Últimas notícias sobre o processo de impeachment de Dilma

Acompanhe os desdobramentos da crise política brasileira após movimento de Cunha

Dilma discursa em Brasília.
Dilma discursa em Brasília. Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, anunciou quarta-feira que aceita pedido de impeachment de juristas que questiona descumprimento da lei orçamentária pela presidenta Dilma Rousseff. A decisão foi tomada após o PT retirar apoio ao peemedebista no Conselho de Ética, que pode cassar o mandato do parlamentar, suspeito de envolvimento nos desvios bilionários na Petrobras. Dilma reagiu ao movimento com dureza.  Leia os mais recentes desdobramentos:

EL PAÍS BRASIL
A definição da mais alta corte do Brasil pode ser considerada uma importante vitória para a frágil gestão Rousseff. Leia a reportagem completa de Afonso Benites ow.ly/W3ggQ
EL PAÍS BRASIL
Rodolfo Borges
O presidente da Câmara diz que o Supremo mudou a jurisprudência do impeachment em relação ao procedimento adotado na época contra o então presidente Fernando Collor, em 1992.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Segundo Cunha, o presidente do Conselho de Ética está "errando de propósito" na condução de seu caso para "permanecer na mídia".
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Em sua entrevista, ao comentar o recurso que pretende apresentar ao Conselho de Ética (que avalia processo contra ele), Cunha chama de "peça de ficção" o pedido do procurador-geral da República ao STF para afastá-lo.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Cunha elogia o voto do ministro Edson Fachin, vencido no julgamento do rito do impeachment no Supremo nas principais questões.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Segundo o presidente da Câmara, "o que causa mais desconforto é a possibilidade de impedir a disputa que sempre pautou a Casa".
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Cunha: "Neste momento, nos preocupa. Não se pode obrigar ninguém a eleger. Eleição pressupõe o voto. Afastada a disputa pelo Supremo, vira referendo: vota-se sim ou não".
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
"Teremos um problema se o plenário rejeitar a nova comissão", diz o presidente da Câmara.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
"E a comissão especial? A disputa pela presidência e pela relatoria, não tem candidatura avulsa?", segue questionando Cunha. Segundo ele, faltam alguns esclarecimentos. Cunha anuncia a convocação de reunião de líderes para a segunda-feira à tarde.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
"E se os deputados não elegeram a chapa única?", questiona Cunha.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, diz agora em entrevista coletiva que pretende entrar com embargos no Supremo em relação à decisão dos ministros sobre a eleição de candidaturas avulsas.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
O presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, encerra a sessão sobre o rito do impeachment.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Após a vitória da posição do Governo no STF, oposição tenta demonstrar confiança:
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
A contagem final dos temas mais importantes do rito do impeachment: O voto para a comissão deve ser aberto, por 6x5. Não pode haver candidatura avulsa, por 7x4. Senado tem de admitir o processo, por 8x3. Dilma não tem espaço para defesa prévia, por unanimidade.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Enquanto isso, no Congresso Nacional, o presidente do Senado, Renan Calheiros, anuncia que "o ano legislativo está encerrado". Ou seja, o recesso não será cancelado, como estava sendo cogitado.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Lewandowski se posiciona pelo voto aberto, o último ponto para o que faltava definição, e a eleição da comissão do impeachment terá de ser refeita sem voto secreto.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS