Um ministério para Lula, paliativo pouco provável para a crise

Lula foi sondado para posto de Ministro. Tendência é que rejeite oferta, que lhe traria foro privilegiado

Renan Calheiros e Lula após encontro na casa do senador.
Renan Calheiros e Lula após encontro na casa do senador.EVARISTO SA (AFP)

Quem pariu Mateus que o embale. Baseado neste provérbio, um grupo de ministros petistas sondou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a possibilidade de ele assumir um ministério na gestão Dilma Rousseff com o objetivo de controlar a base aliada no Congresso Nacional e tentar dar uma nova feição à coalizão de partidos que ele criou nos oito anos em que esteve na cadeira presidencial. “A ideia é que ele faça os partidos aliados cumprirem acordos de apoio que firmaram com o próprio Lula e que mantiveram, ao menos no papel, com a Dilma por influência dele. No fim, o objetivo é frear essa sanha pelo impeachment”, ressaltou uma fonte do Palácio do Planalto. A pasta que seria ocupada pelo ex-presidente não foi definida. Poderia ser a secretaria de Governo ou ministério das Comunicações.

Ao ter um assento na Esplanada dos Ministérios, Lula ganharia de quebra a prerrogativa de foro privilegiado. Ou seja, ao menos no período em que estivesse no cargo só poderia ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal e fugiria do implacável juiz Sergio Moro, da primeira instância da Justiça Federal do Paraná e responsável pelas sentenças da Operação Lava Jato. Se aceitasse o cargo, o petista também não seria julgado por um juiz de São Paulo caso a Justiça estadual considere pertinente a denúncia (acusação criminal formal) feita nesta quarta que acusa Lula de ocultação de patrimônio.

Mais informações

A tendência é que o ex-presidente não aceite o convite porque, segundo aliados, não gostaria de passar um “recibo de culpa”. Lula é investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal por supostamente ocultar bens, como um sítio em Atibaia e um tríplex no Guarujá (ambos em São Paulo) e por ter se beneficiado ilegalmente de reformas feitas nestes imóveis por empreiteiras como a Odebrecht e a OAS, essas duas investigadas pela Operação Lava Jato. No caso da promotoria paulista, Lula é acusado de esconder ser proprietário do imóvel no Guarujá. O petista nega ser dono do apartamento e vê motivação política na denúncia.

“O ex-presidente nos disse que acha que pode ajudar na unificação da base mais do lado de fora do que dentro, mas ele precisa ser chamado para isso”, afirmou o senador Humberto Costa (PT-PE), líder do Governo no Senado, após participar de uma reunião com Lula nesta quarta-feira. A oposição reagiu a possibilidade de Lula se tornar ministro. “Se o Lula assumir um ministério, o Governo Dilma pode acabar. Ficará claro quem estará no comando”, afirmou o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima.

Nos últimos dois dias Lula esteve em Brasília para participar de dois encontros políticos. O primeiro foi na noite de terça-feira no Palácio da Alvorada com Rousseff e com os ministros da Casa Civil, Jaques Wagner, e de Governo, Ricardo Berzoini. O segundo, na manhã de quarta, quando se encontrou com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e outros 20 senadores. Nas duas ocasiões tratou da sondagem para ocupar um ministério, reclamou de ter sido conduzido para prestar depoimento à polícia e pediu que os parlamentares e o Governo o defendessem das críticas da oposição.

Caso aceitasse o chamado para tentar ajudar a retirar a gestão Rousseff da UTI, Lula correria outros dois riscos. O primeiro era, na prática, enfraquecer mais ainda a presidenta e trazer para seu gabinete o atual cerne da Lava Jato. O segundo era acabar minando suas chances de concorrer em 2018 ao se fundir ao Governo que enfrenta crise econômica e com baixíssimos índices de popularidade. A aprovação de Rousseff é uma das menores entre os presidentes brasileiros já registrada. Atualmente, conforme a última pesquisa Datafolha do fim de fevereiro, a rejeição chegou aos 64%. No ano passado atingiu 71%.

Mesmo sem cargo, Lula é considerado um influentíssimo conselheiro. Em um período de seis meses, por exemplo, o ex-presidente articulou a derrubada de três ministros. E sempre que atuou teve sucesso e recriou o núcleo duro da gestão Rousseff. O ex-presidente conseguiu retirar Aloizio Mercadante da Casa Civil e colocar seu aliado Jaques Wagner. Pressionou pela queda de Joaquim Levy da Fazenda e afastou José Eduardo Cardozo da Justiça. Nos dois últimos casos não indicou os substitutos, mas com relação à Justiça, ainda poderá fazê-lo, pois o substituto de Cardozo, o procurador Wellington César Lima e Silva, teve sua nomeação questionada no Supremo Tribunal Federal. Por 10 votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que procuradores ou promotores não podem ocupar cargos de ministro ou secretário. Ou seja, Lima e Silva terá decidir em até 20 dias se fica na carreira de procurador ou na pasta.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: