Movimento Passe Livre endurece tática na luta contra o reajuste da tarifa

Além de convocar atos de rua, terminais e vias foram bloqueados temporariamente como parte da estratégia. Reajuste é visto como "suicídio eleitoral" até no entorno de Haddad, que busca reeleição

'Mascarado' no ato da última sexta.
'Mascarado' no ato da última sexta.NACHO DOCE (REUTERS)
Mais informações
Após ato, black blocs tentam invadir sede do Governo estadual
São Paulo e Rio protestam contra o aumento da tarifa do transporte público
Secundaristas se organizam com “manual de como travar uma avenida”
Manifestantes voltam às ruas de São Paulo e enfrentam repressão da polícia
Governo Alckmin se prepara para “guerra” e alunos vão para as ruas
Haddad manobra para esvaziar os protestos do MPL em São Paulo
Tarifa de transporte em São Paulo vai a 3,80 reais e MPL marca protesto para o dia 8

Se a primeira manifestação contra o reajuste, na última sexta, seguiu o mesmo roteiro de 2015 - início sem distúrbios, envolvimento de black blocs e repressão policial -, uma nova estratégia surge. Desde a semana passada, o MPL vem incentivando e organizando trancamentos, que consistem em fechar vias e terminais de ônibus, impedindo a passagem dos carros, por determinado tempo. O mesmo recurso foi usado pelos estudantes secundaristas no ano passado, quando perceberam que somente ocupar as escolas não estava tendo efeito esperado contra a reorganização proposta pelo Governo Alckmin (PSDB), que fecharia ao menos 92 colégios. Os secundaristas partiram então para levar cadeiras das salas de aula para bloquear vias importantes da cidade.

O primeiro trancamento ligado à mobilização contra a tarifa ocorreu na sexta-feira passada, pela manhã no Terminal Lapa, na zona oeste. Nesta segunda-feira, a ação foi repetida: o Terminal Bandeira, no centro, e o Pinheiros, na zona oeste, ficaram trancados por um tempo durante a manhã. Nesta terça-feira foi a vez do Terminal Santo Amaro, na zona sul. O trânsito ao redor ficou completamente travado para carros e ônibus, que não podiam entrar e nem sair dos terminais. A polícia não reprimiu e, após um tempo de bloqueio, os manifestantes liberaram as vias.

Apesar de divulgar e incentivar essas ações, o MPL não quer para si a responsabilidade pelos bloqueios. Por isso, tem convidado simpatizantes locais a realizar bloqueios perto da área onde vivem. A discrição ocorre por questões “táticas" e de "segurança”, dizem eles. Outro motivo é conceitual:  a palavra "liderança" é repelida pelo MPL, que se diz um movimento horizontal, sem líderes.

Haddad e ano eleitoral

No front político, o prefeito Fernando Haddad se vê mais sozinho em sua decisão pelo aumento do que em 2015. No ano passado, após o primeiro ato do MPL contra o reajuste, o petista convocou membros da Juventude do PT para conversar sobre transporte público e o aumento, na época, de 3 para 3,50 reais. O MPL não foi convidado. A ideia era tentar enfraquecer a mobilização do Passe Livre atraindo integrantes da juventude e grupos ligados ao partido, como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Estadual dos Estudantes (UEE).

Neste ano, a reportagem apurou que mesmo dentro da Prefeitura, entre os mais próximos ao prefeito, há muitos que encaram a medida, que Haddad diz ser inadiável, como "suicídio eleitoral" para o petista, que deve buscar reeleição em meio a baixos níveis de popularidade. Até a CUT, tradicionalmente alinhada ao PT, publicou uma nota em seu site apoiando as manifestações contra o reajuste, que também ocorreu para trens e metrô, sob comando do Governo Geraldo Alckmin (PSDB). A UBES, UNE e UEE estavam presentes no ato de sexta.

Cartaz que será espalhado pela cidade a partir desta terça com os argumentos do MPL contra a tarifa.
Cartaz que será espalhado pela cidade a partir desta terça com os argumentos do MPL contra a tarifa.

A Juventude do PT, por sua vez, publicou uma nota na última sexta que, embora tente não se comprometer com nenhum dos lados, se mostra mais próxima à pauta do MPL do que da medida de Haddad e Alckmin. “A Juventude do PT sempre se posicionará contra reajustes tarifários, pois entendemos que esta medida pesa significativamente no orçamento do trabalhador e daqueles que mais necessitam do transporte público coletivo”, dizia a nota. A juventude petista chama o Governo Federal para assumir a responsabilidade pelo tema de discutir a tarifa zero, em meio à recessão econômica. Na página do Facebook da JPT Nacional, há diversos posts de apoio à luta contra o reajuste da tarifa em várias cidades do país.

A Prefeitura afirma que o reajuste na tarifa é necessárioporque o subsídio aumentou muito no último ano: 1,9 bilhão de reais. Refere-se aos estudantes beneficiados pelo passe livre, criado no ano passado, e aos idosos, cuja idade para usar o benefício foi ampliada - antes, homens só tinham a gratuidade a partir dos 65 anos. A idade foi reduzida para 60 anos.

Os 'black blocs' contra a tarifa

O ato da última sexta-feira, convocado pelo MPL, terminou em violência e depredação no centro da cidade. Mascarados, adeptos da tática black bloc, que prega a depredação do patrimônio como mensagem de inconformidade política, queimaram lixo pelas ruas, viraram caçambas, quebraram pontos de ônibus e agências bancárias. Viaturas da CET tiveram seus vidros arrebentados, e alguns ônibus foram parados. Depois que os passageiros desceram, os veículos foram depredados e pixados.

Essa é uma tática usada em manifestações ligadas a temas progressistas, socialistas e anarquistas _um dos prováveis motivos pelos quais os black blocs não surgiram nos atos pelo impeachment. As de sexta, porém, foram polêmicas até mesmo entre aqueles que apoiam o recurso. "Estou decepcionado com nossos anarquistas... Atrapalhar o trabalhador para atirar pedras em ônibus eles estão dispostos, agora pra atuar na ação direta e na resistência eles estão afim, saem de fininho", publicou um rapaz simpatizante dos black blocs no Facebook.

No Twitter, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), após o ato da sexta, publicou: "São inaceitáveis os atos de vandalismo e a destruição de patrimônio público ocorridos hoje na capital. A PM agiu e continuará agindo para garantir a liberdade de manifestação e o direito de ir e vir. Vandalismo é crime. Não será tolerado." Pode ser interpretado do que está por vir nesta terça.

Fé de errata: Em uma primeira versão desta reportagem, publicamos que a página do Facebook do MPL não era atualizada desde dezembro. O MPL, porém, não é o administrador da citada página.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS