‘Aquarius’ marca a volta do cinema do Brasil a Cannes em grande estilo

Segundo longa de Kleber Mendonça, com Sonia Braga, disputará a Palma de Ouro Veja a lista completa dos selecionados

Sonia Braga, o diretor e o ator Humberto Carrão.
Sonia Braga, o diretor e o ator Humberto Carrão.Pedro Sotero/Divulgação
Mais informações

O filme disputará a Palma de Ouro na 69a edição do evento (de 11 a 22 de maio). Junto com ele, há outro brasileiro: o curta-metragem A moça que dançou com o diabo, do paulista João Paulo Miranda Maria, que também disputa uma palma em sua categoria.

Desde o início da retomada do cinema brasileiro, ao redor dos anos 2000, mais ou menos ao mesmo tempo que outras cinematografias da América Latina retomaram seu fôlego, o Brasil vem construindo sua presença em festivais internacionais – ainda que a passo mais lento que países como a Argentina, por exemplo.

Por isso, chegada de Aquarius ao certame francês, que junto com os festivais de Berlim e de Veneza, são plataformas que impulsionam o cinema latino-americano é importante. O longa, o segundo de Mendonça em ficção, chega com grande expectativa, já que O som ao redor (2012) recebeu uma série de críticas positivas ao redor do mundo e também no Brasil, que representou como candidato à disputa do Oscar em 2014.

Com Sonia Braga no papel principal, o filme fala de Clara, escritora e crítica de música aposentada que vive com três filhos já adultos, é viúva e tem o dom de viajar no tempo. Já A moça que dançou com o diabo é sobre uma garota de família religiosa, que sai para dançar no feriado de Páscoa e se encontra com o diabo na pele de um bom moço.

A seleção atual marca também a volta do Brasil a Cannes, em grande estilo. Em 2012, On the road, adaptação de Walter Salles sobre o livro do escritor norte-americano Jack Kerouac, representou o país, mas não é um filme que aborde a realidade nacional. E vale recordar que Kleber Mendonça vai concorrer com diretores veteranos e premiados, como Pedro Almodovar, Ken Loach, os irmãos Luc e Jean-Pierre Dardenne, Jim Jarmusch, Sean Penn, só para citar alguns.

O presidente do júri principal é o cineasta e roteirista australiano George Miller, diretor de Mad Max. Do júri da competição de documentários, participa pela primeira vez o crítico brasileiro Amir Labaki, diretor do Festival É Tudo Verdade.

Confira abaixo a lista total de selecionados este ano para o festival francês.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: