Atentado em universidade do Paquistão deixa ao menos 21 mortos

Talibã nega a autoria do ataque, pouco após um dos líderes ter assumido o atentado

Ferido é socorrido após ataque no Paquistão.A. M. (AFP)undefined

As primeiras informações apontam que ao menos quatro terroristas aproveitaram a espessa névoa que fazia no começo da manhã para escalar os muros externos do campus da universidade e então entraram em alguns edifícios, abrindo fogo indiscriminadamente contra estudantes e professores.

Mais informações

“A operação terminou, a polícia e as forças de segurança estão agora varrendo a zona em busca de pistas”, afirmou Saeed Wazir, subchefe da polícia provincial, várias horas depois de os disparos começarem a ser ouvidos. O porta-voz não esclareceu se isso incluía os quatro autores do atentado.

Entretanto, uma fonte de segurança disse à Reuters que o número de mortos poderá chegar a 40, à medida que os militares examinam as salas de aula e os alojamentos estudantis. Entre os mortos há alunos, vigilantes, policiais e pelo menos um professor, segundo um membro das equipes de resgate.

As primeiras notícias sobre o fato trouxeram à lembrança a matança de 2014 em uma escola de Peshawar, que deixou 134 mortos, a maioria alunos. Como naquela ocasião, o Talibã paquistanês assumiu a autoria do ataque desta quarta-feira.

O Movimento do Talibã do Paquistão (TTP, na sigla em idioma pashtun) é uma organização geral sob a qual se agrupam cerca de 30 facções islâmicas armadas que dizem lutar para derrubar o Governo de Islamabad e estabelecer um Estado islâmico. Esses grupos parecem ter uma especial fixação pelas instituições educacionais. Além dos dois ataques mencionados, eles já destruíram numerosas escolas primárias (sobretudo femininas) em todo o país, e em 2012 tentaram assassinar Malala Yousafzai, a jovem ativista pelo direito à educação das meninas, que dois anos mais tarde terminaria recebendo o Prêmio Nobel da Paz.

Segundo um vice-reitor da Universidade Bacha Khan, havia 600 convidados no campus, além dos 3.000 universitários habituais, porque a instituição realizaria na tarde de quarta um recital de poesia para marcar o aniversário da morte de Khan Abdul Ghaffar Khan, um popular ativista da independência de etnia pashtun, que dá nome à universidade. O Talibã paquistanês tem sua base social nessa comunidade e habitualmente explora seu nacionalismo. Os pashtuns constituem aproximadamente 20% dos 200 milhões de paquistaneses e metade dos 32,5 milhões de afegãos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: