Ataque a boate no Cairo, Egito, deixa pelo menos 16 mortos

Ministério do Interior afirma que o motivo da ação pode ter sido uma briga de empregados

Local atacado no Cairo.KHALED ELFIQI / Vídeo: REUTERS-LIVE (reuters_live)

Pelo menos 16 morreram e outras três ficaram feridas na manhã desta sexta-feira num incêndio provocado pelo lançamento de vários coquetéis molotov contra um restaurante e boate do bairro de Aguza, centro do Cairo. Segundo nota do Ministério do Interior, o motivo da ação não seria terrorista, e sim provavelmente um ajuste de contas entre funcionários. Um deles foi identificado como uma das duas pessoas que lançaram o artefato explosivo de uma moto. As autoridades estão na zona para tentar prender os responsáveis.

O ataque ocorreu por volta das 7h (2h pelo horário de Brasília) desta sexta, dia principal de oração no islã e início do fim de semana no Egito. O estabelecimento chama-se Al Sayad e fica na rua Al Nil, paralela ao rio Nilo. Segundo a agência Efe, três horas depois do incidente as equipes de bombeiros já haviam apagado as chamas, mas o lugar ficou completamente destruído. Citando fontes médicas, a imprensa local afirma que a maioria das vítimas morreu de asfixia ou em decorrência da inalação de gases tóxicos.

De acordo com informação prestada por um agente das forças de segurança à Reuters, um dos suspeitos do ataque foi demitido da boate recentemente. O prefeito do distrito de Aguzam, Ahmed Adelrahim, confirmou que o incidente tratou-se de um “ação criminosa”, provavelmente um ato de vingança, e descartou o terrorismo.

Mais informações

A violência parece ter se transformado num problema endêmico no Egito após a revolução que derrubou o ex-ditador Hosni Mubarak, em 2011, e sobretudo depois do golpe de Estado de 2013 que depôs o presidente islamista Mohamed Morsi, o primeiro eleito com garantias democráticas. Desde então, formou-se uma insurgência tenaz de inspiração islamista que cometeu mais de mil atentados, a maioria contra as forças de segurança. Estima-se que pelo menos 700 pessoas morreram, entre policiais e militares.

Até o momento, o único ato terrorista de grandes dimensões contra um objetivo civil foi a derrubada de um avião civil russo na península do Sinai, que provocou a morte das 224 pessoas a bordo. A filial do autoproclamado Estado Islâmico (EI) no Egito, Wilayat Sina (“Província do Sinai”), o grupo terrorista mais ativo da insurgência, reivindicou a ação, embora as autoridades egípcias afirmem que a investigação não ofereceu nenhuma prova conclusiva do motivo do atentado. Ao contrário de outros países da região, como a Tunísia, o Egito não registrou nenhum atentado indiscriminado contra alvos turísticos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: