Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

“Milícia é máfia e tem que tirar seu domínio econômico”

Marcelo Freixo, ameaçado de morte, liderou a CPI que mergulhou na realidade dos grupos paramilitares

O deputado pelo PSOL Marcelo Freixo.
O deputado pelo PSOL Marcelo Freixo.divulgação

Eu fui presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro em 2008. Fizemos um relatório contundente, que pediu o indiciamento de centenas de pessoas. Muitos deles foram presos e estão até hoje. Todos os líderes estão na cadeia. Entre eles vereadores e um deputado.

Naquela época, fizemos um mapa territorial e eleitoral sobre as milícias, as identificamos e mostramos como funcionavam, tanto do ponto de vista político quanto econômico. Mostramos que as milícias existiam por uma questão econômica, através do controle do transporte alternativo, do fornecimento de gás, da TV a cabo clandestina, segurança... Tinham um braço social de assistência e um braço do terror. Milícia é máfia. Para acabar com ele é fundamental que você retire suas fontes de financiamento. O domínio econômico e territorial é transformado em domínio político.

As prisões foram feitas, o Ministério Público e a Polícia Civil conseguiram trabalhar melhor depois da CPI, mas não tiraram deles o poder econômico. O resultado é que as milícias cresceram. Hoje ocupam mais territórios do que o tráfico de drogas. Elas estão fortes, apesar de seus líderes estarem presos e da opinião pública ter mudado o seu posicionamento em relação às milícias.

Chegamos no momento da Olimpíada com notícias de que as milícias estão dizendo como as forças de segurança devem agir em seus territórios. Isso é o Estado leiloado. Mostra que as autoridades não tiveram coragem nem interesse de retirar deles o mais importante, que o domínio econômico. Não fizeram o enfrentamento que deveria ter sido feito. Faz com que o crime continua sendo lucrativo.

Em qualquer lugar do mundo a máfia é violenta. Aqui no Rio de Janeiro tivemos uma juíza morta e diversas autoridades ameaçadas. Eu tenho que andar com muito cuidado, estou ameaçado de morte desde então.

Marcelo Freixo é deputado estadual e candidato à Prefeitura do Rio pelo PSOL

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: