Análise
i

Mauricio Macri põe à prova a paciência dos argentinos

Depois de nove meses no cargo, todos os dados são negativos, mas o presidente aguenta por causa da confiança em que melhorem em 2017 e da divisão da oposição

Sindicatos da província de Santa Fé partem rumo a Buenos Aires, na chamada Marcha Federal.
Sindicatos da província de Santa Fé partem rumo a Buenos Aires, na chamada Marcha Federal. (Telam)

Uma das conquistas de Mauricio Macri que praticamente todos reconhecem é que recuperou estatísticas dignas de crédito na Argentina. O INDEC, o órgão oficial encarregado dos dados, durante oito anos vinha intervindo politicamente e ninguém acreditava no que dizia. Até o FMI deixou de contar com essas cifras. Mas agora que os dados enfim são críveis, não há neles nada mais do que más notícias. Uma olhada rápida à página do INDEC na Internet deixa isso claro: a inflação em julho cresceu 2%, o que aponta para 40% anual — em agosto o aumento é menor por motivos pontuais, mas continua sendo de longe a mais alta da região, depois da Venezuela —, o desemprego está em 9,3%, uma cifra enorme para a Argentina, a economia cai a 4,3% se a comparação for o mesmo mês do ano passado, a produção industrial afunda 7,9%, um desabamento que o país não tinha vivenciado nos últimos 14 anos.

A economia está parada, começam a ocorrer demissões, embora ainda não sejam em massa — graças à pressão dos sindicatos —, e os preços continuam em alta, o que transformou a Argentina no país mais caro da América Latina. Se a isso forem somados os dados de pobreza compilados pela Universidade Católica, que diz haver 1,4 milhão de novos pobres desde que Macri chegou ao poder, a combinação é explosiva.

O presidente argentino, que alcançou o poder com uma campanha otimista na qual prometeu devolver o país à normalidade e falou de uma "revolução da alegria", não pode, até o momento, oferecer aos argentinos mais do que sangue, suor e lágrimas. Macri promete que a tempestade se dissolverá. Mas já deu várias datas para a saída do sol, elas passaram, e continua chovendo torrencialmente na economia argentina. O presidente vai caindo lentamente nas pesquisas, mas ainda conserva um nível notável de aprovação  — perto de 50% —, que os especialistas atribuem a uma característica muito argentina: as expectativas. A maioria dos consultados diz o mesmo: estou pior que há um ano, mas acredito que estarei melhor em 2017. "Estamos mal, mas vamos bem", disse Menem nos anos 90.

Macri vai tentando ganhar tempo. "Vamos pelo bom caminho", insiste. Mas não há dados econômicos positivos que o avalizem e continua sem chegar a onda de investimentos estrangeiros prevista. Os empresários consultados coincidem: quem vai investir com 40% de inflação e taxas de juros oficiais de 28,5%? Alguns explicam que na Argentina atualmente se ganha muito mais dinheiro com o que chamam de "bicicleta", isto é, emprestando dinheiro ao Estado em vez de um investimento produtivo. E o risco é menor. A taxa de câmbio está estável há meses, por isso a Argentina oferece neste momento uma das rentabilidades mais altas do mundo para o dinheiro. Os bancos estão em seu grande momento e o campo também está explodindo porque o Governo lhe baixou muito os impostos, mas a indústria e as classes média e baixa urbana estão no limite da resistência.

Macri está assim pondo à prova a paciência dos argentinos, que não é uma de suas maiores virtudes. Os especialistas concordam em que ele ainda tem margem, sobretudo porque o kirchnerismo, seu grande rival, saiu muito enfraquecido da derrota eleitoral e não para de acumular escândalos de corrupção. Mas não é infinita.

Com Macri, e em geral com a Argentina, é difícil fazer previsões. Há um ano se dizia que era impossível que ganhasse. E ganhou. Depois se disse que não poderia controlar o Congresso porque está em minoria. Mas não sofreu nenhuma derrota importante e conseguiu aprovar a lei crucial, o pacto com os fundos abutre. Falou-se que Macri não entendia nada de política, que era um engenheiro milionário que pensava em termos empresariais. Mas ocorre que é na parte política onde está tendo menos problemas: a oposição está dividida e isso lhe dá muita força.

"Enquanto o peronismo não resolve seus problemas com Cristina Fernández de Kirchner e busca um novo líder, e isso lhe pode custar muito tempo, podemos estar tranquilos", repetem no Governo. A ex-presidenta tenta manter a liderança da oposição de modo particular, de seu retiro em El Calafate e com aparições esporádicas. E os macristas dizem em particular que ela é seu principal aliado. Porque o presidente não é um líder carismático que arraste multidões, mas milhões de argentinos estavam fartos do kirchnerismo, e cada vez que ela aparece eles se lembram por que votaram em Macri, explicam seus seguidores.

O presidente se sai relativamente bem em política e muito mal em economia, ao contrário do previsto. Os especialistas concordam em que na Argentina, um país onde até o último camponês em um lugar isolado pode dar uma lição magistral de macroeconomia básica, as eleições se definem aí. E, como sempre, há uma frase de Perón para resumir isso: "O órgão mais sensível do homem é o bolso". Por isso Macri precisa de resultados. Sobretudo investimentos. O presidente viajou para o G20, na China, e passará antes pelo Catar com um único objetivo: conseguir atrair capitais estrangeiros.

Fora da Argentina Macri tem apoio quase incondicional. Mas dentro a panela vai esquentando. As ruas de Buenos Aires sofrem bloqueios todos os dias por manifestações de todo tipo e os sindicatos organizaram uma grande "marcha federal" por todo o país, que se encerra na sexta-feira na capital. Os macristas insistem em que os protestos na Argentina não mudam nada. São muito frequentes. Estão imunizados. Mas até os mais fiéis admitem que não convém pôr a paciência dos argentinos à prova por muito mais tempo.

MAIS INFORMAÇÕES

Arquivado Em: