Os estranhos hematomas redondos de Michael Phelps

O nadador apareceu com marcas roxas nas costas, efeito de uma terapia chamada "cupping"

O nadador norte-americano Michael Phelps nos Jogos Olímpicos de Rio 2016.BERND THISSEN EFE / EL PAÍSundefined

Michael Phelps não chamou a atenção no domingo apenas pela conquista de sua 19º medalha de ouro olímpica, ou por participar de sua quinta edição dos Jogos. Outro destaque na apresentação do norte-americano foram os estranhos hematomas redondos que ele tinha nos ombros e nas costas.

Mais informações

As marcas no corpo do nadador são efeito de uma terapia chamada cupping – uma espécie de massagem com "copos" que são aplicados no corpo dos atletas, para eliminar toxinas do sangue. Em teoria, essa técnica melhora o fluxo sanguíneo e ajuda a relaxar os músculos.

Phelps, de 31 anos, não é o único atleta que utilizou esta técnica nos Jogos Olímpicos do Rio. Recentemente, o ginasta Alex Naddour, também dos Estados Unidos, publicou uma foto em sua conta no Instagram em que mostrava uma das marcas do cupping; o mesmo fizeram o também ginasta Chris Brooks e a ex-nadadora Natalie Coughlin. "Este é o meu segredo neste ano e me mantém saudável", disse Naddour ao USA Today. "É um dinheiro bem gasto".

A massagem é feita com pequenas esferas de cristal que são aplicadas sobre a pele. O efeito do vácuo gerado pelos "copos" provoca uma sucção na pele, melhorando a circulação sanguínea e linfática, e fazendo com que os músculos se relaxem. Os hematomas duram, pelo menos, duas semanas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: