El País Semanal

Como se dar bem com a sogra (ou o sogro)

Brasil celebra dia da sogra em 28 de abril. A despeito do que dizem, a relação pode ser boa

Monógrafo Estudio

Esta semana descobri no calendário que existe um dia da sogra. É o 28 de abril no Brasil (também há o dia do sogro, é em 10 de março). Fiquei surpresa, reconheço. É que, embora muitas dessas mulheres realizem um trabalho social e familiar valiosíssimo, costumo escutar na consulta mais motivos de queixa que de comemoração. Portanto, se você é dos que têm mais motivos para se queixar do que para festejar nessa data, provavelmente se interesse pelo que vem a seguir.

Mesmo se o problema não for a sua sogra, e você simplesmente quiser melhorar uma relação através de uma boa conversa, preste atenção também.

MAIS INFORMAÇÕES

A primeira coisa a levar em conta para abordar o assunto é determinar que tipo de conversa deve ser bem preparada. Sabe quando você vai falar em público e anota suas ideias para organizá-las melhor? Faça o mesmo com essa conversa pendente (ou conveniente) e assim terá maior clareza sobre o que deseja transmitir. Mas é verdade que, se pegarmos uma lupa para ver de perto como costumamos falar, descobriremos muitas das causas que geram mal-estar em nós mesmos e em nosso entorno.

Comecemos com um exemplo. Imagine que dona Lola é a mãe de seu marido e que costuma dar balas a seu filho ao buscá-lo na escola. Você lhe agradece pelo apoio na criação do garoto, mas tem medo de que esse hábito acabe custando caro, ainda mais com seu histórico de diabetes. Essa é apenas a ponta do iceberg. A maioria de nós, ante essa situação repetitiva, falaria assim ao cônjuge: “Não aguento mais. Parece que sua mãe faz isso de propósito. Dá guloseimas ao Pedrinho, embora eu tenha dito mil vezes que isso está proibido.” Mas este seria um mau começo se realmente quisermos que a sogra nos entenda. A frase soa como uma reclamação. Se desejamos bons resultados, é preciso começar diferenciando entre reclamação e pedido.

Quando nos queixamos, costumamos fazê-lo diante de terceiros procurando apoio ou simpatia, mas isso na verdade provoca mais rancor e não costuma resolver o conflito. Já o pedido é diferente porque, se for bem formulado, pode poupar muitos desgostos. Mas geralmente é mais complexo porque expõe mais nossas carências e vulnerabilidades. Voltemos ao exemplo anterior e preparemos uma conversa produtiva seguindo quatro passos elaborados pelo psicólogo americano Marshall B. Rosenberg em seu livro Comunicação Não Violenta: Técnicas para Aprimorar Relacionamentos Pessoais e Profissionais (Editora Ágora).

Anna Parini

Primeiro passo: observação. Rosenberg nos incentiva a colocar sobre a mesa aquilo que vemos. Mas tem um truque: trata-se de uma observação sem avaliação. Para isso é preciso tirar o hábito de juiz profissional e contar objetivamente o que foi visto. No caso que mencionamos antes, seria preciso dizer à sogra uma frase como esta: “Dona Lola, a senhora deu balas ao Pedrinho todos os dias desta semana”. Mas o que acontece com nossa opinião? Ela não serve para nada nesse ponto da conversa. Se soltamos algo no estilo “Parece que sua mãe faz isso de propósito”, mostramos unicamente a nossa perspectiva da realidade.

O fato de manifestar o que acreditamos nesse fase não vai nos aproximar da mãe política. Ao contrário. Além disso, é importante entender por juízo qualquer generalização. Não vale um “sempre” dá balas ou um “nunca” faz o que eu peço. São palavras que vão boicotar desde o início nossa tentativa de aproximação. Portanto, sejamos concisas.

Segundo passo: sentimentos. Como você se sente em relação àquilo que observa? Você disse abertamente que está preocupada com o que os últimos exames de seu filho revelam? Não. A sogra provavelmente imagina, mas se queremos que ela nos leve a sério, precisamos ser claras. Este passo e o seguinte são provavelmente os mais difíceis porque implicam falar de si mesmo e não da “malvada” Lola. O que habitualmente se faz é omitir essa fase porque ou não sabemos identificar o que sentimos, ou não queremos que saibam. Um erro crasso. Este é o degrau que mais nos aproximará do objetivo. Se você mostrar o que sente, permitirá que o outro entenda mais facilmente a recusa de dar açúcar à criança e ainda evitará que isso seja tomado como algo pessoal.

O problema é que nem todos nós sabemos nos expressar. Parece fácil, mas, sem prática, não é. “Passei 21 anos em instituições educacionais norte-americanas e, em todos esses anos, não me lembro de ninguém me perguntar como eu me sentia. Os sentimentos simplesmente não eram considerados importantes. O que se valorizava nesses lugares era a maneira correta de pensar. Somos educados para que nos orientemos em relação aos outros, mais do que para estar em contato com nós mesmos”, explica Rosenberg.

Felizmente, parece que os tempos estão mudando e a educação emocional começa a conquistar um espaço definitivo na sala de aula, segundo o manifesto de projetos educativos como Emocionario, Di lo que sientes (“Emocionário, Diga o que sente”) idealizado pelos espanhóis Cristina Núñez Pereira e Rafael Romero. Voltando a nosso exemplo, e levando em consideração este segundo ponto, é possível dizer: “Dona Lola, a senhora deu balas ao Pedrinho todos os dias desta semana. Desde a última consulta médica, e diante das advertências do pediatra, tenho muito medo que a saúde dele piore”.

Terceiro passo: necessidades. As emoções e os sentimentos negativos surgem a partir de necessidades não satisfeitas. E tampouco estamos bem preparados para isso. Como destaca Rosenberg, fomos educados para pensar naquilo que nos falta. Como então investigar nesse universo desconhecido? Um bom ponto de partida é formular uma frase do tipo: “Eu me sinto... porque eu...”. Dessa forma nos responsabilizamos por nossos sentimentos. No caso da sogra, seria necessário acrescentar: “Quando vejo que a senhora dá balas ao Pedrinho, me assusto porque penso que pode acontecer alguma coisa com ele, e preciso estar segura de que estamos fazendo todo o possível pela boa saúde dele”.

Quarto passo: pedir. Chegamos ao final. Analisamos o que ocorre quando se coloca o foco em você e a lupa em como dizer algo a dona Lola. Falta expressar o pedido. Procure encontrar um momento adequado para as duas. Evite uma conversa casual de corredor e busque um lugar propício para gerar o contexto que mais ajude. Formule a sugestão de uma maneira positiva, com uma linguagem concreta que não dê margem a interpretações. Inclua o que descobrimos nos passos anteriores. Assim, evitará que o pedido seja interpretado como uma exigência.

“Dona Lola, a senhora deu balas ao Pedrinho todos os dias desta semana. Desde a última consulta médica, e diante das advertências do pediatra, tenho muito medo que a saúde dele piore. Estou assustada porque penso que pode acontecer alguma coisa com ele, e preciso estar segura de que estamos fazendo todo o possível pela boa saúde dele. Por isso tudo, eu peço que não compre mais balas para ele”.

Provavelmente essa nova forma de falar manifeste um “eu” desconhecido em nossa interlocutora. Mostrar nossos medos fará com que ela se conecte de maneira autêntica conosco. E certamente agora ela prestará mais atenção. Esse pode ser o início de uma relação de empatia. Parece um exercício complicado? Convido-a a experimentar e treinar. Chegará um dia em que os automatismos serão produtivos.