COPA DO MUNDO 2018

Eliminatórias da Copa de 2018 voltam com 86 jogos em seis dias

América do Sul chega ao final do primeiro turno e Europa testa suas seleções emergentes

Treinamento da seleção do Peru antes de receber a Argentina em Lima.
Treinamento da seleção do Peru antes de receber a Argentina em Lima.ERNESTO BENAVIDES / AFP

Quatro das seis regiões em que estão divididos os grupos de classificação para a Copa do Mundo da Rússia verão a bola rolar entre esta quinta-feira e a próxima terça. A América do Sul inicia a nona rodada – última do primeiro turno. A África inaugura sua rodada final, depois dos jogos na Ásia no mês passado. E a Europa tem pela frente a segunda e a terceira jornadas. No total serão 86 partidas nos próximos seis dias, à espera de que em novembro também comecem a ser definidos os duelos finais tanto nas Américas do Norte e Central como na Oceania.

Mais informações

A Europa retoma nesta quinta-feira a competição com nove jogos. O de maior nível, sem dúvida, será entre italianos e espanhóis em Turim. A Macedônia, última em seu grupo de classificação para o Mundial passado e para a última Eurocopa, enfrenta a seleção de Israel, que foi derrotada em casa pelos italianos. A Albânia, que pega na segunda-feira o time dirigido por Lopetegui, visita Liechtenstein sem o atacante Armando Sadiku, que também não poderá jogar contra a Espanha. De Biasi chamou Edgar Çani, um atacante do Pisa com mais de 1,90 metro de estatura e que estava havia três anos sem jogar na seleção. A Albânia recebe a Espanha em Shkoder, onde hoje a exilada Kosovo recebe a Croácia, que chega sem os contundidos Lovren, Pjaca, Rakitic e Modric. Diante dessa situação, Kovacic está disposto a dar tudo de si. “Falei com Luka após sua operação e lhe disse que assumiria a responsabilidade. Estou preparado”, afirmou o jogador ao pisar solo albanês.

Na quinta também voltam a jogar as duas revelações da última Eurocopa. “Às vezes é preciso ter sorte no futebol, e eles tiveram na França”, diz o técnico austríaco sobre Gales, que visita Viena. Em Reykjavik , os islandeses recebem a Finlândia e na segunda enfrentam a Turquia, que continua sem contar com Arda Turan. Se conseguirem os seis pontos, prepararão o caminho rumo a outra epopeia. “Continuamos com sede de jogo”, diz Gylfi Sigurdsson, seu melhor jogador. “São um exemplo para todas as seleções nórdicas”, elogia Hans Backe, o técnico sueco que treina os finlandeses.

Na América do Sul, o panorama está mais claro para Brasil e Argentina, que conquistaram quatro e seis pontos nos últimos dois jogos e estão um ponto atrás do líder Uruguai, finalmente longe da irregularidade mas sem poder contar com o meia Gastón Ramírez e o zagueiro Giménez para jogar contra a Venezuela em Montevidéu. Os brasileiros recebem a Bolívia sem Casemiro, Marcelo e Paulinho. Por isso, o técnico Tite está disposto a escalar Philippe Coutinho, o meia do Liverpool, que atuou na ofensiva nos últimos duelos. Argentina visita o Peru, que precisa ganhar para ter chances. Vai jogar sem Messi mas com Dybala, Di María, Higuaín e Agüero no ataque e Kranevitter para suprir as ausências de Augusto e Biglia. Em Quito, Equador e Chile travam uma batalha de aspirantes quase perdidos. Os locais ganharam apenas um ponto dos últimos 12 que disputaram. Já o Chile está em sétimo lugar num grupo em que só quatro classificam e o quinto vai para a repescagem. Sete seleções têm entre si uma diferença de apenas cinco pontos, entre elas Paraguai e Colômbia, que busca um substituto para James. Os dois times se enfrentam em Assunção.

Na África, começa a terceira e última fase de classificação, com 20 seleções distribuídas em cinco grupos. Só o campeão de cada grupo carimba o passaporte para a Rússia – um autêntico funil quando se leva em conta que, por exemplo, num dos grupos figuram três times (Argélia, Camarões e Nigéria) que disputaram o último Mundial. Costa do Marfim, Marrocos e o emergente Mali estão em outro, assim como Senegal e África do Sul (num grupo) e Gana e Egito (em outro). Os holofotes estão todos na visita de Camarões à geração dourada da Argélia. No dia anterior, Gabão, com Pierre Emerick Aubameyang no ataque, enfrenta a renovada seleção do Marrocos, sem o contundido Banatia, mas respirando novos ares com a chegada de Hervé Renard, o técnico que conquistou o título de campeão continental para Zâmbia e Costa do Marfim.

Na classificação asiática, o Japão retorna ao seu feudo de Saitama, onde caiu ante os Emirados Árabes e agora não pode perder para o Iraque se ainda quiser ter chance contra Arábia Saudita e Austrália, que jogam entre si. São dois grupos de cinco equipes, sendo que os dois primeiros colocados viajam para a Rússia e os terceiros tentam a vaga na repescagem. O outro grupo é liderado pelo Uzbequistão, que venceu os dois primeiros jogos e agora disputa outros dois como local contra o Irã e a China. A ex-república soviética tem uma grande oportunidade de disputar seu primeiro Mundial.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete