Seleccione Edição
Login

Assembleia da Venezuela investiga financiamento do partido espanhol Podemos pelo chavismo

A legenda sempre negou ter recebido recursos do Executivo de Hugo Chávez

Relatório sobre suposto financiamento do Podemos pelo Governo venezuelano.
Relatório sobre suposto financiamento do Podemos pelo Governo venezuelano.

A Assembleia da Venezuela abriu oficialmente uma investigação para esclarecer se o partido espanhol Podemos foi financiado com dinheiro do Governo de Hugo Chávez, segundo documentos aos quais EL PAÍS teve acesso. O Podemos sempre negou ter recebido recursos do Executivo venezuelano. No entanto, Freddy Guevara, presidente da Comissão de Controladoria, quer saber se os 7,16 milhões de euros (27,6 milhões de reais) que o Centro de Estudos Políticos e Sociais — vinculado aos três espanhóis — supostamente recebeu entre 2003 e 2011 serviram para promover o partido, que nasceu em 2014.

“Na Venezuela há um ditado: quem não deve não teme”, disse Guevara em conversa telefônica com EL PAÍS. “Não deveriam ter problema em colaborar. Nos comunicamos com atores do Governo venezuelano que naquele momento estiveram envolvidos e fizemos uma análise sobre se o tipo de tarefas pedidas a essa fundação correspondem à quantidade de dinheiro. A conclusão foi que não, que é uma quantia exorbitante”, acrescenta o deputado, reconhecendo que também se baseou em reportagens da imprensa espanhola (ABC e OK Diario) para iniciar a investigação. “Contando com esses elementos, abrimos formalmente a investigação, como instituição, e solicitamos formalmente os documentos oficiais às autoridades venezuelanas, às espanholas, e obviamente aos membros do Podemos, que deveriam ser os principais interessados em esclarecer se o dinheiro foi de fato utilizado para financiamento político ou não.”

Guevara convida os dirigentes do Podemos a comparecer a Caracas para dar sua versão. O Governo venezuelano contratou o CEPS para prestar assessoria, formação e apoio técnico a diversas instituições governamentais, segundo os documentos da Assembleia. Os integrantes da fundação sempre disseram que trabalharam para a Venezuela, como teriam feito para qualquer outro país que pedisse seus serviços. Mas os representantes da Assembleia, dominada pela oposição ao Governo de Nicolás Maduro, acreditam que receberam “uma quantia excessiva em relação aos fundos do país”, o que, além disso, “teria contribuído para desencadear a extrema crise social, econômica e de saúde” na Venezuela.

7,16 milhões de euros em oito anos

A Assembleia da Venezuela iniciou o processo para investigar o suposto financiamento ilegal do Podemos pelo Governo de Hugo Chávez, no valor de 7.168.000 euros (27,6 milhões de reais) através da fundação Centro de Estudos Políticos e Sociais (CEPS).

A investigação é sobre assessorias, programas de formação e apoio técnico prestados ao Governo bolivariano entre 2003 e 2011.

As pessoas de interesse para a Assembleia são Pablo Iglesias, Juan Carlos Monedero, Jorge Verstrynge, Íñigo Errejón e Luis Alegre. Todos são vinculados com a direção do CEPS. Rafael Isea, ex-ministro de Finanças da Venezuela, é o outro mencionado.

O ofício foi enviado juntamente com uma cópia do texto que aponta os funcionários e particulares considerados de interesse para os investigadores: Rafael Isea (ministro das Finanças de Chávez), Iglesias, Monedero, Verstrynge, Íñigo Errejón e Luis Alegre. Também determina o patrimônio público que teria sido afetado (7.168.989 euros), “assim como uma série de elementos de prova que respaldam o início deste procedimento.”

O casa baseia-se no pagamento realizado por “assessorias, apoio técnico e programas de formação prestados ao Governo e seus Ministérios”, no valor de 7.168.090 euros ao CEPS. Outro documento ao qual EL PAÍS teve acesso indica que a fundação “mantém vínculos estreitos” com o Podemos, “vínculos que, se forem demonstrados, envolveriam o financiamento ao partido em questão, o que significaria a prática de atos antijurídicos no marco da legislação da Espanha, e, portanto, contratações irregulares do Estado venezuelano, acarretando a exorbitante quantidade de dinheiro destinada a tal fim.”

Guevara também destaca em seu documento o suposto financiamento do Executivo de seu país ao Podemos, que teria sido proposto “a fim de reforçar as afinidades políticas em relação ao Governo Bolivariano e convites para entrevistas e apresentações em canais do Estado” — incluindo VTV e Telesur — “de pessoas intimamente ligadas ao CEPS, como Juan Carlos Monedero, Pablo Iglesias e Jorge Verstrynge”. Os três são qualificados como “aliados naturais da mal chamada revolução bolivariana”.

O relatório da Comissão Permanente da Controladoria conclui: “Na Venezuela, não é antijurídico contratar assessores políticos, mas as quantias contratadas chamam potencialmente [sic] a atenção, mais ainda quando se vê o tipo de serviço pelo qual se realiza o pagamento, agregando-se o fato de que, se for demonstrado o vínculo entre a fundação CEPS e o partido político Podemos, a contratação seria ilegal frente ao Estado espanhol.”

MAIS INFORMAÇÕES