O jeito estranho da Fifa de combater o racismo

Decisão da entidade incomodou dirigentes e atletas que creem que ainda há muito por fazer

Blatter entrega-lhe uma bola a Putin depois da Copa do Mundo do Brasil 2014.AP / EPVundefined

Mês após mês, a cena muda, mas a ideia se repete. Os atingidos – além dos milhões de torcedores televisivos, inclusive muitas crianças – podem ser humildes mulheres na Plaza Mayor de Madri, um jogador negro (como Iñaki Williams) ou algum coletivo específico, seja um país determinado, os LGTBs ou a polícia. A polêmica voltou a ganhar força nesta semana, quando a FIFA decidiu dissolver a sua Força-Tarefa Contra o Racismo e a Discriminação, criada há apenas três anos, durante o mandato de Joseph Blatter, para impulsionar iniciativas inovadoras na luta contra o racismo no futebol.

Mais informações

Fontes da entidade que comanda o futebol mundial dizem que o grupo havia nascido como um think tank [laboratório de ideias] e que sua tarefa era pensar soluções. Esse processo, prosseguem as fontes, já terminou, e todas as ações concretas estão sendo executadas. Vários membros da Força-Tarefa protestaram contra a medida, incluindo o jogador Yaya Touré, do Manchester City, que atuou como consultor, mas não participou de nenhuma reunião. Os especialistas da FIFA que combatem o problema têm um só objetivo em mente: a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Ainda nesta quarta-feira, na partida da Champions League entre Rostov (Rússia) e PSV Eindhoven (Holanda), um espectador atirou uma banana em campo. O clube russo, que já havia sido sancionado em 9 de setembro por episódios racistas durante seu jogo de volta contra o Ajax, espera uma nova punição. “Estamos tentando resolver essas situações com a federação russa. É impossível controlar cada pessoa no estádio. Espero que seja um fato isolado e que não volte a se repetir”, disse Alexei Sorokin, membro do comitê organizador da Copa de 2018, à agência TASS.

A Força-Tarefa foi criada em março de 2013, após uma série de incidentes racistas nos estádios. Na ocasião, coros racistas contra Kevin-Prince Boateng, que era jogador do Milan, levaram o atleta a atirar uma bola com força contra a arquibancada e sair de campo com toda a sua equipe. A FIFA achou que era o fundo do poço e, mais uma vez, decidiu agir nessa questão. Advogados, jornalistas, jogadores e outras personalidades compuseram uma equipe encarregada de pensar iniciativas e ações concretas: as principais propostas, que estão agora sendo concretizadas, foram um guia de boas práticas para as federações, a identificação de partidas de alto risco, a nomeação de embaixadores antidiscriminação e um sistema de monitoramento.

Como qualquer organização de especialistas e pesquisa, a Força-Tarefa teve muitos meses de inatividade e só se reuniu três vezes, a última em dezembro de 2014, há mais de um ano e meio. Com os escândalos de corrupção que derrubaram Blatter, “as prioridades durante um tempo foram outras”, segundo uma fonte da FIFA. Isso não significou a paralisia total da atividade contra o racismo, mas fez com que a unidade antidiscriminação ficasse num limbo. “Talvez devessem tê-la dissolvido antes”, diz essa fonte. O fim da comissão é um fato pontual, claro, mas a dúvida é outra: por que a FIFA esperou até 2013 para montar uma equipe de especialistas para um tema tão relevante?

“A dissolução da Força-Tarefa foi uma estupidez”, critica o advogado e jornalista esportivo anglo-nigeriano Osasu Obayiuwana, ex-integrante do grupo. Descontente com a decisão da FIFA, afirma que “não há nenhum comitê que faça o que fazíamos”. “Combater o racismo no futebol deveria ser, agora e no futuro, um tema de máxima prioridade”, insiste. Foi Obayiuwana quem deu visibilidade ao assunto na sua conta do Twitter, onde publicou a carta que recebeu comunicando o fim da unidade para a qual trabalhava quase sem remuneração. Quase porque todos os membros do grupo recebiam uma ajuda de custo de 250 dólares (806 reais) quando se reuniam.

“As recomendações da Força-Tarefa se transformaram em uma matéria global”, diz uma fonte da FIFA. Piara Powar é o presidente da entidade FARE (Futebol Contra o Racismo na Europa, na sigla em inglês). "A decisão de fazê-la desaparecer é da FIFA, embora eu não esteja de acordo”, diz. A organização dele assessora a FIFA na luta contra a discriminação, principalmente no monitoramento de partidas e no relato de incidentes através de uma plataforma na Internet. “Com uma Copa do Mundo dentro de pouco tempo, o que mais queremos é que todos possam ir vê-la e se sintam cômodos”, afirma. “Na Rússia, as coisas estão melhorando pouco a pouco, mas ainda estão muito complicadas para o coletivo LGTB. Infelizmente, as demonstrações públicas de afeto para este coletivo serão muito difíceis ali”, observa.

Esse é um dos problemas da FIFA: sua luta contra o racismo se centra somente na Copa do Mundo, nas Eliminatórias e na Copa das Confederações. Todo o resto depende das federações nacionais, e a margem de ação se esgota. “Não trabalhamos diretamente com os governos dos países. É difícil, porque não recebemos nenhuma assistência econômica”, comenta Powar. “Além disso, o panorama está muito difícil devido ao atual estado da relação entre a Rússia e o Ocidente, nesta nova Guerra Fria que estamos vivendo.”

Enquanto a FIFA foca a Rússia, vários episódios racistas em diversos estádios do mundo continuam enchendo as páginas dos jornais. A seleção chilena foi punida por gritos homofóbicos nas arquibancadas durante um jogo das Eliminatórias, a torcida do Sporting de Gijón (Espanha) causou a suspensão de uma partida por imitar sons de macacos cada vez que Iñaki Williams, do Athletic de Bilbao, tocava na bola, e assim por diante. Já é normal que os jogos parem, mas as sanções econômicas (as mais altas chegam apenas a 72.000 reais) são irrisórias para clubes que gastam centenas de milhões de euros em contratações.

A Kick It Out é uma organização britânica que combate os comportamentos racistas no futebol inglês. O Campeonato Inglês é o mais importante torneio nacional do mundo, pelo menos em termos econômicos e televisivos, e uma vitrine para o comportamento de torcedores e jogadores. Segundo a Kick It Out e a federação inglesa, houve mais de 900 incidentes de discriminação na última temporada (2015-2016). As situações de racismo foram a maioria (59%), mas também ocorreram agressões por orientação sexual (13%), nacionalidade (17%), gênero (9%), crenças religiosas (6%) e deficiência (4%).

No último mês de 2015, no sistema de monitoramento do FARE, a plataforma que assessora a FIFA, registra incidências na Romênia, México, Peru, Portugal, Croácia, Inglaterra, Itália, Colômbia, Escócia e Turquia. O problema, portanto, não se limita à Rússia e, acima de tudo, não começou em 2013.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: