O Brasil mostra sua cara

A história ensina que salvadores, sejam de esquerda ou de direita, sempre conduzem os rebanhos rumo ao abismo

O ex-presidente Lula, em foto do dia 4 de março, após depor na PF.
O ex-presidente Lula, em foto do dia 4 de março, após depor na PF.Nelson Antoine (AP)
Mais informações

Nos primeiros anos do século XVII, o dramaturgo inglês William Shakespeare escreveu uma frase lapidar para o personagem MacBeth, o general que tomando o lugar do rei após assassiná-lo inaugurou um período de arbitrariedades e derramamento de sangue. Na Cena V do Ato V, MacBeth, dialogando com Seyton, seu oficial, afirma: “A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, sem sentido algum”. Constatação terrível, se a tomamos no âmbito da nossa vida pessoal, mas ainda mais trágica se a pensarmos no contexto da crônica de uma nação.

A presidente Dilma Rousseff, acossada por um processo de impeachment, oferece um ministério, qualquer um, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com isso, imagina que com seu inegável carisma Lula irá recompor a base aliada, que tem como principal partido de sustentação o PMDB, e irá recolocar a esfrangalhada economia nos eixos. Ao fazer isso, Dilma, na prática, está renunciando ao seu mandato, já que evidentemente a sombra de Lula irá se projetar sobre cada pequeno espaço do governo. É uma espécie de suicídio político com um bilhete de despedida no qual admite sua incompetência.

Por seu turno, Lula, acuado por graves denúncias de corrupção, ao invés de respondê-las uma a uma com a altivez de quem não tem nada a esconder, busca, de todas as maneiras, esquivar-se. A investigação que responde dentro da Operação Lava-Jato transcorre na esfera da Justiça Federal. Aceitar um cargo no governo é deslocá-la para o domínio do Supremo Tribunal Federal (STF). É um artifício legal, sem dúvida, mas constrangedor para quem um dia surgiu como um líder destinado a por fim aos desmandos da hipócrita política brasileira.

De qualquer jeito, com ou sem Lula, Dilma está de novo nas mãos – ou, talvez melhor, nas contas – do PMDB, esse partido que tornou-se, na breve história da nossa fragilíssima democracia, um grande balcão de negócios. A presidente tem que mendigar apoio do presidente do Senado, Renan Calheiros, alvo de três inquéritos no STF, investigado por crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava-Jato. O PMDB sozinho tem 15 dos 57 parlamentares réus em ações no STF – dois senadores e 13 deputados. Além destes, no momento há mais de 100 outros congressistas, de todos os partidos, alvos de inquéritos.

Um dos réus no STF é o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, responsável por dirigir a tramitação do processo de impeachment contra Dilma. Acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, Cunha, por sua vez, pode ter o mandato cassado por seus colegas. Embora tenha conseguido manipular os procedimentos, em continuados adiamentos, a tramitação do processo no Conselho de Ética segue. Ele já avisou que não renuncia – vai usar de todas as armas disponíveis para ganhar sobrevida. Cunha, hoje, é o segundo nome na linha sucessória da Presidência da República. O primeiro é o vice-presidente, Michel Temer, que vem trabalhando desde sempre, às claras, pela destituição de Dilma.

Se Dilma deixar a Presidência, Temer assumirá um cargo para o qual não ganhou um único voto. Sem estofo para garantir a governabilidade, ele já antecipou a aliança com o PSDB que, caso aproveite o convite, chegará ao poder sem ter conquistado a vitória nas urnas. Nada disso é irregular ou ilegítimo – mas é sem dúvida embaraçoso. Se levarmos em consideração que até 2018 dificilmente surgirá um novo nome genuíno, capaz de remendar os farrapos a que a sociedade está reduzida, e que as atuais lideranças, sejam do PT sejam do PSDB, estão todas sob suspeição, resta-nos um temeroso cenário. O de que, inconformados uns, insatisfeitos outros, o povo vá às ruas não em busca de líderes, mas de salvadores. E a História ensina que salvadores, sejam de esquerda ou de direita, sempre conduzem os rebanhos rumo ao abismo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: