Venezuela paralisa referendo sobre destituição de Maduro

Paralisado recolhimento de assinaturas para a votação que poderia abreviar o mandato do presidente

Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.AFP | EPVundefined

Cinco tribunais estaduais da Venezuela liquidaram na tarde de quinta-feira qualquer possibilidade de convocação de um referendo que poderia abreviar o mandato do presidente Nicolás Maduro. Quase simultaneamente, tribunais penais dos Estados de Apure, Aragua, Bolívar, Carabobo e Monagas expediram liminares suspendendo o processo enquanto se investiga uma suposta fraude na primeira etapa, que consistiu na apresentação ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de 1% das assinaturas do cadastro eleitoral.

Mais informações

A oposição se preparava para apresentar o último passo – o consentimento de 20% das pessoas habilitadas a votar – entre os dias 26 e 28 deste mês, mas o processo foi suspenso até segunda ordem. Em nota, o CNE anuncia ter acatado as resoluções dos cinco tribunais e faz um chamado “ao diálogo nacional como fórmula democrática por excelência para preservar a paz e a estabilidade da República”.

A decisão abre um período perigoso e incerto na aguda crise política e econômica da nação sul-americana. O referendo revogatório era visto como o último recurso para evitar um confronto entre os venezuelanos. Todos os esforços para levar as partes conflitantes para um diálogo fracassaram, e nada leva a crer que esse processo, impulsionado por uma missão da União de Nações Sul-Americanas, sob a liderança do ex-primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e dos ex-presidentes Martín Torrijos (Panamá) e Leonel Fernández (República Dominicana), possa prosseguir caso a aguda confrontação política se mantenha.

A oposição havia se aferrado ao plebiscito para tentar uma mudança de rumo na condução da Venezuela, afetada por uma inédita crise com várias frentes: a inflação mais alta do mundo, uma violência desenfreada, a impossibilidade de adquirir bens essenciais para a dieta e a quebra generalizada do pacto social entre seus habitantes. Mas não foi possível. O chavismo, que é minoria de acordo com todas as pesquisas de opinião, aproveita o controle das instituições para retardar a consulta, exasperando seus proponentes, ou mesmo para suspendê-la, como ocorreu depois desta ação coordenada do Poder Judiciário.

Foi uma tarde frenética na Venezuela. O primeiro indício desta ação coordenada do regime partiu de Tareck el Aissami, governador do Estado de Aragua (região central da Venezuela), ao escrever no Twitter: “Justiça. Tribunal Penal de Aragua anula o processo de coleta de assinaturas e mandar reparar a fraude cometida pela MUD [Mesa da Unidade Democrática, principal coalizão da oposição]”. Horas mais tarde, enquanto Maduro aparecia em rede nacional de rádio e a televisão para anunciar uma viagem ao Oriente Médio, os dirigentes chavistas de Monagas, Apure, Carabobo e Bolívar ecoavam decisões semelhantes. Todos concordavam que as liminares suspendiam os efeitos da coleta de assinaturas da primeira etapa do processo, que reunia 1% do eleitorado e foi apresentada no final de junho. Sem isso, o referendo revogatório não poderia prosseguir.

Até o final da tarde não havia outras informações além das fornecidas pelas partes favorecidas. O EL PAÍS confirmou com o deputado Andrés Velásquez a validade da resolução do Quarto Tribunal do Estado de Bolívar (sudeste), com funções de controladoria, que suspende o processo nesse Estado. Velásquez, líder regional da MUD, e seus colegas Raúl Yusef e Braulio Merino são citados no processo como supostos coautores dos crimes de falsidade ideológica perante funcionário público, aproveitamento de ato falso, fornecimento de dados falsos ao Poder Eleitoral (com agravantes) e formação de quadrilha.

"Que fiquem sabendo Maduro e sua turma, incluindo Lucena [presidenta do CNE]. Este não é o país de 2013. Esta é outra Venezuela, onde 80% querem mudança"

O deputado Diosdado Cabello, homem forte do chavismo, insistiu aos tribunais para que os responsáveis sejam processados. “Esperamos que sua detenção seja ordenada e que eles sejam presos pelo que fizeram ao povo”, afirmou num comício em Maturín, capital de Monagas.

O chavismo sempre denunciou que entre as assinaturas apresentadas pela MUD como ponto de partida do processo havia muitas identidades falsas. Durante várias semanas, enquanto o CNE certificava sua validade, a cúpula chavista ameaçava ir aos tribunais para ordenar a suspensão do processo. A rápida resposta da Justiça garante que Maduro permaneça no cargo e espere um melhor momento para enfrentar uma eleição.

Até a noite de segunda-feira, a oposição não tinha feito nenhuma declaração conjunta. Velásquez informou que as sentenças estavam sendo analisadas. Antes da divulgação da decisão do Poder Eleitoral, o ex-candidato presidencial Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda, afirmava que os tribunais “não podiam interromper o processo eleitoral do povo”. Esse raciocínio era similar ao expresso por alguns advogados surpresos com a interferência de tribunais penais em assuntos eleitorais. A MUD inclusive poderia tentar a cartada de reunir esses 20% das assinaturas apenas nos Estados onde o processo está mantido, ignorando a resolução do Supremo que obrigava a apresentar assinaturas em todos os Estados.

Mas depois da notícia, apresentada como um xeque-mate ao referendo, o tom mudou. Em dois tuítes, Capriles resumiu suas preocupações e lançou um alerta: “Alertamos ao corpo diplomático. O Governo empurra para um cenário muito perigoso e de aumento da crise”. E adicionou: “Que fiquem sabendo Maduro e sua turma, incluindo Lucena [presidenta do CNE]. Este não é o país de 2013. Esta é outra Venezuela, onde 80% querem mudança. Passaram no sinal vermelho”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: