Brasileiros e hispano-americanos, (mais) unidos em prol dos filmes

América Latina investe no intercâmbio de talento técnico e criativo no cinema

'Cidade de Deus', de Fernando Meirelles, inspirou diretores fora do Brasil.
'Cidade de Deus', de Fernando Meirelles, inspirou diretores fora do Brasil.Divulgação

O Brasil, depois de desaproveitar por tempos os laços culturais com os vizinhos latino-americanos, anda investindo em parcerias com o cada vez mais potente cinema da região. Quer ocupar o lugar de coprodutor que foi da Espanha, nacionalizando aqui muitos filmes de outros países, tenta ampliar os acordos bilaterais de desenvolvimento de roteiro que já têm com a Argentina, o Uruguai e o Chile, e olha com um pouco mais de cuidado, finalmente, os exemplos ao seu redor.

Mais informações

Prova disso é a recente visita de Alfredo Manevy, diretor da SP Cine (a empresa de apoio ao cinema e audiovisual de São Paulo), a Bogotá durante o evento do Fondo del Desarrollo Cinematográfico, ligado à agência colombiana Proimágenes, que distribuiu recursos para a nova safra de filmes nacionais. “Nos aproximamos da Proimágenes para pactuar maneiras de escoar a produção cinematográfica paulistana na Colômbia e vice-versa. Outra coisa é a film commission colombiana, cuja experiência inspira em parte a comissão que estamos montando na cidade”, diz Manevy, que pretende armar uma mostra brasileira lá e receber uma colombiana aqui.

Os colombianos celebram a aproximação, que, do lado deles, não começou hoje. Claudia Triana de Vargas, da Proimágenes, conta que quando criavam os moldes que resultaram na atual lei de cinema do país, a lei brasileira do audiovisual foi objeto de cuidadoso estudo deles. “Mandamos traduzir o texto para analisá-lo bem e pudemos aproveitar ideias”, ela relata. Claudia afirma que “os brasileiros são os mais parecidos aos colombianos na região, tanto na maneira de ser, como na diversidade cultural que caracteriza ambos países” e espera que, por conta disso, as parcerias e especialmente as coproduções aumentem. “Não temos no momento recursos para estabelecer um acordo bilateral, mas é um caminho a se pensar no futuro”, adianta.

À margem de acordos estatais, uma das produtoras colombianas mais ativas hoje no corte do chamado cinema de autor, a Burning Blue, buscou produtoras brasileiras para levantar os filmes La playa D.C, de Juan Andrés Arango (com a Bananeira Filmes, do Rio), e o já citado A terra e a sombra (com a Preta Portê, de São Paulo).

À frente da Bananeira, no Rio, Vânia Catani celebrou o movimento, dado quando ela já percorria um caminho de parcerias latino-americanas que faz de sua produtora, hoje, uma das que fala portunhol com maior fluência no país. “Quando comecei a viajar a festivais, achava curioso que nós, brasileiros, éramos tratados como latinos e incluídos no grupo dos argentinos, mexicanos, uruguaios... sem que nós mesmos nos conhecêssemos bem. Achava surreal conversar em inglês com um argentino e então decidi assumir essa turma de fato como a minha”, disse ao EL PAÍS. Deu certo. Hoje, Vânia tem nas mãos o que muitos gostariam de ter: a coprodução de Zama, novo filme da argentina Lucrecia Martel – uma das cineastas mais respeitadas da região.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: