Pesquisas indicam empate técnico para segundo colocado nas eleições do Peru

Mendoza e Kuczynski se enfrentam para disputar o segundo turno com Fujimori, que perde pontos

Um cartaz da candidata presidencial Keiko Fujimori.
Um cartaz da candidata presidencial Keiko Fujimori.MARIANA BAZO (REUTERS)

A eleição presidencial no Peru será decidida por alguns milhares de votos, pelo menos é o que indicam pesquisas realizadas na última semana. Nos últimos dias, segundo diretores das quatro principais empresas de pesquisa do Peru, que realizaram uma reunião com a imprensa internacional, houve algumas pequenas mudanças. A favorita para ganhar o primeiro turno no domingo, a líder da Força Popular, Keiko Fujimori, está perdendo entre um e três pontos, provavelmente por causa dos protestos realizados contra a candidata em 5 de abril. No entanto, está na liderança muito longe do segundo colocado. Porém, o mais importante para o resultado final é que os quatro institutos de pesquisa identificam um empate técnico para o segundo lugar, entre Pedro Pablo Kuczynski (Peruanos pela Mudança, de centro) e Verónika Mendoza (Frente Ampla, de esquerda). As eleições mudariam muito com a entrada de um ou de outro, porque ocupam espaços muito diferentes.

Mais informações

"Fujimori perdeu três pontos, provavelmente como resultado das marchas; isso a afasta de uma vitória no primeiro turno. Pedro Pablo Kuczynski (PKK) se mantém e Verónika Mendoza cresceu 1,7% em votos válidos, em empate virtual com PPK", disse Alfredo Torres, diretor do instituto Ipsos no Peru, sobre uma pesquisa realizada em meados desta semana.

Segundo o último levantamento do Ipsos, a favorita das pesquisas tem 37% dos votos válidos — descontando nulos e brancos —; Kuczynski tem 20,3%; e Mendoza conta com 20,1% das intenções de voto.

De acordo com Torres, a porcentagem de eleitores indecisos chega a 9%: "mais rurais do que urbanos, mais mulheres do que homens, com mais idade do que jovens, e mais nos níveis socioeconômicos D e E do que na classe média", detalhou.

Na pesquisa realizada pela Datum Internacional, entre 3 e 6 de abril, a ex-congressista e filha do ex-presidente Alberto Fujimori obteve 35,4% das intenções de voto; Mendoza, parlamentar de Cusco e candidata da esquerda, aparece com 15,3%; e o candidato do Peruanos pela Mudança, com 14,8%, informou Urpi Torrado, gerente-geral da Datum. "Para a Força Popular, há uma ligeira queda de 36,1% para 35,4%, em comparação com a pesquisa anterior, e um empate técnico entre Mendoza e PPK", disse.

O diretor-gerente da GfK no Peru, Hernán Chaparro, destacou que menos de 4,6 pontos de distância entre um candidato e outro não é uma diferença significativa e se interpreta como empate. No levantamento com a cédula eleitoral, Fujimori alcançou 40,7% dos votos válidos (descontando nulos e brancos); Kuczynski obteve 20,8%; e a líder da Frente Ampla, 16,5%: "estritamente é um empate", disse Chaparro.

Keiko Fujimori está perdendo entre um e três pontos, provavelmente devido aos protestos realizados contra ela

"Comparada com a pesquisa de 1o de abril, quando Fujimori tinha 42,1%, agora tem dois pontos a menos de votos válidos; Kuczynski subiu 3,7 [pontos], é o que mais se move na medição; e Mendoza não se move", disse o responsável da GFK.

Para Chaparro, a candidata da esquerda conseguiu ocupar o espaço de tecnocrata Julio Guzmán, especialmente no sul do país. O político do partido Todos pelo Peru, que chegou a ter 21% das intenções de voto, ficou fora da corrida presidencial por decisão do Jurado Nacional de Eleições, devido a violações da lei cometidas no registro de sua candidatura. Além disso, disse que parte dos votos de Alfredo Barnechea (7,7% dos votos válidos), do partido Ação Popular (centro), foi para Kuczynski.

Os institutos de pesquisa não incluem os votos no exterior, que representam 3,9% da população votante, de acordo com o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol), ou seja, mais de 884.900 eleitores", dos quais metade participa", afirmou Manuel Saavedra, do instituto CPI.

Torres disse que o "antivoto" (índice de rejeição) contra Fujimori está no nível mais elevado até o momento na campanha (51% dos eleitores definitivamente não votariam nela); o índice de Mendoza é de 44% e o de Kuczynski, 41%.

O voto rural representa 22% do eleitorado peruano e, nesse setor, Fujimori tem 31% das preferências, enquanto Mendoza atinge 22%, uma porcentagem maior do que a população urbana que votaria nela.

A chave é, portanto, saber quem entra no segundo turno no domingo. As previsões dos institutos de pesquisa indicam que a decisão será apertada e vai depender do que acontecerá nas últimas horas, quando milhões de indecisos realmente escolhem seu candidato.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: