádio Mestalla durante o jogo Valencia x Barcelona. Durante a comemoração do gol de Messi, de pênalti, que selou o placar, um espectador atirou uma garrafa de água que atingiu Neymar, levando o brasileiro e Luis Suárez ao chão. “Parecia um jogo de boliche, e talvez tenham sentido a água”, ironizou o dirigente máximo do futebol espanhol.

Tebas considera que os jogadores do Barcelona exageraram a situação. “Há milhões de crianças nos assistindo. Se meus filhos me vissem fazendo algum fingimento, eu teria vergonha”, afirmou o presidente da LFP ao site Sportyou. E concluiu: “Não gostei do que aconteceu... não sei se foi Neymar ou quem foi, mas essas condutas precisam ser evitadas”.

O Barcelona não tardou a reagir. “Estive em Valência e poucas vezes, para não dizer nenhuma, vi um ambiente tão hostil. O que Tebas deveria fazer é evitar que haja violência nos estádios. E não atacar os jogadores, que são quem dá o espetáculo, especialmente os do Barça, e lhe permitem vender a Liga na China, na Ásia [sic] e nos Estados Unidos. É um executivo da Liga e deve cuidar dos jogadores”, afirmou Jordi Mestre, vice-presidente do clube catalão.

Até o presidente da Generalitat (governo regional) da Comunidade Valenciana, Ximo Puig, teve algo a dizer sobre o assunto: “Não justificarei uma garrafada ou um insulto, mas os profissionais que entram em campo, que são muito bem pagos, não podem confrontar o público”. E Mestre concluiu: “O ambiente era hostil inclusive na tribuna de honra. Nestes casos, é preciso saber manter o fair play, se não soubermos manter o fair play é melhor que nos dediquemos à luta livre”. Já o técnico do Barça, Luis Enrique, não quis polemizar: “Nem escuto nem vejo nada. Não vale a pena falar desses assuntos, e menos ainda de quem vem. Nosso negócio é jogar futebol, dar alegria para a torcida e respeitar a nossa profissão”.

Prêmios LFP

Por outro lado, o asturiano comentou, em tom burlesco, sua ausência entre os três melhores treinadores da Liga Espanhola na temporada 2015-2016, segundo os prêmios da LFP. Os três finalistas foram Berizzo, Marcelino Toral e Diego Simeone, o ganhador. “Não fiquei entre os três indicados ao prêmio de melhor treinador? Mas com certeza entre os 20 eu estava”, disse Luis Enrique, referindo-se ao número de times que disputam a primeira divisão. Ele contou também por que não viajou à cerimônia de premiação em Valência. “Não costumo ir a esses lugares”, observou o técnico, que de passagem deixou um recado a Tebas. “A preocupação dos dirigentes deveria ser com melhorar o futebol espanhol. Se você vai ou não a uma festa, isso acho que não tem maior importância. Não estou aqui para comentar os prêmios. O que me importa é que no final da temporada estejamos levantando títulos, o resto é parte do show”, concluiu.

MAIS INFORMAÇÕES