Eleições no Peru

Autoridade eleitoral do Peru aponta Kuczynski como vencedor

Pedro Pablo Kuczynski, de Peruanos por el Kambio, ficou em primeiro lugar com 50,12%

Simpatizantes de Kuczynski comemoram a vantagem do candidato.
Simpatizantes de Kuczynski comemoram a vantagem do candidato.Silvia Izquierdo / AP

Mais informações

Quatro dias depois do segundo turno, o chefe do Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol), Mariano Cucho, informou que o candidato presidencial Pedro Pablo Kuczynski, de Peruanos por el Kambio, ficou em primeiro lugar com 50,12% contra 49,88% da sua oponente, a líder da Fuerza Popular, Keiko Fujimori. O economista e ex-banqueiro de investimentos conseguiu 8.580.474 votos contra os 8.539.036 da ex-congressista, ou seja, uma diferença ajustada de apenas 41.438, e 0,3 décimos em porcentagem.

Kuczynski, que adiou duas vezes uma conferência de imprensa na parte da manhã e da tarde, aguardando o andamento da contagem oficial de 100% das atas processadas, disse ao sair de casa: “Vamos trabalhar muito. Falta pouco (para terminar a contagem dos votos)”. As atas ainda não contabilizadas estão sendo avaliadas, por causa das impugnações, no Tribunal Nacional Eleitoral.

Horas antes, o vencedor virtual das eleições já tinha começado a agir como presidente eleito do Peru. Tanto que seus dois candidatos a vice-presidente, Martín Vizcarra e Mercedes Aráoz, já começaram a tarefa de transferência de poder com o Governo atual, do nacionalista Ollanta Humala. Kuczynski manteve um silêncio de três dias à espera de que Fujimori reconhecesse a derrota, mas na quinta-feira decidiu rompê-lo para se apresentar como virtual vencedor das eleições. Vizcarra e Aráoz são próximos do economista e ex-banqueiro de investimento, e terão muito peso. “Dizem que estou velho, é verdade, mas o coco [cabeça] e a experiência funcionam para mim. E se acontecer alguma coisa, tenho duas apólices de seguro: Martincito e Mechita, assim vamos trabalhar”, disse Kuczynski, 77 anos, há uma semana em Arequipa, como resposta aos rumores sobre sua saúde.

Kuczynski manteve um silêncio de três dias à espera de que Fujimori reconhecesse a derrota

Aráoz disse na quinta-feira ao jornal Gestión que as primeiras questões que devem chegar a um consenso serão a luta contra a insegurança e a recuperação econômica, para ter recursos contra o crime. “O que vem a seguir é reconciliação, trabalho, diálogo. PPK é um líder que gosta de conversar, o espaço está aberto para as melhores opções para o crescimento do país, reduzir a pobreza, dar melhor educação”, disse Aráoz, economista e ex-ministra de Economia e da Indústria e Comércio durante o Governo de Alan García.

Vizcarra, de 52 anos, é engenheiro civil e foi governador da região de Moquegua entre 2011 e 2014, em uma gestão cuja principal realização foi colocá-la em primeiro lugar nos indicadores de educação. Quem o conhece afirma que é um grande negociador. Foi convidado duas vezes para ser primeiro-ministro do Governo de Ollanta Humala. Além disso, através do investimento em infraestrutura de água e outros acordos com comunidades afetadas pela mineração, em 2012, destravou o projeto de mineração Quellaveco da empresa Anglo American, que não tinha o apoio da população. Em entrevista ao EL PAÍS disse que é a garantia de que o Governo de Kuczynski vai priorizar as regiões, ao contrário dos Governos anteriores.

Aráoz foi até dezembro representante do Peru no Banco Interamericano de Desenvolvimento, e negociou a última etapa do Tratado de Livre Comércio (TLC) com os Estados Unidos. Em 2009, em meio a uma greve na Amazônia contra os decretos legislativos que mudavam o regime da terra, disse que se fossem revogados “era o fim do TLC”.

39.000 votos

Enquanto isso, Fujimori se recusa a admitir a derrota, em meio a um ambiente interno complexo no fujimorismo, que perdeu na reta final uma vitória que tinha assegurada há uma semana. Embora 99,95% dos votos já tenham sido contados e haja uma diferença de 39.051 cédulas a favor de PPK, Fujimori declarou na quinta-feira: “Estamos esperando pacientemente”.

Na quarta-feira, durante uma sessão no Congresso, o parlamentar Pedro Spadaro comentou: “Não se sabe quem é o Governo entrante; paciência, pelo menos, já se sabe de quem é o Congresso”. O fujimorismo tem 73 congressistas contra os 18 de PPK e isso pode deixar tudo mais difícil. “Com uma margem estreita de apenas 39.000 votos estamos esperando os pronunciamentos oficiais tanto do ONPE [junta eleitoral central] como do Tribunal Nacional Eleitoral. Nosso partido e nossa líder vão respeitar o que o povo peruano indicou no domingo, mas temos o direito de que todos os votos sejam contados. O processo eleitoral ainda não terminou”, disse Spadaro.

A deputada fujimorista Lourdes Alcorta reclamou também que, no domingo, o Governo colocou nas ruas uma quantidade de policiais “maior do que o normal” para resguardar as eleições, impedindo que estes votassem, e seu grupo político acredita que teria sido na Fuerza Popular. Na quarta-feira, a congressista fujimorista Luz Salgado se mostrou relutante em dialogar com o próximo Governo e disse que PPK precisa “baixar o tom de sua linguagem porque não se pode acusar alguém de traficante de drogas e depois querer dialogar”.

Duro final para Humala

J. FOWKS

O presidente peruano, Ollanta Humala, deixará o cargo em julho afundado nas pesquisas e da pior maneira possível: com um pedido da promotoria para que o juiz impeça que a primeira-dama, Nadine Heredia, saia do país. A presidenta do Partido Nacionalista, uma referência política do grupo de Humala, é investigada pelas contribuições a esta organização nas campanhas eleitorais de 2006 e 2011, em que seu marido foi candidato. A Promotoria de lavagem de ativos formalizou a investigação preliminar que inclui, entre outros, o irmão de Heredia, ex-tesoureiro do partido. Humala criticou esta decisão da promotoria porque “prejudica a imagem do Peru”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50