Obama anuncia respaldo a Hillary e recebe Sanders na Casa Branca em busca de unidade

Presidente procura atuar como mediador durante reunião na Casa Branca com pré-candidato democrata

O presidente Barack Obama (dir.) caminha ao lado de Bernie Sanders em direção ao Salão Oval.
O presidente Barack Obama (dir.) caminha ao lado de Bernie Sanders em direção ao Salão Oval.PETE MAROVICH (EFE)

As primárias democratas ainda não terminaram. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu nesta quinta-feira o senador Bernie Sanders na Casa Branca para conversar sobre o futuro da campanha, mas o adversário de Hillary Clinton continua a não admitir que já tenha sido derrotado. Sanders se comprometeu, no entanto, a fazer “tudo o que estiver ao meu alcance” para impedir que o candidato republicano, Donald Trump, chegue à Presidência do país. Minutos depois do encontro, Obama respaldou a campanha de Cllnton em vídeo, dizendo que "está com ela": "Não creio que tenha havido alguém mais qualificado para ocupar esse cargo".

Sanders manteve a sua promessa de levar a disputa com Clinton nas primárias de Washington, na semana que vem, e de chegar até a Convenção Nacional do Partido Democrata, marcada para julho na Filadelfia. O senador não tem chances matemáticas de ganhar da ex-secretária de Estado, que conseguiu nesta semana atingir o número necessário de delegados para garantir a indicação, mas prometeu colaborar com ela para derrotar Trump.

“Este movimento tem como objetivo criar um governo que represente a todos nós, não ao punhado de multimilionários que contribuem para as campanhas”, afirmou Sanders ao sair da reunião com Obama. Segundo a Casa Branca, o encontro foi realizado a pedido de Sanders, que agradeceu tanto ao presidente quanto ao vice-presidente, Joe Biden, por sua “imparcialidade” durante os últimos meses.

O senador comentou a candidatura de Trump pelo Partido Republicano e qualificou a sua eventual vitória como um “desastre” para os EUA. “Não consigo acreditar que os republicanos tenham um candidato que fez do racismo e da discriminação o pilar de sua candidatura”, disse o senador por Vermont.

O aspirante democrata dirige-se aos meios depois de reunir-se com Obama.
O aspirante democrata dirige-se aos meios depois de reunir-se com Obama.MICHAEL REYNOLDS (EFE)

Obama não deu declarações depois do encontro, mas analisou a campanha democrata durante uma entrevista gravada na quarta-feira em Nova York. “Minha esperança é de que nas próximas duas semanas sejamos capazes de nos unir. O que acontece durante as campanhas é que as pessoas ficam mais sensíveis, e isso ocorre com todos nós”, disse Obama.

Sanders demonstrou nos últimos dias que, caso venha a admitir a derrota diante de Clinton antes da convenção de julho, o fará ao seu modo. O senador prometeu a seus apoiadores que lutará no encontro do partido pelo voto dos superdelegados, que são os membros do partido cujo voto não está atrelado à decisão adotada pelos eleitores durante as primárias em seus Estados.

Apostar sua indicação a que os 574 superdelegados que já anunciaram que votarão em Clinton mudem de opinião no período de um mês é um enorme desafio. Sanders tem o apoio de 48 deles, e nada a perder. Sua cadeira no Senado não está em risco. O impacto que ele gerou em um Partido Democrata que virou à esquerda, com medidas progressistas que em muitos casos vão além do que o próprio Obama propunha oito anos atrás, é inquestionável.

“Somos o país mais rico do mundo. Não podemos permitir que haja pessoas mais velhas e veteranos de guerra tendo dificuldade para comer”. Como fez em toda a campanha, Sanders denunciou, em Washington, a desigualdade, a pobreza e a influência das grandes fortunas nas eleições norte-americanas. “Estes são os temas que levaremos para a Convenção Democrata no final de junho”.

Obama reconheceu nesta semana o impacto dessas propostas na corrida pela Casa Branca. “Sanders fez com que seja uma candidata melhor”, afirmou ele durante entrevista no Late Night Show de Jimmy Fallon gravado nesta quarta-feira. O presidente explicou que a “energia” do senador e suas propostas “desafiaram” o programa político dos democratas para as eleições de novembro, mas que a palavra, agora, está com Sanders. “Há um processo natural em que cada um acaba por admitir que esse processo não diz respeito a uma pessoa em especial”, afirmou o presidente.

O senador se reuniu também com o líder democrata no senado, Harry Reid, e tem agendado um grande evento em um estádio de Washington na noite de terça-feira. A capital realizará na semana que vem as suas primárias, as últimas previstas pelo calendário de campanha antes da votação geral nas eleições presidenciais de novembro.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: