Duas atrizes iranianas fogem depois de divulgar fotos sem véu na Internet

Sadaf Taherian e Chakameh Chamanmah foram tachadas de imorais por autoridades do Irã

As atrizes Sadaf Taherian e Chakameh Chamanmah.
As atrizes Sadaf Taherian e Chakameh Chamanmah.

Duas atrizes iranianas foram obrigadas a abandonar seu país depois de terem sido acusadas de "imorais" e proibidas de voltar a atuar por autoridades. O crime? Postaram na Internet várias fotos nas quais aparecem sem o véu obrigatório. Sadaf Taherian, que se refugiou em Dubai, admitiu que foi um gesto de protesto, mas declarou estar surpresa com o grau de assédio do qual tem sido vítima. Chakameh Chamanmah, que aparentemente está nos Estados Unidos, não comentou o assunto.

Mais informações
Seis meses de prisão e 91 chibatadas para os iranianos do videoclipe ‘Happy’
Jovem iraniana desafia o Governo com dança ousada no metrô de Teerã
Hillary Clinton diz que atacará Irã se país descumprir acordo nuclear

"Não esperava isso do povo do Irã, da minha própria cultura, ouvir tantos insultos", disse Taherian ao programa Tablet, do canal em persa de A Voz da América. "Só posso sentir pena pela reação deles, não tenho mais nada a dizer", acrescentou a atriz, depois de admitir que estava "nervosa e preocupada sobre como as pessoas iriam reagir às suas fotos".

A atriz, que aparece no novo filme Asre Yakhbandan (Idade de Gelo), conta em sua entrevista à conhecida ativista Masih Alinejad que divulgou as fotos sem lenço em seu perfil do Instagram e Facebook “em protesto contra as rígidas leis em vigor no Irã, que obrigam as mulheres a cobrir a cabeça". Não é a primeira a fazer isso. Desde que Alinejad, no exílio desde 2007, lançou sua campanha Minha Liberdade Oculta nas redes sociais, várias iranianas postaram fotos com o cabelo ao vento.

Poucos dias depois, Chamanmah também divulgou várias imagens no Instagram com o cabelo ao vento. Embora não tenha comentado diretamente, alguns familiares disseram que ela "escolheu as roupas de acordo com a cultura social do país ao qual emigrou". Logo depois, grupos na Internet começaram a deixar comentários ofensivos e machistas.

No Instagram, uma das redes sociais favoritas dos jovens iranianos, há meninas bem mais desinibidas e provocativas do que elas, inclusive a filha de um vice-ministro. Mas a maioria das contas são pessoais e só circulam entre um número pequeno de contatos. As fotografias das atrizes, porém, chamaram a atenção do Ministério da Cultura e Orientação Islâmica, que é responsável pela liberação de livros, filmes, peças teatrais e meios de comunicação.

A reação foi fulminante. “Do ponto de vista do ministério, essas duas atrizes já não são consideradas artistas (...) e não terão mais autorização para continuar atuando”, segundo o porta-voz, Hasein Noushabadi. O nome de Chamanmah foi retirado dos créditos da série televisiva Baran-e-man, exibida no canal 3 da televisão iraniana.

Desde um ano após a revolução de 1979, que instaurou a República Islâmica, a legislação obriga todas as mulheres do Irã, qualquer que sejam a sua nacionalidade ou a sua religião, a cobrir os cabelos e os contornos de seu corpo em público. O hiyab, também chamado de véu islâmico, se tornou um símbolo do regime instaurado pelo aiatolá Khomeini e um campo de batalha entre feministas e conservadores.

A mudança geracional que se deu desde então (60% dos iranianos são nascidos depois da revolução) tornou obsoleta essa norma. Embora as mais religiosas ainda utilizem o austero chador (que encobre todo o corpo de preto), os lenços da maioria das mulheres nas cidades se limitam ao mínimo indispensável para evitar uma punição, a não ser na universidade e nos escritórios das instituições governamentais, onde o controle do vestuário é bem mais estrito.

“Trajei o hyab por amor à minha carreira e por exigência dos filmes. Mas quero viver em um lugar e de uma maneira que me façam feliz”, sintetizou Taherian na entrevista, durante a qual também denunciou o assédio sexual que ela mesmo sofreu nos palcos. A atriz se tornou conhecida há dois anos, com Hich Koja Hich Kas (Ninguém em parte alguma).

Há exatamente um ano, também foi decidida a condenação a seis meses de prisão e a 91 chibatadas de vários jovens que divulgaram um vídeo em que dançavam ao ritmo de Happy, de Pharell Williams, um dos problemas, além do fato de serem meninos e meninas dançando juntos, foi que elas se desfaziam de seus lenços. Uma outra atriz bastante conhecida, Golshifteh Farahani, também foi obrigada a se exilar alguns anos atrás depois de ter mostrado os seios em um curta-metragem.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS