Ricardo Young: “Precisamos de um fundo específico para tratar dependentes químicos”

O candidato da Rede à Prefeitura de SP foi entrevistado pelos repórteres do EL PAÍS e da EBC nesta terça-feira

O candidato a prefeito de SP Ricardo Young (Rede).
O candidato a prefeito de SP Ricardo Young (Rede). R. Matsukawa

O vereador Ricardo Young, da Rede Sustentabilidade – partido fundado junto com a ex-senadora Marina Silva – foi o terceiro entrevistado pelo EL PAÍS Brasil e EBC na tarde desta terça-feira. Os dois veículos estão realizando uma série de sabatinas com os candidatos a prefeito de São Paulo pelas eleições municipais de 2016.

Ao longo dos 30 minutos de entrevista, o candidato falou muito sobre a cidade, gestão colaborativa e polarização na sociedade. Ao comentar um dos programas de mais destaque da atual gestão, o de “Braços Abertos” – que é voltado para “redução de danos” no atendimento aos usuários de crack – disse que pretende reformulá-lo. “O programa não cumpriu o que prometia. Tinha intenção de dar moradia, oportunidade de renda, refeição a preço popular e tratamento. Mas há pouca geração de renda e o tratamento se perdeu”, argumenta.

Sabatina com Ricardo Young

Acompanhe ao vivo a entrevista com Ricardo Young , candidato à Prefeitura de São Paulo pela Rede, pelos jornalistas do EL PAÍS Brasil e da EBC

Gepostet von EL PAÍS Brasil am Dienstag, 13. September 2016

Young, que ficou em quarto lugar na disputa para o Senado em 2010, com uma votação expressiva que, contudo, não se reflete na atual corrida eleitoral, explicou que pretende fazer um Governo “de colaboração e participação, próximo à sociedade”. Para isso, rechaça fazer uma administração de “coalizão”, que “loteia a máquina pública”, mas sim que os apoios partidários surjam a partir de um determinado programa.

Para descentralizar a administração, pretende transformar as subprefeituras em “coprefeituras”, além de tornar mais efetivos os conselhos e outros canais de comunicação entre a sociedade e administração. Sobre a proposta de eleição direta para subprefeitos, ele diz ser favorável ao prefeito “escolher o melhor de uma lista de três mais votados”. Para ele, o candidato deve, obrigatoriamente, pertencer à comunidade na qual é escolhido.

Young garante que em seu programa estão incluídos todos os setores da sociedade. Contudo, acredita que a criação de secretarias não é o melhor modo de resolver questões sensíveis na sociedade. “É uma questão transversal. Vamos trabalhar para uma sociedade inclusiva... E as escolas precisam ser um reflexo do que acontece na sociedade, que é cada vez mais aberta”, promete. "O governo não pode polarizar, tem que saber construir a partir do conflito".

Ao falar sobre seu voto contrário às mudanças de IPTU, como vereador, Young defendeu que havia um componente demagógico no projeto e uma ausência de debate com a cidade. “Isentar imóveis é fazer política com imposto”, comentou. Atualmente, 40% dos domicílios estão isentos da taxa. Entre eles, estão imóveis que tem valor até 160.000 reais e terrenos que valem 90.000 reais. Young, contudo, concorda que a ferramenta pode ser um bom modo de estimular boas ações na cidade. “O desconto para quem cuida da fachada das moradias, por exemplo, é interessante”.

Quando o assunto é creche, um dos temas mais lembrados nas campanhas pela Prefeitura, o candidato disse querer firmar uma parceria com quem já, de certo modo, oferece o serviço de maneira informal. “Na periferia, por exemplo, algumas mães já são escolhidas para cuidar dos filhos de quem vai trabalhar. O Governo é muito fechado em si mesmo, tem que se inspirar com soluções como essa”, disse. Não ficou claro se a parceria funcionaria de forma remunerada, mas Young ressaltou que a ideia seria emergencial.

As entrevistas com os candidatos serão transmitidas ao vivo pelo site do EL PAÍS Brasil e em edição especial do Repórter SP, às 12h30 (de 8 a 16 de setembro) e ao meio-dia (de 19 a 23 de setembro) na TV Brasil, e poderão ser acompanhadas pelo portal EBC. Assista à entrevista com Ricardo Young na íntegra:

EL PAÍS BRASIL
Encerrada a última sabatina da série. Marta Suplicy e Celso Russomanno não aceitaram o convite para participar.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Chamamos os trabalhadores para se mobilizar contra o golpe de Estado", diz.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Áreas agradece o convite, diz que é a primeira vez que o PCO participa de uma sabatina na TV aberta.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Considerações finais
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Bater no PT significa se alinhar com a direita", diz Áreas. Ele não acha que a decepção com o PT pode se reverter em votos para o PCO. "Do ponto de vista ativista é natural que os petistas tenham simpatia por nós"
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gil Alessi pergunta se o descontentamento com o PT pode refletir nas eleições e dar votos para o PCO neste ano.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Áreas diz que há uma tradição do PCO de fazer campanha pelo voto nulo no segundo turno. "O PT é um partido que representa a burguesia", diz.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Aline Scarso pergunta: se Haddad chegar ao segundo turno, o PCO vai apoiá-lo?
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Acho que sim", diz Áreas. "A burguesia e os capitalistas conseguem seu lucro a partir do trabalhador".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"Ainda é momento de se falar trabalhadores e burguesia", pergunta a apresentadora, lendo o programa de governo do PCO.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O candidato do PCO diz que ainda existem muitas fábricas nas cidades e mesmo os setores de serviços, como os Correios, onde Áreas trabalha, funciona com uma classe operária.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
A maioria dos trabalhadores está no setor de serviços, diz o repórter do EL PAÍS.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
André Oliveira pergunta se não é antiquado estar em uma organização operária nos dias de hoje.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Aline Scarso pergunta sobre as alianças feitas pelo PCO em nível nacional.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Henrique Áreas responde dizendo que o problema é a dificuldade de locomoção na cidade. "Para o trabalhador, o interessante é que tenha transporte público eficiente".
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
André Oliveira pergunta se a diminuição da velocidade nas vias não beneficia também o trabalhador que vai a pé para o trabalho, já que é uma medida de segurança.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Henrique Áreas diz que a direita se diz contra para atacar o prefeito Haddad.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Gil Alessi pergunta sobre o limite de velocidade nas vias e a cobrança de multas. O PCO é contra as multas, uma visão mais alinhada com a direita. "Não é contraditório?", pergunta.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"A gente defende o não pagamento de nenhuma dívida", diz Áreas. Daí sobraria dinheiro para aumentar o salário mínimo, segundo o candidato.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
A apresentadora pergunta sobre a proposta de aumentar o salário mínimo para 4.000 reais.
EL PAÍS BRASIL
Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: