Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um milhão de assinaturas para libertar o “mais triste urso polar”

Pizza vive em um pequeno espaço em um zoológico dentro de um shopping center de Cantão, na China

A tristeza do urso Pizza deu a volta ao mundo. Desde janeiro, esse urso polar vive trancado em um pequeno espaço em um shopping de Cantão, uma das maiores cidades do sul da China. Como estrela de um aquário instalado para atrair visitantes ao centro, sofre diariamente os golpes nos vidros daqueles que procuram tirar a melhor selfie com ele; a falta de luz natural e a ausência de ar fresco. Sob essas condições, começou a mostrar sinais de estresse e depressão.

Primeiros se mobilizaram várias organizações internacionais para solicitar que o animal fosse levado para outro lugar. Uma reserva de animais selvagens em Yorkshire, Inglaterra, se ofereceu para acolhê-lo. Mas os investidores do shopping rejeitaram a possibilidade ou o envolvimento de estrangeiros. Agora, 50 grupos pró-direitos dos animais se mobilizaram e escreveram uma carta ao governador local, Zhu Xiaodian, para exigir o fechamento do jardim zoológico do shopping center Grandview, que também abriga outros 500 animais, de raposas árticas a baleia-branca. Uma petição global já recolheu um milhão de assinaturas.

“O estado totalmente inadequado em que se encontra esse pobre urso polar no shopping center é uma mancha vergonhosa para a China que deve ser corrigida imediatamente”, disse a senhora Qin Qingna, presidenta da Capital Animal Welfare Association, em conferência de imprensa em Pequim na terça-feira.

Em imagens distribuídas a organização Animals Asia é possível ver como o animal – que foi chamado de “o urso mais triste do mundo” – anda pelo mesmo caminho de maneira repetitiva, move a cabeça ou permanece por longos períodos olhando para a janela da ventilação. “É uma tentativa do animal de se adaptar a situações adversas e estressantes, como um espaço vazio, o tédio e o contínuo desconforto causado pelos visitantes”, opinou o assessor veterinário da organização Humane Society, Alastair McMillan. O espaço total habilitado para o urso é de cerca de 40 metros quadrados, mas ele só pode caminhar ao longo de uma área de cimento de cerca de 10 metros de comprimento, ao lado de uma piscina.

Pizza não pode ser liberado em seu ecossistema natural no Ártico, porque nasceu e foi criado em cativeiro. Não possui, portanto, as habilidades necessárias para sobreviver. “Mas em qualquer caso os operadores do shopping center deveriam permitir que vivesse o resto de seus dias em algum lugar onde possa respirar ar fresco e ver a luz do dia. Se decidirem que não pode deixar a China, podemos encontrar um lugar dentro do país, mas não é possível deixar que esse magnífico exemplar de urso definhe dessa maneira”, diz Qin.

Pizza sofre com as pessoas querendo tirar selfies com ele; a falta de luz natural e a ausência de ar fresco

O zoológico de Grandview não é o único na China. Os animais exóticos se tornaram uma maneira de atrair clientes para lugares de veraneio, parques de diversões ou shopping centers. É uma forma de atrair público e conseguir que comprem em suas lojas e não pela Internet, que é a grande paixão dos consumidores chineses. Embora tenha aumentado o número de chineses viajando ao exterior, muitos ainda não saíram do país, nem tiveram a oportunidade de admirar espécies vindas de longe. Mas também é uma forma de ostentar riqueza em um país onde muitas vezes prevalece “você vale o que tem”.

No caso do shopping center cantonês, seu vice-gerente Shan Shaoliang, disse ao site Quartz que depois de um investimento de 102 milhões de dólares para abrigar o zoológico, nos horários de pico chegam a passar até 10.000 pessoas por seus corredores.

“Os ursos polares estão protegidos pela lei de Proteção da Vida Selvagem da China. Portanto, o zoológico no shopping Grandview viola a lei e os princípios morais”, afirma a carta ao governador.

MAIS INFORMAÇÕES