Primeira Liga: uma derrota histórica para a CBF

Entidade perdeu queda de braço com os clubes, voltou atrás e liberou o campeonato

Caboclo (esq.), Del Nero e Feldman, da CBF.
Caboclo (esq.), Del Nero e Feldman, da CBF.Rafael Ribeiro (CBF)
Mais informações

Três dias depois de proibir a realização da Primeira Liga, a competição alternativa dos clubes aos campeonatos organizados pela CBF, a confederação perdeu a queda de braço: voltou atrás e liberou a realização do torneio. Na quinta-feira, a entidade divulgou nota explicando a decisão de avalizar a competição com algumas considerações sobre os jogos, que serão disputados em meio aos Campeonatos Estaduais. A medida, porém, é uma derrota histórica para a CBF e, por consequência, para a FERJ (Federação Estadual do Rio de Janeiro), presidida por Rubens Lopes, principal opositor da Liga por causa da participação de Flamengo e Fluminense em uma competição fora de sua jurisdição.

O sucesso da rodada inicial da Primeira Liga foi fundamental para a derrota das duas entidades. Os seis jogos tiveram médias de público muito superiores às dos Estaduais. Além disso, a legislação estava a favor do campeonato. Os artigos da 16 e 20 da Lei Pelé permitem que os clubes participem de ligas nacionais ou regionais sem a autorização prévia da CBF e de federações até 31 de março, dia da final da Primeira Liga. Enfraquecida politicamente, a confederação não teve outra alternativa a não ser ceder. Em comunicado intitulado “Acordo entre CBF, federações e clubes”, divagou sobre a intenção de harmonizar o futebol brasileiro, confirmou que pretende incluir a Primeira Liga no calendário oficial a partir de 2017, considerou a edição de 2016 como um torneio amistoso e, por fim, reconheceu o nocaute: “Aprovar, com a devida anuência das federações estaduais envolvidas, a realização de jogos amistosos entre os clubes participantes, no ano de 2016, sem prejuízo da observância das leis, regulamentos e estatutos aplicáveis. A CBF, em parceria com as federações e os clubes, será a responsável por adequar a tabela da competição ao calendário do futebol brasileiro e fornecerá o suporte necessário através de seus órgãos técnicos para a devida oficialização da Copa Sul Minas Rio em 2017”.

Depois de viver 2015 como o pior ano de sua história, com a prisão do presidente José Maria Marín no exercício da função e indiciamento de seu sucessor, Marco Polo Del Nero, que se licenciou do cargo, o ano de 2016 começa para a CBF com uma mostra de que os clubes podem e conseguem se organizar sem a participação da combalida entidade que comanda o futebol no país. A segunda rodada da Primeira Liga está marcada para os dias 6 e 17 de fevereiro, mas o calendário pode sofrer alterações para que Flamengo, Fluminense, Atlético-MG, Cruzeiro, América-MG, Grêmio, Internacional, Coritiba, Atlético-PR, Criciúma, Avaí e Figueirense joguem a Liga e os Estaduais com seus melhores jogadores descansados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: