“Não se pode penalizar milhões que usam o WhatsApp que não cometeram crime algum”

Especialistas criticam decisão de juiz que ordenou o bloqueio do aplicativo por 72 horas CPI dos Crimes Cibernéticos da Câmara deve votar nesta terça-feira seu relatório final

Andre Penner (AP)
Mais informações

Flávia Lefèvre, representante do terceiro setor no Comitê Gestor da Internet no Brasil, afirma que a decisão do juiz viola o princípio de "inimputabilidade da rede", previsto no Marco Civil da Internet e nos princípios de governança estabelecidos em 2009. “Você não pode penalizar toda a rede, por que aí você está impondo uma sanção para milhões de usuários que não cometeram crime algum”, afirma. De acordo com ela, a prática de bloquear sites e aplicativos através de decisões judiciais “está recuando em todo o mundo”, e que hoje Estados Unidos e vários países europeus buscam alternativas à penalização coletiva. “O que nós defendemos é que a polícia esteja aparelhada para lidar com essa nova realidade, dos crimes cometidos na rede”, diz Lefèvre, que cita ainda a importância social que o WhatsApp desempenha na sociedade, “servindo como um dos principais meios para notificações de emergência, por exemplo”.

Lefèvre faz questão de frisar que o CGI não discute a obrigatoriedade de que “qualquer empresa que forneça aplicações ou conteúdos no país cumpra a legislação e ordens judiciais”, mas é preciso levar em conta a possibilidade concreta de fornecer dados solicitados pelas autoridades. O WhatsApp, por exemplo, adota um sistema de criptografia que, de acordo com a empresa, torna todos os dados inacessíveis até mesmo para seus funcionários. Para ela, a criptografia dos dados é positiva para o usuário, tendo em vista “a tendência de vigilância massiva e invasão de privacidade que existem na rede”, mas cabe ao WhatsApp “comprovar ao juiz que é tecnicamente impossível fornecer estas informações”.

Em nota, o WhatsApp se disse "desapontado" com o bloqueio, e afirmou que coopera com as autoridades. "Depois de cooperar com toda a extensão da nossa capacidade com os tribunais brasileiros, estamos desapontados que um juiz de Sergipe decidiu mais uma vez ordenar o bloqueio de WhatsApp no Brasil", diz o texto. Mais à frente, a nota afirma que a decisão de Montalvão "pune mais de 100 milhões de brasileiros que dependem do nosso serviço para se comunicar, administrar os seus negócios e muito mais, para nos forçar a entregar informações que afirmamos repetidamente que nós não temos",

Segundo Lefèvre, há uma outra dificuldade técnica com relação à identificação e criminosos na rede via a detecção do IP (o endereço virtual do usuário). “Hoje em dia nós temos alguns IPs que contam com várias pessoas conectadas simultaneamente, então apenas identificar o número do IP não basta em uma investigação”.

Veridiana Alimonti, coordenadora do coletivo ONG Intervozes, que trabalha com direito à informação e monopólio da mídia, diz que “as operadoras não podem ser obrigadas a bloquear o acesso a um determinado aplicativo”, uma vez que elas não seriam partes envolvidas no processo. “Isso já está se tornando recorrente no país, e é péssimo para a confiabilidade da Internet”, afirma. Para ela, “em caso de ilícitos cometidos na rede, a sanção deve ser contra o usuário específico, não contra a rede e o serviço como um todo”. Alimonti também cita o Marco Civil da Internet, e afirma que o código “prevê que se retire um conteúdo específico do ar, mas não a rede inteira”. “Imagina se o Gmail se recusar a entregar um dado específico de um de seus usuários. Um juiz pode determinar o bloqueio de todas as contas de email do provedor?”, questiona. “Imagine o prejuízo econômico e social que essas medidas têm”.

Se a proposta da CPI for em frente, esse será o novo normal do país. Todas as semanas teremos notícias de sites e serviços bloqueados

CPI dos Crimes Cibernéticos

A votação do relatório final da CPI dos Crimes Cibernéticos, que está prevista para acontecer na terça-feira, pode facilitar ainda mais a retirada de sites e aplicativos do ar via mandado judicial. Especialistas ouvidos pelo EL PAÍS apontam que o parecer final da comissão deve ser fortemente influenciado pelo lobby das empresas de audiovisual, preocupado com as violações de direitos autorais na Internet. O advogado Ronaldo Lemos, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITSrio.org), usou seu perfil no Facebook para criticar o bloqueio do WhatsApp e o relatório da comissão. “Se a proposta da CPI for em frente, esse será o novo normal do país. Todas as semanas teremos notícias de sites e serviços bloqueados. Tal como na Arábia Saudita ou na Coreia do Norte”, escreveu.

Lefèvre, do CGI, afirma que o principal ponto de atrito entre o relator da comissão, Sandro Alex (PSD-PR), e o comitê, é a equiparação do crime de desrespeito a direitos autorais a outros de maior gravidade, como terrorismo e pedofilia, como justificativa judicial para tirar um site ou aplicativo do ar. “Um dos projetos que deve ser votado diz respeito à autorização do bloqueio de aplicações e sites por condutas que infringem a lei de direito autoral”, afirma. “Isso é resultado do lobby pesado que a indústria cinematográfica da indústria americana e representantes da propriedade intelectual tem feito no Congresso”, diz a coordenadora.

Alimonti, do Intervozes, também critica este ponto e afirma que ele dá carta branca para que conteúdos sejam retirados do ar com a falsa justificativa de que “o problema são os direitos autorais”. “Imagine, por exemplo, se alguém usa um trecho de vídeo institucional da Samarco para fazer um vídeo que fala sobre a tragédia de Mariana, em Minas Gerais. A empresa poderá afirmar que seus direitos autorais foram violados”, afirma.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: