Multados por ajudar refugiados

Dinamarca trata quem transporta imigrantes por solidariedade como traficantes de pessoas

Refugiados, a maioria sírios, caminham por uma estrada da Dinamarca.

Na Dinamarca, é crime transportar ou dar refúgio a pessoas sem documentação. Os infratores como Lisbeth, uma mulher de semblante expressivo e olhar luminosamente azul, economista e ex-Defensora da Infância (secretaria que tem como objetivo cuidar dos interesses das crianças no país), podem ser condenados a até dois anos de prisão. A lei não é nova, mas em setembro de 2015, à medida que o fluxo de refugiados se intensificava, começou a ser aplicada rigorosamente também contra quem não tirava nenhum proveito econômico desse transporte.

“É usada de forma injusta, igualmente contra os cidadãos solidários e contra os traficantes”, observa a mulher, indignada, num café de Copenhague. Desde então, 300 pessoas foram condenadas a multas pelo mesmo motivo. E esse é apenas um exemplo do endurecimento das políticas migratórias dinamarquesas.

Mais informações

Desde sua chegada ao poder, em junho do ano passado, o Governo de centro-direita restringiu os direitos dos asilados. Isso se traduz em cortes de 10% nas ajudas econômicas e na ampliação para até três anos no prazo de reunificação familiar, que permite aos refugiados trazer cônjuges e filhos para o país. Além disso, o Executivo de Lars Lokke Rasmussen, do Partido Liberal, aprovou em janeiro uma lei que autoriza a polícia a confiscar bens em poder dos refugiados que superem as 10 mil coroas (5.400 reais), para que esse dinheiro contribua com a manutenção deles próprios.

Trata-se de uma medida polêmica, comparada por muitos à expropriação dos bens dos judeus pelos nazistas, e que se transformou num símbolo da mudança de paradigma do país. A Dinamarca –outrora uma das nações mais humanitárias do mundo, que resgatou milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, que foi a primeira a ratificar a Convenção dos Refugiados (em 1951) e uma das pioneiras em dedicar 0,7% do seu PIB à ajuda ao desenvolvimento –, penaliza os solidários e busca barrar quem foge das guerras e da miséria. “A Dinamarca não quer mais ser um modelo, nem mudar o mundo. Agora, o Governo afirma que deve priorizar o ‘interesse nacional’ e fazer do país um lugar mais seguro para os dinamarqueses”, diz Michelle Pace, professora de Ciências Sociais da Universidade de Roskilde. Com 5,6 milhões de habitantes, foi em 2015 o sexto país da Europa com mais solicitações de asilo, 21.000, um terço acima do volume do ano anterior.

Lisbeth Zornig, segunda à esquerda, com a família Rasheed, em sua casa em Copenhage.
Lisbeth Zornig, segunda à esquerda, com a família Rasheed, em sua casa em Copenhage.

A lei das joias, como foi apelidada pelos dinamarqueses, não existe apenas neste reino. Noruega e Alemanha têm normas similares, destinadas a restringir as ajudas públicas apenas a quem não tiver recursos econômicos. A lei dinamarquesa, aliás, não chegou a ser aplicada desde que entrou em vigor, em janeiro. E também em outros países é crime transportar imigrantes indocumentados. Mas essas leis, assim como os anúncios publicados pelo Executivo na imprensa libanesa para informar sobre os cortes de direitos, são elementos que ostensivamente tentam fazer da Dinamarca um lugar menos atraente que as nações vizinhas.

Mas as novas medidas, segundo Pace, não evitam que o país continue sendo um dos melhores da UE no apoio aos solicitantes de asilo. Isso ocorre também apesar do aumento do discurso anti-imigração na sociedade e na política, observa Louise Holck, diretora-adjunta do Instituto Dinamarquês para os Direitos Humanos, que cita como exemplo o crescimento do xenófobo, ultranacionalista e antieuropeu Partido Popular Dinamarquês (PPD), segunda força nas eleições do ano passado, com 21% dos votos. “As políticas restritivas do Governo dinamarquês são eticamente questionáveis, mas esta crise dos refugiados é um sintoma mais profundo de uma mudança muito sombria em toda a Europa”, diz Pace.

A Dinamarca, primeiro a ratificar a Convenção dos Refugiados em 1951, agora penaliza os solidários e busca barrar quem foge das guerras e da miséria

Lisbeth Zornig acredita, de fato, que seu caso seja um reflexo do avanço do discurso xenófobo. O processo judicial contra ela foi aberto após cerca de 20 denúncias de cidadãos. A ex-defensora da Infância não ocultou a carona que deu à família Rasheed. Seu companheiro, Mikael Lindholm, escreveu sobre o assunto na sua página do Facebook. Ele recebeu os refugiados sírios na sua casa de Copenhague, lhes deu café e biscoitos e os levou até a rodoviária. “Aos olhos da lei, eu também sou um traficante de pessoas”, conta, dando de ombros. Ele foi condenado à mesma multa que Zornig. O mesmo aconteceu com Lise Ramslog, uma aposentada de 70 anos que apanhou uma família com um recém-nascido num povoado do sul da Dinamarca e a levou até a Suécia – o que lhe valeu uma multa equivalente a 6.000 reais. Ou com um jovem que transportou uma família afegã por alguns quilômetros, a partir da fronteira da Dinamarca com a Alemanha, e recebeu uma sanção de quase 2.800 reais.

O Governo de Lokke Rasmussen não falou abertamente sobre as condenações aos cidadãos solidários. Mas o PPD tem se pronunciado, argumentando que essas pessoas infringiram a lei e devem ser punidas. O partido, que defende a preservação da cultura dinamarquesa contra forças externas e que a igreja Luterana é a religião dos dinamarqueses, reivindica uma política de “imigração zero”. “É chamativo que digam que defendem os valores cristãos quando estão criminalizando os bons samaritanos. Um bom cidadão, assim como um bom cristão, ajuda a quem necessita. Nós ajudamos, apoiamos a uma família que precisava de nós e que tinha perdido tudo”, diz Lindholm, inflamado. Lisbeth Zornig, ao seu lado, afirma que voltaria a fazer o mesmo sem hesitar. “O nosso é um caso político, uma condenação que quer servir como exemplo”, acrescenta.

Porque, enquanto as chegadas cresciam, também aumentava a solidariedade. Organizações como a Refugees Welcome (bem-vindos, refugiados), que presta assistência jurídica e social aos solicitantes de asilo, recebem cada vez mais voluntários. E, com fina ironia, nasceu uma rede cidadã autodenominada Os Traficantes (ou Os Contrabandistas), que ajuda a transportar refugiados indocumentados, burlando a lei.

Os Rasheed, de origem síria, vivem agora em Helsingborg, um povoado da costa sueca. Reuniram-se ali com outros parentes que já estavam na Suécia. Enquanto aguardam a autorização de residência, estudam sueco e já arranham o idioma. Eles mantiveram contato com o casal dinamarquês. “Ficamos muito tristes com o que aconteceu com Lisbeth e Mikael. São ótimas pessoas e ficamos muito gratos pelo que fizeram por nós num momento em que não sabíamos aonde ir nem o que fazer”, diz por telefone Yousef, de 33 anos, engenheiro mecânico em Damasco e um dos irmãos mais velhos da família. Na Suécia, diz, estão juntos e são felizes. Prefere não se aprofundar no que deixaram atrás. Apenas envia uma foto das gêmeas Gena e Lama. “Olhe para elas”, comenta. “Recuperaram o sorriso.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: