Entramos nos laboratórios onde o Facebook constrói o seu futuro

Rede social cria o seu próprio sistema para conectar a humanidade nos próximos 10 anos

Spencer Burns, diretor de materiais, mostra uma impressora 3D para materiais avançados.EL PAÍSundefined
Mais informações

O Facebook tem uma missão: conectar a humanidade nos próximos 10 anos. Mark Zuckerberg tem essa obsessão e não poupa esforços para alcançá-la. Já superou 1,7 bilhão de usuários conectados ao seu serviço, mas ainda faltam mais de dois terços dos seres humanos vivos. Não se trata apenas de fornecer acesso grátis, como faz a empresa com a Internet.org, mas também de contar com a tecnologia necessária para viabilizar isso.

O Facebook, cujo lema inicial foi “mexa-se mais rápido e quebre as coisas”, pensa grande. Em vez de terceirizar projetos e delegar funções, decidiu criar seu próprio laboratório. Pela primeira vez foi possível ter acesso, sem ser empregado do Facebook, fornecedor e pesquisador, a um centro inaugurado há apenas oito semanas, mas que passou dois anos sendo gestado. O primeiro ano foi gasto na concepção do centro; o segundo, na sua concretização. Aparentemente, nada mudou nesta que é a sede do Facebook desde que a empresa migrou dos arredores de Palo Alto e Stanford para um antigo centro de pesquisas da HP, mas dentro do número 1 da rua Hacker tudo está diferente.

Área 404

Burns mostra peça criadas com os equipamentos.
Burns mostra peça criadas com os equipamentos.

A maior parte dos funcionários trabalha atualmente no moderno galpão concebido por Frank Gehry, e isso inclui Zuckerberg, enquanto neste amplo espaço, que faria as delícias de qualquer aficionado da bricolagem, forja-se o futuro da expansão do Facebook. Oficialmente essa parte se chama Área 404, em referência à conhecida mensagem de erro da Internet para sites não encontrados. “O que não se encontra, nós criamos”, diz Mikal Greaves, diretor de mecânica e energia no centro. Spencer Burns é o outro chefe, especializado em desenho e materiais. Juntos, criaram um tandem que agiliza a criação de peças. Humor não lhes falta: o lema do centro, visível em painéis e na manga das suas camisetas, é: “O que poderia dar errado?”. Greaves salienta a importância de ter imediatamente protótipos de alta qualidade: “Podemos testar e experimentar imediatamente. Fazer peças melhores, sem ter que esperar termos o material ou que os fornecedores cheguem a tempo”.

Ao todo, somam 2.043 metros quadrados de maquinário para criar os drones Aquila, ultraleves e pensados para permitir a conexão à Internet. Durante a visita, há uma constante insistência na segurança. É pouco recomendável sair das linhas amarelas que marcam os corredores, e proibido entrar sem óculos de proteção.

Embora seja difícil quantificar a economia, a equipe gaba-se de um dos seus primeiros aparelhos, um sistema para gravar vídeos em três dimensões, o Surround 360, com 17 câmeras e som envolvente. Burns esclarece que o Oculus é o único produto de hardware do Facebook que chega ao cliente final. Aqui se desenvolve parte da tecnologia, mas os fabricantes finais dos óculos, até agora, são a Samsung, no caso da versão mais comercial, e a equipe institucional nos modelos mais avançados, da linha Rift. “Ninguém nos associa com hardware, mas é necessário para cumprir nossos planos. Fazemos satélites, pesquisa em óculos e novas tecnologias a laser para comunicação”, enumera.

Burns, encarregado de ir ativando diferentes máquinas de impressão em três dimensões ou fresadoras de última geração capazes de gerar metais leves e resistentes com formas complexas, acredita que este método de trabalho permite inovar com maior rapidez. “Por estarmos todos juntos, conversamos, falamos, comentamos e compartilhamos o que foi bem e o que não foi. É um ambiente tranquilo, mas também especializado. Nunca tinha tido acesso a tanto material”, entusiasma-se.

Material de trabalho no laboratório de hardware do Facebook.
Material de trabalho no laboratório de hardware do Facebook.

Os executivos admitem que limparam tudo para a visita, e que os funcionários vão chegar um pouco mais tarde. À primeira vista, apenas bancos compridos e máquinas de fundição, corte e polimento, mas os detalhes fazem a diferença. Todas as mesas são motorizadas, podem subir ou descer segundo o tipo de trabalho a realizar. Algumas ferramentas caem do teto, presas por um cabo. De novo, uma surpresa. Elas têm um sistema hidráulico que as sobe ou desce segundo necessidade, e também as leva de um lado para outro por trilhos no teto.

O Facebook não revelou o custo de todo este equipamento. Limitou-se a informar que é “o melhor do melhor, a última tecnologia disponível, e vamos renovar constantemente”.

Há no total 60 empregados manuseando regularmente as máquinas. Seis foram especificamente contratados para a manutenção e explicação do material, sendo capazes de ter tudo sob controle inclusive em situações pouco habituais na empresa. Para os demais, o acesso não é proibido. “Não se vem aqui para brincar ou experimentar, não é para isso. Mas se alguém tem um projeto ou precisa fazer um protótipo, nos coordenamos, damos formação e ajuda e asseguramos que não falte nada”, afirma Greaves. Zuckerberg passa por aqui? “Sim, de vez em quando, mas não costuma avisar”, desconversa Burns, em tom de mistério.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: