'Brexit'

Lições do ‘Brexit’ invadem a campanha eleitoral dos Estados Unidos

Trump se sente reforçado pelas semelhanças entre seus apoiadores e os da saída britânica Eficácia do discurso do medo de Clinton é questionada

A decisão dos eleitores britânicos de deixar a União Europeia no referendo do Brexit, na última quinta-feira tem gerado interpretações de ordem eleitoral nos Estados Unidos. Para o republicano Donald Trump, o resultado do Brexit avaliza a sua estratégia, por refletir a força do sentimento antiestablishment que o impulsionou como candidato. Para a democrata Hillary Clinton, sua adversária nas eleições presidenciais de novembro, a saída do Reino Unido da UE significa um sinal de alerta, evidenciando o grau de atração da mensagem populista e questionando a eficácia de suas tentativas de combatê-la apresentando-se como uma política experiente e séria.

Trump na Escócia, sexta-feira passada, ao analisar o resultado do ‘Brexit’.
Trump na Escócia, sexta-feira passada, ao analisar o resultado do ‘Brexit’.Jeff J Mitchell / Getty Images

Trump aplaudiu o resultado da votação da quinta-feira passada. Considerou-o “realmente fantástico” e uma demonstração de que as pessoas estão “cansadas no mundo inteiro”. Alguns políticos republicanos atribuíram a vitória do Leave ao desgaste sofrido aos olhos da população pela burocracia política de Londres, Bruxelas e Washington, que eles afirmam denunciar.

Mais informações

Clinton afirmou respeitar o resultado do referendo e utilizou-o para atacar Trump por sua inexperiência política ao afirmar que a “incerteza” reafirma a importância de um líder “sereno e experiente”. Sua campanha divulgou uma peça de propaganda em que ela critica o fato de o magnata ter festejado a queda do valor da libra britânica em consequência do Brexit dizendo que isso poderia favorecer os seus planos empresariais na Escócia, onde inaugurou um campo de golfe no dia seguinte à votação.

As realidades sociais, o peso do nacionalismo e a questão migratória são diferentes nos EUA e no Reino Unido, mas há semelhanças de perfil entre os partidários da saída britânica da UE e os apoiadores de Trump: pessoas mais velhas e brancas, que vivem mais no campo do que nas cidades e com formação inferior à média.

Há coincidências também no que diz respeito aos argumentos que mobilizam esses setores sociais, como o sentimento de desconforto em relação ao status quo, a sensação de que o sistema deixou de beneficiá-los, o medo diante da chegada de imigrantes e a crença em um futuro melhor apesar da falta de concretização das promessas políticas.

Fiona Hill, diretora do Centro dos Estados Unidos e Europa do Brookings Institution, um laboratório de ideias de Washington, afirma que os paralelismos entre EUA e Reino Unido evidenciam a “profundidade do cansaço” existente nas bases políticas em relação às suas elites.

Hill, que é inglesa e vive nos EUA há 27 anos, defende que o efeito do Brexit nas eleições que definirão o sucessor de Barack Obama na Casa Branca dependerá de como as pessoas que estão pensando em votar em Trump interpretarão as consequências da votação britânica. “O grande impacto disso na economia britânica, a sensação de caos, a turbulência entre as lideranças [dos partidos] podem significar um alerta para aqueles que poderiam estar pensando em dar um voto de protesto”, explica ela, em entrevista pelo telefone.

A mesma base trabalhadora

A especialista argumenta que os partidários do Brexit e os simpatizantes de Trump coincidem em seu voto “antiestablishment, antiglobalização e anti-imigração”. Ela cita como exemplo o apoio majoritário à saída da UE nas regiões mais atingidas pelo declínio industrial do Reino Unido. Em regiões semelhantes nos EUA, o discurso protecionista de Trump e do senador Bernie Sanders —que concorria à indicação pelo partido democrata— foi vencedor no processo das primárias.

Hill vê uma analogia também nos partidos políticos dos dois lados do Atlântico. O fosso existente entre Trump, popular na base, e o aparelho do Partido Republicano equivaleria ao existente no Partido Conservador britânico entre Boris Johnson, ex-prefeito de Londres e o mais visível defensor da saída da UE, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, favorável à permanência na UE. No caso do Partido Trabalhista, a presença antiga e a mensagem combativa de seu líder, Jeremy Corbyn, corresponderiam às de Sanders.

Trump, que poucas semanas atrás havia dito ignorar o termo Brexit, afirmou, após o referendo, que sentia um “grande paralelismo” entre a vitória da saída britânica e o seu próprio avanço no sentido da obtenção da indicação republicana. “As pessoas querem ter o seu país de volta, querem ter independência”, acrescentou. “Haverá muito mais casos em que as pessoas quererão recompor as suas fronteiras, elas querem sua moeda de volta, querem várias coisas, querem ser capazes novamente de ter um país”.

Diante da imprevisibilidade e da ruptura encarnadas por Trump, Clinton, tal como Cameron no referendo, apresenta uma receita de estabilidade e de uma melhora gradual. Ela alerta para os riscos implicados em uma eventual ascensão do multimilionário à Casa Branca e evita fazer promessas bombásticas. É a mesma coisa que Cameron vinha fazendo em relação à saída da UE. Mas, depois da votação britânica, a eficácia desse discurso do medo e da abordagem cautelosa está sendo colocada em questão diante do chamamento à grandeza e aos sentimentos que Trump representa.

Clinton parece ter consciência das lições do Brexit. No último domingo, a candidata democrata afirmou que os EUA e o Reino Unido são diferentes “economicamente, politicamente e demograficamente”, mas admitiu que há semelhanças: “Como vimos, existe muita gente frustrada no Reino Unido. E sabemos que há muitas pessoas frustradas também aqui, na nossa casa. Eu vi isso, eu ouvi isso, eu sei disso”.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50