A transição na Argentina

Maurício Macri decreta fim do controle kirchnerista da mídia Argentina

A Lei de Meios de Comunicação foi um dos símbolos do Governo de Cristina Kirchner

O chefe da agência reguladora dos meios audiovisuais, Martín Sabbatella, demitido por Macri, nesta quarta-feira na entrada do escritório do órgão.
O chefe da agência reguladora dos meios audiovisuais, Martín Sabbatella, demitido por Macri, nesta quarta-feira na entrada do escritório do órgão.ENRIQUE MARCARIAN / REUTERS

Mais informações

O novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, demitiu por decreto nesta quarta-feira os presidentes das agências reguladoras dos meios de comunicação audiovisuais e das telecomunicações, os kirchneristas Martín Sabbatella e Norberto Berner. Os dois funcionários eram os únicos que haviam se negado a renunciar desde que a presidenta Cristina Kirchner deixou o cargo, em 10 de dezembro. Sabbatella e Berner tinham mandato, pela lei, até 2017.

Em meio à batalha que livrou contra o principal grupo de comunicação da Argentina, o Clarín, Cristina Kirchner instituiu há seis anos uma assim chamada Lei dos Meios de Comunicação. Essa lei estabelece limites para a quantidade de emissoras de rádio, canais de televisão e operadoras de serviços pagos que um único grupo pode acumular. A legislação foi ratificada pela Corte Suprema e obrigou o grupo Clarín a se desfazer de várias de suas empresas, algo que ainda não foi concretizado graças a vários recursos que postergaram a decisão para 2016. Com a demissão do kirchnerista Sabbatella, já não está garantido que o órgão regulador dos meios de comunicação irá pressionar o grupo para que diminua as suas áreas de atuação.

O decreto de Macri adia em meio ano a intervenção das duas agências. Nesse período, a coligação do presidente, Cambiemos, espera alterar as leis dos meios de comunicação audiovisuais e de telecomunicações a fim de unificar o órgão de controle. A iniciativa requer uma importante manobra no Parlamento. O Cambiemos conta com apenas 91 dos 129 deputados necessários para a aprovação de leis e com apenas 15 dos 37 senadores necessários para o mesmo fim. O presidente não só terá de fazer um acordo com os peronistas antikirchneristas e os progressistas na Câmara dos Deputados, como também precisará de alguns kirchneristas no Senado.

O ministro das Comunicações, Oscar Aguad, afirmou que a lei dos meios de comunicação criada pelo kirchnerismo e aprovada também por uma parcela dos progressistas, continuará em vigor apenas “por enquanto”. O ministro justificou a intervenção nas agências de meios de comunicação e telecomunicações argumentando que Sabbatella e Berner “tomavam decisões sem se ater às políticas que serão encaminhadas de agora em diante”. O kirchnerista Sabbatella reagiu dizendo que permanecerá em seu escritório da agência reguladora de rádio e televisão até que a justiça determine a constitucionalidade do decreto por meio do qual Macri o demitiu. Ele antecipou, ainda, que apresentará um recurso para suspender a medida do presidente.

Há uma previsão de que os militantes kirchneristas irão às ruas para defender a lei dos meios de comunicação, que foi tão emblemática do Governo de Cristina Kirchner. Isso já ocorreu, na semana passada, quando cerca de 15.000 pessoas, incluindo representantes de organizações sociais e de meios de comunicação alternativos, se manifestaram diante do Congresso contra a reforma prometida pelo ministro Aguad. Os manifestantes também se reuniram naquele dia para repudiar o decreto por meio do qual o novo chefe de Estado nomeou dois juízes da Corte Suprema sem que tenham sido ratificados por dois terços do Senado, como prevê a Constituição. O Governo de Macri argumentou que, durante o recesso legislativo de verão, que se encerra em março, o presidente pode designar esses juízes; no entanto, para evitar conflitos dentro de sua própria coalizão, adiou a sua posse para fevereiro. A tensão entre Macri e o kirchnerismo continua aumentando com apenas duas semanas de novo Governo.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50