Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Caitlyn Jenner, de ícone transgênero a referência republicana

Ex-esportista declara apoio ao partido de Donald Trump durante conferência em Cleveland

Caitlyn Jenner.

“Foi mais fácil sair do armário como transexual do que como republicana”. Com essas palavras Caitlyn Jenner arrancou gargalhadas do auditório durante um discurso em Cleveland (Estados Unidos), nos eventos paralelos ao congresso republicano que vai confirmar Donald Trump como candidato à Casa Branca. Se Jenner já era um ícone para a comunidade LGTB, agora também é referência para os republicanos.

Caitlyn Jenner, de 66 anos, tornou-se ícone da comunidade transexual há um ano, quando saiu na capa da revista Vanity Fair anunciando sua redesignação de gênero. Meses depois, surpreendeu declarando apoio ao Partido Republicano, uma opção política que lhe rendeu críticas da comunidade LGTB. E ela mesma admitiu em Cleveland que os democratas têm feito um trabalho melhor com relação à comunidade de lésbicas, gays, transexuais e bissexuais. “Obama, por exemplo, permitiu a entrada de transgêneros no Exército”, reconheceu Jenner durante o Big Tent Brunch, evento organizado pelo American Unity Fund, um grupo que defende os direitos da comunidade LGBT e que foi fundado em 2013 pelo milionário republicano Paul Singer.

Talvez consciente das incongruências entre suas declarações e o discurso de nuances misóginas que Donald Trump manteve ao longo da campanha, a campeã olímpica não fez uma chamada explícita para votar no magnata como sucessor de Barack Obama. Em ocasiões anteriores, no entanto, manifestou-se contra Hillary Clinton, a candidata democrata à presidência: “Ela não fará nada para a comunidade trans, os republicanos, sim”, disse em seu programa I Am Cait.

São muitos os republicanos que optam por mudar algumas das ideias mais arraigadas no partido, como a oposição ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Meses atrás, alguns políticos conservadores propuseram em vários Estados que os transgêneros deviam usar o banheiro segundo o sexo com que tinham nascido. “Não uso o banheiro masculino há um ano e meio, graças a Deus, porque há ótimas conversas no toalete feminino”, ironizou Caitlyn Jenner.

MAIS INFORMAÇÕES