Carmen Lúcia sobre estupro coletivo: “Inadmissível, inaceitável e insuportável”

Ministra do STF divulga nota em que afirma que todas as mulheres são vítimas da violência sexual

Ministra durante seção do STF
Ministra durante seção do STFDivulgação
Mais informações
Compartilhar estupro coletivo nas redes, a nova versão da barbárie brasileira
Advogada de garota carioca: “Vou pedir a saída do delegado do caso”
Reações ao estupro coletivo da jovem carioca mostram um país indignado

Ministra e vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia é mais uma voz pública que se somou aos protestos contra o caso de estupro coletivo sofrido por uma adolescente de 16 anos, no Rio de Janeiro. Publicadas no Twitter, as imagens das agressões sexuais, em que a garota aparece sangrando, com diversos sinais de violência, e desacordada, chocaram parte da sociedade e reascenderam o debate sobre os assédios infligidos diariamente às mulheres. Em uma nota, divulgada nas redes sociais por assessores, a ministra do Supremo faz coro à indignação, classificando o caso como “inadimissível”, “insuportável” e “inaceitável”.

Leia abaixo o texto de Carmen Lúcia na íntegra:

"É inadmissível, inaceitável e insuportável ter de conviver sequer com a ideia de violência contra a mulher em nível tão assustadoramente hediondo e degradante"

"Não pergunto o nome da vítima: é cada uma e todas nós mulheres e até mesmo os homens civilizados, que se põem contra a barbárie deste crime, escancarado feito cancro de perversidade e horror a todo o mundo.

O gravíssimo delito praticado contra essa menor – mulher e, nessa condição, sujeita a todos os tipos de violência em nossa sociedade – repugna qualquer ideia de civilização ou mesmo de humanidade.

É inadmissível, inaceitável e insuportável ter de conviver sequer com a ideia de violência contra a mulher em nível tão assustadoramente hediondo e degradante. Não é a vítima que é apenas violentada. É cada ser humano capaz de ver o outro e no outro a sua própria identidade.

A luta contra tal crueldade é intensa, permanente, cabendo a cada um de nós – mais ainda juízes – atuar para dar cobro e resposta à sociedade contra tal chaga da sociedade.

O que ocorreu não é apenas uma injustiça a se corrigir; é uma violência a se responsabilizar e a se prevenir para que outras não aconteçam.

Repito: a nós mulheres não cabe perguntar quem é a vítima: é cada uma e todas nós. Nosso corpo como flagelo, nossa alma como lixo. É o que pensam e praticam os criminosos que haverão de ser devida e rapidamente responsabilizados."

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS