Olimpíadas Rio 2016

Bolsa Atleta completa dez anos, mas não consegue levar Brasil ao pódio

Para presidente da Academia Olímpica Brasileira, programa precisa vir acompanhado de um plano nacional de esportes

Evento-teste no RJ com seleções de rugby em cadeira de rodas.
Evento-teste no RJ com seleções de rugby em cadeira de rodas.Tomaz Silva (Agência Brasil)

Para Steinhilber, os investimentos que o país vem desembolsando para se tornar destaque em competições mundiais não foram acompanhados de uma política nacional de incentivo ao esporte, o que inutiliza muitos dos milhões gastos na construção de parques poliesportivos desde que o país passou a sediar jogos mundiais, como o Pan-americano, em 2007. "E daí se o Brasil chegar aos top 10 no quadro de medalhas olímpicas este ano? O que isso significa ou o que deixa de legado para o país? Virar potência olímpica não significa virar potência esportiva", afirma.

MAIS INFORMAÇÕES

O especialista cita o ginasta Arthur Zanetti, campeão olímpico nos Jogos de Londres, como um exemplo de que é preciso fazer mais do que conceder auxílio financeiro aos atletas brasileiros para que o país evolua nos esportes em escala global. "Zanetti, que ganha uma bolsa do Governo para se dedicar à carreira, treina em um galpão em São Caetano, sem a menor infraestrutura. É inacreditável como nem ele pode dispor de um centro esportivo decente para treinamento".

Mas não é apenas no topo da pirâmide esportiva que o problema reside. É principalmente nos estágios iniciais de vida que muitos potenciais atletas nunca chegam a se desenvolver no esporte. "Em 40% das escolas não existe nem quadra para as crianças praticarem modalidades esportivas e serem descobertas por seus talentos. Também faltam professores de educação física. Hoje, são pedagogos que ocupam esses espaços vagos, e as horas destinadas à disciplina, que é obrigatória, acabam virando atividades meramente recreativas".

A forma como o programa Bolsa Atleta foi concebido também justifica, em partes, o insucesso da empreitada brasileira de angariar posições de destaque nas competições mundiais. "O foco do programa tem sido apenas o de aumentar o número de medalhas para subirmos no ranking olímpico. Para isso, são priorizadas modalidades de esporte individual. E o Brasil é um país cuja tradição está no esporte coletivo", analisa. Ainda assim, o especialista não descarta a importância do auxílio financeiro para os atletas, que muitas vezes é a única fonte de renda desses profissionais. "A bolsa dá oportunidades para o atleta se projetar no esporte, mas é uma medida meramente paliativa", complementa.

Ainda que desanimadora, principalmente para um país que tem como meta chegar ao 10º lugar no ranking de medalhas nas Olimpíadas de 2016, a análise de Steinhilber tem respaldo em dados históricos. Antes do Bolsa Atleta, nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, o Brasil ocupava o 16º lugar no ranking de medalhas, com 10 no total, das quais 5 eram de ouro. Nos primeiros jogos que já contavam com o auxílio, em Pequim (2008), o país caiu para a 23ª colocação, ainda que tivesse mais medalhas, pois somente 3 eram de ouro. Já em Londres, quatro anos depois, o país subiu apenas um degrau, passando para o 22º lugar, repetindo o número de medalhas de ouro.

Steinhilber: Brasil precisa de um plano nacional para os esportes
Steinhilber: Brasil precisa de um plano nacional para os esportesCBF

Neste ano, foram contemplados com o Bolsa Atleta 358 dos 465 esportistas que disputam as Olimpíadas do Rio de Janeiro, o que representa 77% do total. Os investimentos, contudo, não se limitam a atletas olímpicos e paralímpicos. O programa, cujo edital foi divulgado com um mês e meio de atraso no Diário Oficial, beneficia 6.152 atletas de todo país, incluindo modalidades não-olímpicas, e custará 80 milhões de reais aos cofres públicos nos próximos doze meses. De acordo com um balanço divulgado pelo Ministério dos Esportes em julho, o Bolsa Atleta, durante seus dez anos de atuação, já concedeu 43.000 benefícios, no valor de 600 milhões de reais para 17.000 atletas.

Além do Bolsa Atleta, em 2013 o Governo lançou o Bolsa Pódio, destinado a competidores medalhistas. Nessa categoria, que faz parte do Plano Brasil Medalhas, e conta com patrocínio de estatais, foram investidos 287,3 milhões de reais em 399 atletas, a maioria pertencente a modalidades individuais.

Após publicação desta matéria, o Ministério do Esporte alegou que o Bolsa Atleta "não faz nenhuma distinção entre modalidades individuais e coletivas para a concessão do patrocínio". Segundo o órgão, "a iniciativa tem como diretriz apoiar, independentemente da condição econômica e da modalidade esportiva, atletas que apresentem bons resultados em competições nacionais e internacionais no ano anterior ao pleito". Em 2016, 31% dos atletas pertenciam a modalidades coletivas.

O ministério fez uma conta diferente para justificar que houve avanços após a implementação do programa. "Na comparação entre os dois ciclos olímpicos (2009-2012 e 2013-2016), houve aumento na conquista de medalhas em campeonatos mundiais e equivalentes (copas do mundo)".

Segundo a assessoria de imprensa, desde a eleição do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Rio 2016, o governo federal investiu mais de R$ 3 bilhões em centros de treinamento para diversas modalidades. Entre elas, está o Centro de Excelência Esportiva de Ginástica Artística e Rítmica, ainda em construção, em São Caetano do Sul. "O atleta Arthur Zanetti manteve os treinamentos no ginásio do Serc, na cidade natal, por opção própria. No entanto, é importante esclarecer que todos equipamentos utilizados por ele são de ponta".

Arquivado Em: