PF prende Senador Delcídio do Amaral e banqueiro André Esteves

É a primeira vez que um senador em exercício é preso sem ser em flagrante A prisão, feita a pedido do Ministério Público Federal, foi autorizada pelo STF

O senador Delcídio do Amaral, em imagem de setembro.
O senador Delcídio do Amaral, em imagem de setembro.Wilson Dias (Agência Brasil)

A Polícia Federal prendeu preventivamente, no início da manhã desta quarta-feira, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), 60 anos, por suspeita de tentar obstruir as investigações da operação Lava Jato, que investiga o esquema de desvios bilionários na Petrobras. O senador foi preso em Brasília após um pedido do Ministério Público Federal, e foi levado à Superintendência da Polícia Federal, onde permanece detido. A prisão de Amaral é mais um duro golpe contra o Partido dos Trabalhadores, já que ele é líder do Governo Dilma Rousseff no Senado.

Mais informações

O banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, também foi detido na operação. A prisão ocorreu no Rio de Janeiro e, segundo a PF, Esteves estava destruindo provas das investigações da Lava Jato, assim como o senador petista.

Em seu pedido, o Ministério Público Federal argumentou que Amaral agiu para atrapalhar as investigações da Lava Jato, algo que é considerado crime permanente. Dessa forma, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal que autorizasse a prisão sua preventiva.

Trata-se da primeira vez que um senador federal é preso durante o exercício do seu cargo. A Constituição brasileira prevê que parlamentares só podem ser detidos em caso de flagrante. A Justiça obteve gravações de Amaral, em que ele planejava a fuga do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que está preso por ligação com os desvios na estatal, de não realizar a delação premiada –e assim não revelar à Justiça os detalhes das irregularidades. Cerveró acusou Amaral de participar de um esquema de desvio de recursos envolvendo a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

A conversa foi gravada pelo filho de Cerveró, Bernardo Cerveró, e entregue à Justiça. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o senador propôs um plano de fuga que envolveria a ida de avião até o Paraguai e, posteriormente, para Madri. Cerveró tem cidadania espanhola e conseguiria morar no país. Na conversa, Amaral afirma que ministros do Supremo estariam dispostos a soltar envolvidos na Lava Jato que estão presos no momento, o que facilitaria o plano. 

Além do senador e do banqueiro, o Supremo também autorizou a prisão do chefe de gabinete do petista, Diogo Ferreira, e de um advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, que também estaria na reunião. A Segunda Turma do Supremo se reuniu na manhã desta quarta para avaliar a decisão inicial sobre a prisão, dada pelo ministro Teori Zavascki. Segundo ele, "não haveria outros meios de se preservar as investigações, que não sejam as prisões, uma vez que, conforme relatou o Ministério Público Federal, os envolvidos estariam pressionando Nestor Cerveró a desistir de firmar acordo de delação premiada no âmbito da Operação Lava-Jato". No final da manhã, o colegiado, formado por mais quatro ministros (Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli) referendou, por unanimidade a decisão.

Na lista dos homens mais ricos do Brasil, André Esteves, matemático de formação, filho de uma família de classe média carioca, fez fama e fortuna a partir de 2008, quando fundou o banco BTG em sociedade com Pérsio Arida, ex-presidente do Banco Central de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). No ano seguinte, o BTG comprou o banco Pactual e passou a se chamar BTG Pactual, que no ano passado faturou 6,5 bilhões de reais no primeiro semestre. Reconhecido como um homem bem sucedido e de perfil agressivo no mundo dos negócios, Esteves também era famoso por ser discreto com a vida pessoal, workaholic e por diversificar investimentos em áreas estratégicas. Ele tem participação em mais de 20 empresas.

Em nota, o BTG Pactual afirmou que está à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos necessários e disse que vai colaborar com as investigações.

Já Amaral exerce seu segundo mandato como senador da República pelo Mato Grosso do Sul. Em entrevista em junho, ele criticou o que chamou de "processo de criminalização" do PT. "Essa criminalização é para prejudicar nosso projeto para 2018. Não digo que não erramos. Erros aconteceram e procuramos aprender com eles. Mas há um desejo forte de desqualificação do PT para 2018", afirmou, na ocasião.

A investigação sobre Delcídio do Amaral estava sob sigilo. Seu nome havia aparecido na primeira lista de políticos investigados, mas foi retirado por falta de provas inicialmente. O Palácio do Planalto deverá se pronunciar sobre o caso ainda nesta quarta, quando vai anunciar um novo líder do partido no Senado.

As prisões ocorrem um dia após a Polícia Federal deter, também em Brasília, o pecuarista José Carlos Bumlai, por suspeita de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem ele era amigo.

Colaborou o EL PAÍS Brasil em São Paulo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: