Flávia Saraiva, a pequena que desceu de um pé de goiaba para subir na barra olímpica

Amada pela torcida, 'Flavinha' concorre à primeira medalha da história em ginástica artística feminina

Flavia Saraiva, na prova que a classificou para a final.
Flavia Saraiva, na prova que a classificou para a final.Rebecca Blackwell (AP)
Mais informações

A atleta mais baixinha dos Jogos do Rio –mede 1,33 m– é a esperança do Brasil para conseguir uma medalha na ginástica artística feminina, a primeira na história do país. Flavinha, como é conhecida pelos fãs, não é a mais talentosa da equipe, diz seu treinador, mas é a mais esforçada. Na segunda-feira competirá na final da trave, para a qual se classificou com a terceira melhor nota (15,133), superada apenas pelas norte-americanas Simone Biles (15,633) e Lauren Hernandez (15,366).

“Flavia nunca marcou 58 pontos em competições oficiais e para poder disputar uma medalha precisa alcançar ao menos 59. Mas está muito focada, sabe muito bem o que quer e trabalha muito para isso, é muito especial nesse sentido, porque uma menina não aceita tanto sacrifício. Há dois anos preparamos a mesma série, temos as condições que precisamos para ganhar”, diz Alexandre Cuia, seu treinador nos últimos quatro anos. Durante a entrevista, a pequena Flavia, de 16 anos, blindada pela federação para não se desconcentrar, aparece com fones de ouvido e cantarolando. Abre um sorriso e conta que não está nervosa, que fará o melhor que puder, que vai se divertir. E diz que está com fome. A mochila da seleção, que leva pendurada nas costas, cobre literalmente a metade do corpo dela; o treinador ri carinhosamente: “É maior do que ela!”.

A pequena é uma joia para qualquer técnico. Os dois últimos ciclos olímpicos foram das ginastas mais altas, mais velhas e mais fortes. Já não é tão comum esse modelo de menina tão pequena e tão jovem, que monopolizou as competições nos anos 1990. “Eu gosto. O tamanho dela ajuda na gravidade, no peso, nos giros... É como se tivesse nascido para isso”, diz Cuia, que Flávia chama de “tio”, repetindo a expressão usada pelas crianças brasileiras para se referirem aos mais velhos em sinal de respeito. Como se não bastasse, a brasileira resiste a tudo. É a única das seis ginastas da equipe – incluída a reserva –que não foi submetida a alguma cirurgia por causa de lesão.

Flávia conquistou árbitros, torcida e atletas no seu passo pelos Jogos.
Flávia conquistou árbitros, torcida e atletas no seu passo pelos Jogos.MIKE BLAKE (REUTERS)

Flavinha também tem carisma, algo que agrada a torcida e os árbitros. Com seu tamanho e seu sorriso conquistou os brasileiros e os atletas da Vila Olímpica. Estrelas e equipes nacionais, como o voleibol feminino, bicampeão olímpico, estão praticamente marcando hora para tirar uma foto com ela. As redes sociais babam com ela, os voluntários ficam com vontade de apertar suas bochechas e seu treinador – e qualquer um que cruzar com ela – de abraçá-la. “É engraçado, porque deveria ser ao contrário e ser ela quem pedisse as fotos. O carisma sempre ajuda. Até os adversários a tratam bem, é apreciada pelos árbitros e chama a atenção de todos na Vila”, diverte-se Cuia.

Faz anos que Flavia acorda com a sensação de participar dos Jogos Olímpicos. Literalmente. “Há muito tempo que sonho, mas sonho de verdade, estar aqui. Estou muito, muito feliz”, diz numa de suas breves intervenções. É o que deve sonhar toda jovem promessa e ademais é parte do seu treinamento. O Brasil é um dos países que aposta na preparação psicológica das ginastas, levando-as a se imaginar no pódio, apertando sua medalha. “Não estamos preocupados com o resultado. O que eu sempre digo é que ela tem que se divertir”, diz o treinador.

Quando sua prima a fez descer das árvores e Flavinha começou a treinar numa ONG, para depois se tornar profissional, sua mãe, de 1,60 m, teve de parar de trabalhar para acompanhá-la em longos trajetos para os treinamentos. Eram pobres e continuaram sendo até que em 2014, em Naquin (China) nos Jogos Olímpicos da Juventude, Flavia, então com 14 anos, deixou o mundo boquiaberto com um ouro no solo, uma prata na trave e outra prata na geral. A partir daí, entrou no radar dos patrocinadores, começou a receber um salário e benefícios do Governo brasileiro, o que mudou sua vida e a de sua família. Seus pais, no entanto, continuam em seus empregos, vendendo cesta básica. “A família dela não tinha muitos recursos, mas sempre foi muito estruturada e o sucesso não os mudou. Normalmente, quando o atleta começa a ganhar dinheiro, as famílias esquecem suas origens e perdem o foco”, diz o treinador.

Flavia Saraiva tem frases de adulta, dizem que é muito madura para sua idade, mas continua a ser uma menina fisicamente, que resiste a entrar na adolescência. Enquanto as garotas da idade dela terminam os treinos e só pensam em sair, ela só quer ficar com a família e assistir Bob Esponja. Depois dos Jogos, os técnicos querem que ela descanse durante pelo menos três meses, mas ela já tem seus próprios planos: preparar a próxima prova de solo com a trilha sonora de um desenho animado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: