Barack Obama

O legado de Obama: o último discurso do presidente sobre o Estado da União

Historiadores esboçam o legado histórico do presidente um ano antes de ele deixar a Casa Branca

O presidente antes de fazer seu discurso sobre o Estado da União em janeiro de 2015.
O presidente antes de fazer seu discurso sobre o Estado da União em janeiro de 2015.Pablo Martinez Monsivais (AP)

Dentro de pouco mais de um ano, o democrata Obama deixará a Casa Branca depois do fim do seu segundo mandato. Em uma entrevista à revista The New Yorker, publicada em 2014, Obama refletiu sobre a limitada capacidade dos presidentes de mudar o mundo e disse: “Nós só tentamos que o nosso legado seja correto”.

Justin Vaughn

O EL PAÍS perguntou a historiadores e especialistas na presidência como imaginam o parágrafo de Obama nos livros de história.

Justin Vaughn, cientista político da Universidade de Boise

“Dentro de algumas décadas, quando as adesões partidaristas tiverem desvanecido e os estudiosos mais jovens, sem o fardo da memória deste momento particular, controlarem como se determina o legado, veremos que Obama será lembrado como um pioneiro, mas também como alguém que não esteve à altura do que era esperado. Os futuros estudiosos ficarão maravilhados com a forma como Obama foi tão controvertido, algo que deixa em maus lençóis a retórica superexcitada da direita e sua atitude bastante tímida em relação à liderança política e à ação”.

David Blight, professor de História da Universidade de Yale

“Visto que os americanos estão agora, e num futuro previsível, extremamente divididos politicamente, a presidência do presidente Obama terá durante algum tempo, no mínimo, legados duais. A direita continuará a lembrar dele e a usá-lo como modelo favorito de um Estado grande e progressista [liberal, em inglês] e como objeto de seu ressentimento racial. Outros, especialmente os liberais, se lembrarão dele como o maior expoente do Primeiro Americano (como presidente negro), e como um líder político às vezes reticente, mas sempre profundamente sério, inclusive brilhante, em uma época de problemas intratáveis.

MAIS INFORMAÇÕES

Mas no renascimento depois da Grande Recessão, na imigração, no acesso à saúde, nos direitos dos homossexuais, talvez no controle de armas e, certamente, na mudança climática, Obama terá um legado duradouro e transformador. Devemos dizer também que talvez nenhum presidente de grande importância desde Lincoln (talvez Franklin Roosevelt) enfrentou uma oposição tão feroz e implacável. Durante a maior parte do tempo, lidou com os ataques da direita com uma graça que não mereciam”.

George C. Edwards III,  catedrático de Estudos Presidenciais da Universidade A&M do Texas

“Do fato de deter o deslizamento na direção de um abismo fiscal e aumentar a regulação das instituições que nos levaram a esse ponto, até ampliar o acesso dos americanos à saúde, ele fez este país mais forte e mais humano. Administrou uma situação internacional extremamente complexa sem enviar mais americanos para a guerra, aumentou o comércio e reduziu a ameaça de um Irã nuclear. É provável que a história o trate com amabilidade”.

Jennifer Mercieca, historiadora da Universidade A&M do Texas

“Obama tentou, desde o início, ser lembrado como um grande presidente. Os grandes presidentes lideram a nação em tempos de crise e mantêm o rumo do Estado em meio a tempestades convulsivas. Sob seu mandato a economia melhorou e a nação ampliou o direito ao casamento a todos os casais, mas a nação também lutou contra os medos da imigração, o terrorismo, a raça e a violência armada. Internacionalmente, o legado será ambivalente: ao mesmo tempo em que agiu para reparar as relações da nação com o exterior, viu como o extremismo radical continuava em todo o mundo”.

Michael Barone, coautor do Almanaque da Política Americana

“Num momento em que as mudanças econômicas e culturais estão produzindo uma sociedade menos centralizada, em que o crescimento da inovação e da produtividade surge a partir de baixo, ele busca um Estado de comando e controle, mais centralizado e maior. Em tempos nos quais as forças do terrorismo ganham terreno em partes importantes do mundo, ele tenta diminuir o poder americano para combatê-las com a esperança de que, com declarações brandas, fará com que sejam mais amigos da América e que estejam menos comprometidos com o terrorismo”.

Brandon Rottinghaus, cientista político da Universidade de Houston

“Os oito anos de Obama o colocam em um sólido lugar intermediário na curva dos grandes presidentes: forte em algumas áreas, mais fraco em outras. Os presidentes são julgados pela forma como navegam em grandes momentos históricos. Se reconhece que Obama reduziu grandes guerras no exterior e estabilizou uma economia vacilante. Mas apesar de suas corajosas promessas, sua incapacidade para atenuar as dificuldades econômicas da classe média e o aumento da desigualdade de renda prejudicam sua agenda doméstica. O legado do presidente será sustentado apenas pelo sucesso da reforma do sistema de saúde”.

Arquivado Em: